Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Palácio Kursaal onde decorreu o congresso

Pelo décimo quinto ano consecutivo profissionais do mundo da gastronomia reuniram-se em congresso no País Basco espanhol. Falou-se muito de produto e de essência, numa edição em que Londres, dos múltiplos conceitos (e do chef português Nuno Mendes), foi a cidade convidada.

Longe vão os tempos em que no país vizinho - e, por consequência, numa vasta área do mundo da gastronomia - se celebrava a pujança de uma cozinha de vanguarda baseada na criatividade (quase sem limites) e na exuberância tecnológica. O discurso e a prática actual parecem ter mudado, ainda que não em absoluto. Há um regresso à terra, às origens, um apelo ao produto e aos produtores. Pelo menos foi essa a tónica dominante nas apresentações dos principais oradores do San Sebastián Gastronomika, um dos principais congressos mundiais de gastronomia que decorreu, entre 6 e 9 de Outubro, nesta cidade do País Basco espanhol.
 
A temática do regresso às origens não é propriamente uma novidade, nem pode ser vista como um seguidismo em relação aos ‘naturalistas’ da cozinha nórdica, que se têm destacado nos últimos anos. Para sermos justos, não se trata sequer de romper com as práticas da cozinha tecno-emocional. É que com a excepção do mago Ferran Adriá, os principais actores não mudaram, apenas se reinventaram e mostraram abertura em relação a novas ideias e novos talentos. Há menos exuberância e truques nos pratos, é certo, mas a vontade de surpreender e proporcionar momentos únicos mantém-se, sobretudo, nos restaurantes de topo. Por outro lado, fala-se em menos investimento, em virtude da actual conjuntura, mas a investigação no aprofundamento do conhecimento científico mantém-se. O que parece é ter sido transferida, em parte, para a origem (produção e produto). Como sintetizou o chef basco Eneko Atxa, na sua apresentação: “devemos comer o que a terra dá sem nunca esquecer a tradição ou renunciar à tecnologia”.
 
Londres, a cosmopolita
 
Em San Sebastián também se falou de cozinhas étnicas e de novos conceitos (mais simples) ou não fossem essas, igualmente, duas das tendências actuais. Neste campo, foi particularmente feliz a escolha de Londres como cidade tema do congresso. A capital inglesa sempre foi um local de encontro de culturas e, nos últimos tempos, tem mostrado um grande dinamismo, igualmente no campo gastronómico. Foi essa dinâmica e variedade que trouxe ao congresso. A de uma cidade onde brilha uma Clare Smyth, a primeira a apresentar-se no auditório, que, com personalidade e uma cozinha mais sofisticada, mostra desenvencilhar-se da sombra do seu patrão, Gordon Ramsay. Uma cidade onde há fine dinings asiáticos como o Hunan, do chef Peng, ou indianos, como o Benares de Atul Kochhar. Uma cidade onde se celebra a cozinha inglesa num pub de periferia, com 2 estrelas Michelin - o Hands &Flowers, de Tom Kerridge -, mas onde, curiosamente, os chefs espanhóis são mais tradicionais. E uma cidade que se reinventa a leste, com uma cozinha alternativa, como a de Nuno Mendes, no Viajante, mas que, por outro lado, celebriza, no meio aristocrático de Knightsbridge, uma cozinha histórica revisitada, como a do Dinner, de Heston Blumenthal.
 
Nuno Mendes: do ‘pop up’ ao “Bacalhau à Brás”
 
Uma das personalidades que teve em destaque foi Nuno Mendes. O chef português, radicado em Londres, começou por ser recordado por um jovem chef, James Lowe, por ter sido um dos percursores dos ‘pop ups’ informais. Lowe, que formou com Isaac McHale o colectivo Young Turks, e que agora seguem caminhos separados, deixaram a mensagem de uma “gastronomia mais acessível que não compromete o produto mas que dispensa o luxo”. Já Nuno Mendes – que nunca trabalhou em Portugal – fez questão de falar dos produtos e das influências portuguesas: “Queremos que estejam cada vez mais presentes na nossa cozinha”. Mendes mencionou a canja de galinha, como uma memória e evocou a açorda alentejana  – numa versão com caldo de dashi, (“fui ao Japão e agora voltei”) -  enquanto o seu cúmplice, de palco e do Viajante, o também português, Leandro Carreira,  preparava uma versão do “Bacalhau à Brás” que servem no Viajante: caldo de bacalhau, pele, batata frita e gema de ovo.
 
