Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Restaurante Pedro e o Lobo

por Miguel Pires, em 28.07.11

Inconformismo, elegância e boas vibrações

 

 

É impossível ficar indiferente a este espaço: pé direito alto, linhas depuradas, influências nórdicas, madeira, cimento, aço e mobiliário vintage. É um espaço quente, contemporâneo, com áreas bem definidas, boa iluminação e mesas à distância certa. Não sou muito dado a causas místicas mas a elegância informal e o bom ambiente que se sente na sala do Pedro e o Lobo transmite-nos, logo à partida, boas vibrações.

Esta atmosfera senti-a na primeira vez em que lá jantei, poucos meses após a abertura. A comida não me entusiasmou, não porque fosse má ou mais do mesmo, mas porque criara alguma expectativa em relação à criatividade da dupla de Chefs, Diogo Noronha e Nuno  Bergonse, cujas passagens por restaurantes como o Per Se, de Thomas Keller, em Nova Iorque (Diogo Noronha), o Virgula e o Ritz, em Lisboa (Nuno Bergonse), ou o Moo, a segunda operação dos irmãos Roca, em Barcelona (onde ambos se conheceram) foi amplamente divulgada na imprensa. Na altura notei algumas falhas (técnicas e de produto) e uma ou outra conjugação que não me agradou. Mas também algumas pistas que me deixaram curioso e interessado em acompanhar a evolução.

Passado quase um ano regressei e senti a mesma boa atmosfera. Quando nos sentámos (às 21.00h) a sala estava vazia, no entanto, uma hora depois, não havia um lugar por ocupar (não, não foi em Madrid. Foi em Lisboa e a meio da semana!).

A ementa pareceu-me equilibrada e sugestiva. Ao contrário do que muitas vezes acontece, em que a percorremos várias vezes e não encontramos nada de muito interessante, aqui passou-se o contrário. A dificuldade esteve em escolher perante a variedade de propostas estimulantes, algumas utilizando produtos menos usuais, sobretudo no que diz respeito as peixes (como a veja dos Açores, o cantaril, ou o pata roxa).

Curiosamente a grande parte dos pratos do menu de degustação não constam na carta e, inclusive, pereceram-me menos interessantes. Como éramos três pessoas o ‘a la carte’ permitia experimentar vários pratos, pelo que foi a opção tomada.

 

Não houve amouse bouche, mas perdoa-se, pelo couvert com vários tipos de bom pão (de centeio, focaccia e brioche de azeitona) e azeite. A primeira entrada colocou a refeição logo a um nível elevado: ostras, navalhas e berbigão com puré de wakame, madalena de algas de água doce, pepino e tomate confitado. Uma proposta muito actual que faz lembrar algumas do Noma (e, em parte, mas com menos sofisticação, o “Cascais à beira mar”, de José Avillez). Trata-se de um prato de produto, fresco, leve, colorido e com contrastes subtis: fresco e marítimo dos mariscos e também da salicórnia que faz a ponte para a frescura vegetal e a textura ‘crunchie’ do pepino. O tomate confitado dá um toque de acidez e de doce e, por fim, a original madalena de algas proporciona consistência ao conjunto.

Menos complexa, mas não menos interessante, a segunda entrada: caranguejo de casca mole, quinoa, chips de banana, iogurte grego e azeitonas. Este tipo de caranguejo, que é apanhado quando na mudança da carapaça, é uma gulodice que se come por completo, normalmente frito, como foi o caso. O iogurte corta a fritura com a sua frescura e acidez e a quinoa, escura, provavelmente cozinhada com tinta de choco, dá corpo ao prato. Este grão altamente nutritivo, originário da América do Sul (era conhecido como o ouro dos Incas) parece ser um ingrediente prezado na casa. Já na primeira carta havia um prato que o incluía, junto com abacate e lulinhas salteadas (na altura foi o mais interessante dos que provei). Ainda outro aparte: tanto a quinoa como o bulgur são dois grãos muito utilizados na dieta vegetariana e é muito interessante vê-los bem integrados nas criações do Pedro e o Lobo, pela originalidade, e como alternativa a cereais mais habituais como o arroz ou o trigo comum. A esse facto não deve ser estranho o facto de Diogo Noronha ter sido cozinheiro num restaurante vegetariano, em Nova Iorque.

