Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O que é doce nunca amarga

por Rui Falcão, em 08.07.10

Estando eu inteiramente absorvido na muito difícil tarefa de provar vinhos de forma intensiva para o meu novo guia de vinhos, como já se tornou rotineiro nesta época do ano, tenho tido oportunidade de deambular pelas diversas regiões nacionais (e internacionais). Este ano, para além de muitas outras considerações a lançar num futuro próximo, há uma constatação que me tem deixado perplexo, a peculiaridade de muitos dos brancos minhotos.

Pela primeira vez na região do Vinho Verde, consigo observar, de forma consistente, a presença de açúcar residual em numerosos vinhos, de diversas castas, contrariando a tendência natural da região em oferecer vinhos tensos, frescos e leves, mantidos tesos e viçosos pela acidez… e não pelo açúcar.

Uma tendência marcada pela atipicidade do ano agrícola de 2009, ou uma mudança de estilo deliberada por parte de tantos produtores?

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 09:26



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Julho 2010

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Comentários recentes

  • Miguel Pires

    Oops, já corrigido. Agradeço o reparo.

  • Martinho Cruz

    Tudo bem. Vega “Cecília” é que me ultrapassa.....

  • Anónimo

    Esta é uma boa notícia para esta altura do Natal.....

  • Duarte Calvão

    Acho, João Faria, que coloca a questão nos termos ...

  • João Faria

    É verdade que, infelizmente, a mudança ocorrida na...