Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Bag in Box

por Rui Falcão, em 19.07.10

Vivemos, durante décadas, a realidade palpável do vinho comercializado em garrafão, embarcados na cultura do vinho a granel de raiz tão latina, afagados pela solidez e grandeza dos pesados vasilhames de 5 litros, empenhados na compra dos grandes volumes de vinhos relativamente indiferenciados, resgatados do esquecimento nas idas rotineiras à terra ou à adega mais próxima. Durante anos habituámo-nos a acreditar que o único vinho “puro e sem químicos”, como ainda hoje muitos asseveram com convicção, provinha das pequenas explorações familiares, directamente do lavrador, espaço onde muitos se deslocavam em romaria semanal para atestar o garrafão. Com o tempo, acabámos por criar uma associação directa entre o garrafão e um passado sem glória, amarrando o garrafão a tempos de penúria e adversidade, alimentando uma rejeição quase involuntária ao grande volume.

Hoje, o garrafão tradicional, tão deselegante na nossa memória colectiva, não passa de uma recordação já longínqua, uma reminiscência perdida no tempo e nos costumes. Proscrito dos costumes urbanos contemporâneos, o seu préstimo está hoje, ditosamente, confinado a um mercado marginal, condenado a uma morte lenta e há muito profetizada. Como vasilhame, como forma de preservação do vinho, o garrafão sempre se apresentou como um modelo fracassado, incapaz de assegurar qualquer evolução positiva ao vinho, inapto para assegurar os serviços mínimos de conservação. Mas a compra de vinho em volumes consideráveis continua a caucionar os mesmos proveitos que o passado consagrou, nos custos, nos aspectos práticos de serviço, e, numa perspectiva mais recente e ecologicamente consciente, na redução da pegada ecológica. Foi precisamente para assegurar estes predicados que surgiu o formato bag-in-box, frequentemente identificado pelas siglas bib.

De uma simplicidade desconcertante, o bag-in-box, tal como o nome em inglês o faria pressupor, resume-se a um “saco” colocado dentro de uma caixa de cartão, encontrando-se o vinho “engarrafado” em bolsas de polietileno alimentar, por regra PET, revestidos por uma folha de alumínio, filme laminado ou transparente de poliéster flexível ou nylon, numa embalagem em tudo semelhante ao famoso sistema Tetra-Pak, tão usado na conservação e comercialização de leite e sumos. Bolsas de polietileno que permanecem invisíveis no interior de uma caixa de cartão de formato cúbico, com volumes padrão que variam entre os tradicionais 2, 3, 5, 6 e 10 litros de capacidade. Na embalagem, incorporado na bolsa onde o vinho se encontra aprisionado, encontra-se uma pequena e prática torneira de serviço que permite dosear com precisão o volume de vinho a ser servido.

As vantagens para o consumidor são mais que evidentes. Como o vinho é acondicionado em vácuo, com a embalagem a contrair-se à medida que o vinho vai sendo consumido, e porque a torneira de serviço dispõe de uma válvula de segurança que impossibilita a entrada de ar, o vinho mantém-se escorreito e fresco, arredado de qualquer prenúncio de oxidação, por nunca entrar directamente em contacto com o ar. São estas características técnicas que permitem que o vinho se mantenha em perfeito estado de conservação durante pouco mais de um mês depois de aberto, valor impressionante e indubitavelmente superior a qualquer outro formato em circulação. Para quem consome vinho ocasionalmente, o formato bib apresenta benefícios arrasadores, pelo alargar do período de vida útil que autoriza. Para a restauração, o formato apresenta-se perfeito para o serviço a copo, proporcionando ainda maior facilidade no transporte e arrumação, sem o perigo de quebras acidentais.

