Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vintage 2007, uma declaração clássica?

por Rui Falcão, em 02.06.09


Nisto das afirmações bombásticas há que ter alguma cautela, tento na língua, bom senso suficiente para que as revelações pomposas não descambem no caricato. Todos os anos escutamos a mesma ladainha, a que proclama a colheita da década, a vindima do século, o melhor ano de sempre desde que há memória, o tal ano excepcional que só acontece uma vez na vida, o discurso natural de quem produz e quem vende. Quem emite opinião pode, e deve, manter um registo mais sensato e reservado, sem o entusiasmo natural de quem necessita da promoção mediática.
Por isso poderá parecer estranho que, agora que os Vintage 2007 finalmente se materializaram, eu saia a terreiro argumentando que a declaração Vintage 2007 será, muito provavelmente, uma declaração clássica, uma das tais que ficará nos anais da história, uma referência para o futuro! Estarei eu a ser demasiado optimista e precipitado? Possivelmente, mas asseguro que medi bem as palavras e que não as escrevo com ligeireza ou precipitação, num arrebatamento mais ou menos juvenil. A elegância, precisão, delicadeza e profundidade dos Porto Vintage 2007 é absolutamente memorável, num registo pouco habitual nas declarações mais recentes das décadas de noventa e início deste século. Não fora a tão propalada crise, esta seria a altura certa para comprar à caixa…

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 21:26


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.06.2009 às 16:09

Rui,

Do que provaste o que aconselhas para 2007? Os clássicos Taylor's, FOnseca, Dow's Graham's e Noval, ou, para além destes aconselhas outros? Já há preços estipulados?

De acordo com aquilo que me foi porposto "en primeur" os valores para 2007 indiciam que não há crise nenhuma. Qual a tua opinião sobre isto?

Abraço,

RLP
Sem imagem de perfil

De Rui Falcão a 04.06.2009 às 17:19

Seguramente os clássicos, as usual
Não é nada fácil estar nos dois campos em simultâneo, no Porto e Douro, e apresentar resultados de excelência nos dois lados da barricada (certo, a expressão é um pouco forçada…).

Confesso que não estou a par dos preços bond, mas imagino que não sejam muito distantes dos valores de declarações anteriores. Pessoalmente, e por interesse próprio, preferiria preços mais comedidos, mas percebo a posição de quem tem um vinho superior, que lança três ou quatro vezes por década, e que mantém valorizações e preços muito conservadores quando comparados com os restantes vinhos clássicos de Bordéus, Borgonha, Rhône, Super Toscanos, etc…
Será um princípio arriscado? Penso que não, excepto para quem esteja com problemas graves de tesouraria. Porque a grande vantagem do Vintage é que as garrafas podem ser guardadas em Gaia sem problemas de maior até que cheguem tempos mais agradáveis. Tendo em conta a qualidade da colheita, percebo que os preços se mantenham (assumindo que eles não entraram em loucuras…).

Abraço,

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Junho 2009

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Comentários recentes

  • Miguel Pires

    Oops, já corrigido. Agradeço o reparo.

  • Martinho Cruz

    Tudo bem. Vega “Cecília” é que me ultrapassa.....

  • Anónimo

    Esta é uma boa notícia para esta altura do Natal.....

  • Duarte Calvão

    Acho, João Faria, que coloca a questão nos termos ...

  • João Faria

    É verdade que, infelizmente, a mudança ocorrida na...