Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Restaurante Ferrugem

por Miguel Pires, em 28.10.10

Ousadia e tradição

 

 

.

 

Desconfiámos quando vimos o road-book no site. Preciosismo desnecessário em plena era GPS, pensei enquanto registava apenas as coordenadas do local. Portela é uma aldeia à saída de Vila Nova de Famalicão, a pouco mais de 45 minutos do Porto, na direcção de Braga. Sai-se da A3, abre-se a janela e os aromas a pinho e a terra húmida indicam-nos o campo. Após uns bons quilómetros de curvas e contracurvas a assistente de navegação anuncia: “chegada ao destino”. Só que... é mais atrás e não exactamente ali, no meio de nada. Afinal o road-book talvez não seja um preciosismo desnecessário.

Foi este o local que o casal Dalila e Renato Cunha escolheu para viver e criar o Ferrugem, um restaurante de cozinha contemporânea de matriz tradicional - uma dupla ousadia que os fez deixar o conforto dos seus empregos na área das telecomunicações (o dela) e de formador informático (o dele). Aproveitando a estrutura de um antigo estábulo em granito com pé direito alto realizaram uma intervenção moderna respeitando a ideia original, bem como a utilização de materiais da região. Espaço amplo, confortável e bem iluminado (aspecto fundamental dado praticamente não existirem janelas). A Decoração é sóbria, as mesas bem atoalhadas e bem espaçadas. O principio utilizado na intervenção do espaço foi o mesmo que aplicaram à sua cozinha. Começaram por fazer uma cozinha regional, o que lhes permitiu fidelizar clientes, e aos poucos foram ganhando confiança para desbravar novos caminhos, alguns ousados.

No jantar que fizemos, há cerca de um mês, encontrámos uma sala bem composta apesar de ser um dia de semana. Da carta actual existem 3 menus possíveis (não há serviço à carta): o de Outono (3 pratos, 25€); o Clássico (4 pratos, 30€) e o Degustação (6 pratos, 35€). É neste ultimo que constam as propostas menos convencionais. No entanto, sendo a nossa estreia, aceitámos a sugestão e optámos pelo menu Clássico, pedindo apenas que trocassem um dos pratos. Queríamos experimentar, logo de inicio, a ‘cavala fumada em cataplana de tomilho, cebolinhas em alvarinho e caviares de vinagre Moura Alves’, o prato que lhes valeu a conquista do 1º lugar no Concurso Vinhos Verdes e Gastronomia (que contou com a presença de  alguns dos melhores restaurantes do país). A textura firme da cavala adequou-se na perfeição a este fumado e sua conjugação com as cebolinhas agridoces e com as esferificações de vinagre (a textura ideal de providenciar um corte avinagrado ao prato) fazem dele, sem dúvida, um prato vencedor. Depois veio o ‘crocante de alheira de caça, puré de maçã reineta e compota agridoce de tomate-cereja’, seguido de uma  ‘bochecha de vitela e arroz de feijocas, adubado com chouriço de cebola de ponte de lima’. Na origem de ambos está a utilização de produtos da região. Só que a Dalila e o Renato Cunha têm uma grande sensibilidade para as conjugações de sabores e de texturas e a noção que certos pratos necessitam de ser aligeirados no peso, mas não na qualidade da matéria prima. E o que dizer da aparente simplicidade de uma ‘pêra rocha em geleia de porto vintage sobre tarte de queijo fresco’? Pêra vai bem com vinho tinto e a compota de frutos vermelhos é uma cobertura clássica do cheesecake, por exemplo. Com maior ou menor derivação – e produtos de maior qualidade - os sabores estão todos lá e combinam-se com mestria.

Os vinhos são outra matéria bem tratada no Ferrugem: temperaturas adequadas, bons copos e preços mais do que sensatos. Acompanhámos o menu com o alvarinho Soalheiro 09, o tinto Crooked Vines 09 (Douro) o Porto LBV da Graham’s - todos a copo. O Serviço correcto e afável ajudou a valorizar a refeição.

É de assinalar a segurança e a sensibilidade na cozinha deste casal que há menos de seis anos apenas se entretinham a fazer umas coisas para os amigos. A receita? Estudo, trabalho, respeito pela tradição e não ter receio de ousar.

 

 

 

‘cavala fumada em cataplana de tomilho, cebolinhas em alvarinho e caviares de vinagre Moura Alves’

 

‘crocante de alheira de caça, puré de maçã reineta e compota agridoce de tomate-cereja’

‘bochecha de vitela e arroz de feijocas, adubado com chouriço de cebola de ponte de lima’

 

 

 

 

'pêra rocha em geleia de porto vintage sobre tarte de queijo fresco’

 

Preço da refeição descrita acima (com água e cafés): 45€

 

Contactos: Rua das Pedrinhas, 32, Portela - Vila Nova de Famalicão; tel:252 911 700; 
Www.ferrugem.pt; coordenadas GPS: +41° 27' 41.83", -8° 26' 53.63”

 

publicado originalmente nas páginas do Outlook do Diário Económico em 23 de Outubro 2010

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:50


1 comentário

Imagem de perfil

De Artur Hermenegildo a 09.05.2012 às 16:09

Estive lá há dias e gostei muito. foi o meu favorito do périplo que fiz pelo norte de Portugal (que incluiu ainda o Pedro Lemos, o Mesa e a Casa da Calçada).
É uma cozinha imaginativa, divertida mas sem consessões nos aspectos de rigor e qualidade quer de concepção quer de execução.
Creio que será um dos melhores restaurantes do país.

Comentar post



PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

PUB


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Outubro 2010

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Comentários recentes

  • Paulina Mata

    Tenho pena mas não vou poder ir. O ano passado val...

  • Duarte Calvão

    Julgo que sim. No final do post há um link que rem...

  • João Almeida

    Duarte,E quem pode participar? Porque é que é só p...

  • João Gonçalves

    Muito interessante. Reconheço que me sinto ignoran...

  • Anónimo

    Só para esclarecer que este comentário é meu. Artu...