Não por acaso, nos países menos apegados ao vinho, ou que com ele exibem uma relação afectiva mais recente, nações como a Austrália e os países do norte da Europa, sobretudo na Escandinávia, o formato bib representa hoje um pouco mais de metade do total de vinho transaccionado. Nos países mediterrânicos, contudo, pela memória colectiva induzida pelo passado, a sua aceitação tem sido mais controversa e espinhosa. Arreigados a uma tradição que continua a querer associar volume com vinhos de qualidade inferior, portugueses e restantes povos mediterrânicos continuam a evidenciar uma resistência congénita a este tipo de formato.

Porém, e independentemente da realidade social vigente, a maioria dos produtores não se pode eximir a um profundo sentimento de responsabilidade pelo infortúnio comercial do bib. Porque, por ora, a pluralidade dos produtores, grandes e pequenos, continua a evitar acondicionar os seus vinhos de gama média neste formato, reservando o modelo exclusivamente para os mercados de exportação, preferindo restringir o formato, no mercado nacional, ao papel de escoador de vinhos indiferenciados. São portanto os próprios produtores a persistir em alimentar o vínculo emocional entre bib e garrafão, desbaratando um mercado que se poderia revelar de importância decisiva para a afirmação de muitos produtores. E assim acabámos por criar um problema vulgarizado pela gíria popular como uma “pescadinha de rabo na boca”. Não se aproveita o bib para os vinhos da gama média porque a imagem não é prestigiante… e perde-se um canal privilegiado porque não se investe na sua promoção!

 

Texto publicado originalmente no suplemento Fugas do jornal Público em 26 de Junho de 2010

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:47


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Fernando Frazao a 19.07.2010 às 23:05

Há anos que tenho o privilégio de comprar vinho directamente ao produtor, no caso, um amigo e colega de longa data que, embora sendo um produtor de razoável dimensão, todos os anos reserva para os amigos o "puro da uva" sempre com a classificação de Bom a muito Bom.
Por ser o "puro da uva" não leva conservantes o que implica o seu consumo de colheita a colheita.
Depois de tentar todos os recipientes possíveis, garrafas tipo Borgonha com rolhas de cortiça, garrafas "cinco estrelas" com vedante de plástico tipo "carica", garrafões com rolha e vedante de plástico, depósitos de aço inoxidável com torneira "garantidamente estanques" e uma considerável quantidade de litros de vinho estragado ou passado veio,, finalmente o "sétimo céu".
Compram-se em qualquer cooperativa agrícola os Bag-in-Box, enchem-se tendo o cuidado de ao colocar a rolha/torneira tirar todo o ar dentro do saco.
A caixa e o saco custam mais ou menos dois euros (cinco litros).
Armazena-se e consome-se sem estragar uma gota.
Quando chega ao fim deita-se fora e pró ano compram-se outros.
Outra questão a não desprezar é a de que o espaço de armazenamento é substancialmente reduzido.
Já agora um pormenor. Na minha terra os "artistas", poupadinhos, já inventaram um alicate que retira a rolha/torneira sem a danificar o que permite lavar o saco e reutilizar.
Quanto aos grandes produtores estão, como diz, a cometer um grande erro até porque os custos de engarrafamento julgo que são menores.
Aqui há tempos soube que numa garrafeira da capital se estava a vender vinho de qualidade (comprovadamente) superior de um produtor (não digo o nome) que por a máquina de engarrafar normal se ter avariado se socorreu do expediente e vendeu o produto a 1,5€ o litro em embalagens destas.
Sorte para quem tem informação previligiada.
Pr mim não quero outra coisa.

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Julho 2010

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Comentários recentes

  • Duarte Calvão

    Acho, João Faria, que coloca a questão nos termos ...

  • João Faria

    É verdade que, infelizmente, a mudança ocorrida na...

  • Anónimo

    isso mostra exatamente como você e quem escreve es...

  • Anónimo

    Nos Açores sempre se comeram algas. As famosas "To...

  • Duarte Calvão

    Acho que não leu o artigo do El País com atenção. ...