As estrelas da casa
 
Andoni Aduriz, chef do Mugaritz

O San Sebastián Gastronomika seria sempre um acontecimento mundial mesmo se fosse feito apenas com a prata da casa, ou melhor, com o ouro da casa, dada é a proliferação de chefs de topo na região. Eneko Atxa, que ganhou a terceira estrela Michelin na última edição do guia vermelho, falou muito pouco, preferindo dar voz a Amaia Ortiz, a investigadora, ou “cozinheira cientifica”, como lhe chamou, que trabalha a magnifica horta contigua ao seu restaurante, Azurmendi, próximo de Bilbau. Já Martin Berasategui foi igual a si próprio: uma máquina com motor criativo e produtivo. Josean Alija, do Nerua (Bilbau), teve igualmente uma das melhores apresentações e mostrou que se pode fazer uma alta cozinha, com pratos criativos de muito sabor, tendo o mundo vegetal como actor principal (que não cantem vitórias os vegetarianos porque trata-se de dignificar o vegetal, mas conjugando-o, ao mesmo nível, com produtos de topo como o lagostim ou o foie gras, por exemplo).
 Josean Alija do restaurante Nerua (Museu Guggenheim, Bilbau)

Nos três dias do congresso houve apresentações para vários gostos e feitios, muitas delas em simultâneo, o que criou alguns dilemas. Por exemplo: ter de optar pela apresentação dos Arzak, ou pela prova de Josep ‘Pitu’ Roca, com os vinhos do ‘el Somni’ (‘o sonho’, em catalão) - a impressionante “ópera gastronómica” que os irmãos Roca criaram no Celler de Can Roca (o tal “melhor restaurante do mundo”, da lista da Restaurant) - é como ser obrigado a escolher entre o pai ou a mãe. Mas se se espera que os Arzak estejam cá por muitos mais anos, a hipótese de voltar a provar os vinhos que ‘Pitu’ apresentou, é diminuta. Foi então numa sala secundária, lotada, com uma dezena de copos alinhados, que provámos vinhos únicos, enquanto Josep os descrevia - com o apoio das imagens de alguns dos momentos e pratos desse banquete. O acontecimento ficaria na memória pela prova e pelo projecto em questão. Porém, o ritmo repousado e o estilo poético de Josep tornou o momento único. É certo que ajudou a influência ligeiramente etílica provocada por vinhos como o champanhe Salon 99, o riesling Forster Pechstein 1976 Auslese, ou o Relíquia Oloroso bota 150 anys, que o escanção descreveu como “uma gota perdida”.
 Josep Roca apresentando os vinhos do 'El Somni'

De volta ao auditório principal foi ainda sobre o ‘el Somni’, que o mais conhecido dos irmãos, Joan, baseou a sua apresentação, começando por explicar que o projecto nasceu da necessidade de responder à pergunta “como podemos fazer mais? Como podemos ir mais além?”. A necessidade de um estímulo constante contrasta, mais uma vez, com o ritmo repousado e a simpatia do chef catalão, que não esconde que os “os rankings e as estrelas são importantes” mas que “a verdadeira paixão está em cozinhar, adquirir conhecimento e saber receber as pessoas”. Foi uma apresentação inspiradora mas que em nenhum momento pode ser imaginada com uma sessão de auto-ajuda. Joan Roca demonstrou o que foi aproveitado do ‘el Somni’ para o dia-a- dia do restaurante e, antes de abandonar o palco, mostrou a execução de uma sobremesa feita à base de massa crua que, quase como por magia, ganha vida própria (ao passar por um processo de fermentação), quando chega à mesa. “É um momento de surpresa, mas com sabor”, afirmou.
 os chefes bascos Martin Berasategui e Pedro Subijana na assistência

 

Itália, a próxima etapa
 
Também houve “magia” na apresentação de outro “tri-estrelado”, Quique Dacosta, com uma “lula” recheada perfeita, que, na verdade, era barriga de cavala recheada com as suas ovas; ou com Ángel Léon, numa sobremesa com açúcar do mar (retirado de plâncton) que integra o menu do seu restaurante Aponiente, em Cádiz, confeccionado 100% com produtos do mar. É impossível igualmente não mencionar o “one man show” que é Andoni Aduriz, do Mugaritz, o mais filósofo e experimentalista dos chefes espanhóis no activo, ou do peruano Gastón Acurio, que trouxe ao Palácio Kursaal o seu menu conceptual com que presta homenagem aos italianos da Ligúria, que em tempos passados, embarcaram para o Peru em busca de melhores dias. E por falar em Itália, este será o país convidado em 2014. A revelação foi feita no final da apresentação de Gennaro Esposito, um dos chefs que no seu país melhor faz a ponte entre a vanguarda e o tradicional e entre a apologia do produto e a técnica para o transformar. Afinal a vanguarda nunca esteve assim tão afastada da essência e foi isso que se viu, também, no San Sebastián Gastronomika 2013. 

Artigo publicado originalmente na revista Fugas do Público de 26 de Outubro (fotos: coconut)

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:05


PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

PUB


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Comentários recentes

  • Duarte Calvão

    Julgo que sim. No final do post há um link que rem...

  • João Almeida

    Duarte,E quem pode participar? Porque é que é só p...

  • João Gonçalves

    Muito interessante. Reconheço que me sinto ignoran...

  • Anónimo

    Só para esclarecer que este comentário é meu. Artu...

  • Marcus

    Esperimente passá-las em farinha de arroz. Elas fi...


subscrever feeds