 

Voltando à apreciação do jantar. Nos pratos principais o cantaril com puré de favas, ragout de courgete, salsichas frescas e emulsão de rosmaninho

estava correcto. No entanto, a concorrência era grande e os outros dois que se lhe seguiram, relegaram-no para segundo plano. Culpas para a veja dos Açores e, especialmente, para o entrecosto a baixa temperatura com carpaccio de pés de porco. A veja, um peixe saboroso e de textura com alguma firmeza, veio no ponto certo e em boa companhia, com alcachofras salteadas, mousse de pimento vermelho assado e esponja de limão. Um prato muito bem pensado e que resultou a todos os níveis: produto, apresentação, técnica, conjugações e originalidade. O entrecosto com carpaccio de pés de porco foi também um prato muito interessante. E arriscado. A textura algo viscosa e o sabor assertivo dos pés de porco não serão certamente do agrado de muitos. Mas como diz o ditado, quem não arrisca não petisca e, neste caso, quem não o fizer não sabe o que perde. A ligação com os restantes elementos é exemplar. O entrecosto (sem osso, da parte entremeada mais perto da barriga) de carne firme e amaciada pela cozedura a baixa temperatura mostrou-se excelente. O courato bem tostado foi o elemento contrastante necessário à textura dos pezinhos e a salada de mostarda verde e maçã granny smith o contraponto de frescura e acidez. 

O capítulo final, o das sobremesas, serviu para acabar a refeição em beleza, sobretudo do lado do chocolate, com a  ‘Floresta negra, gelado de nata e cerejas amarenas’ a encher as medidas (metaforicamente e literalmente falando). Já o mil folhas de pêras caramelizadas, sabayon de Madeira e gelado de doce de leite pareceu-me um pouco enjoativo, embora confesse que a essa altura do campeonato o palato já pedia tréguas.

 

Veja dos Açores, alcachofras salteadas, mousse de pimento vermelho assado e esponja de limão 

 

Entrecosto a baixa temperatura, carpaccio de pés de porco, salada de mostarda verde e maçã granny smith 

 

O jantar foi acompanhado por um Chablisienne Vieilles Vignes 2004, um branco da Borgonha, mineral, de boa acidez e algum corpo. O suficiente para aguentar, com prazer, toda a refeição (excepto doces). Foi servido em copos correctos, à temperatura certa e por alguém com conhecimento de causa. A carta de vinhos poderia ser mais extensa mas para compensar é ponderada na selecção e sensata nos preços (embora não ficasse mal ter mais dois ou três tintos abaixo dos 20€).  São 43 vinhos nacionais, entre brancos (15), tintos (24), rosés(2), espumantes (2) e generosos (9 portos e 1 moscatel de Setúbal). Há ainda 18 vinhos estrangeiros, dos quais 4 champanhes.  

Em geral o serviço correu bem. Os empregados são atentos, cordiais e discretos e nem o atraso num dos pratos (quando a casa encheu) ou uma certa atrapalhação na resposta a uma pergunta mais técnica foram suficientes para prejudicar uma refeição que a todos os níveis correu a preceito.

 

O Pedro e o Lobo quando abriu apresentava uma carta mais cautelosa de forma a perceberem “os gostos e as existências dos clientes portugueses”, segundo explicou por email a responsável pelo restaurante, Patricia Baptista. É pois com grande contentamento que verifico hoje uma carta inconformista (apenas com um ou outro prato de defesa), execuções seguras, bons produtos, conjugações ousadas e estimulantes e... casa cheia! Afinal parece haver clientes portugueses que apreciam este tipo de cozinha, o que contrasta com o lamento de alguns Chefes e responsáveis por restaurantes que justificam não arriscarem por não haver público para grandes ousadias.

 

Morada:

 

Rua do Salitre, 169, Lisboa; Tel: 211 933 719; www.pedroeolobo.pt

 

Preços:

 

. Preço médio para refeição completa (de entrada, prato e sobremesa) com vinho: 45€, ao jantar - o que correspondeu ao preço pago, por pessoa, pela refeição descrita.

 

. Menu de degustação: 38€, 6 pratos

 

. Ao almoço (com menu executivo): Entre 18 euros (com dois pratos) e 22 euros (com três pratos). Ambos incluem couvert, copo de vinho ou água.

 

 

Classificação:

 

Cozinha:18; sala: 17.5; vinhos:16.5

 

 

Texto publicado originalmente na revista Wine de Junho. (Fotos: Nuno Correia)

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:06


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.07.2011 às 09:25

Gostei bastante do texoÉ de experimentar, as fotos também ajudam...os olhos também comem. Obrigada.
Sem imagem de perfil

De Gasparzinha a 04.08.2011 às 22:20

O Pedro e o Lobo está no topo da lista de restaurantes a experimentar. Depois de ler este texto, a vontade ficou ainda maior.
Lisboa precisa mesmo de projectos assim! :)
Sem imagem de perfil

De Miguel Pires a 05.08.2011 às 22:32

De facto ter boas fotos valoriza imenso um texto (tal como o contrário). Mesmo que estes pratos tenham sido produzidas para a foto, posso dizer que o que me chegou à mesa foi muito próximo.
E de facto o Pedro e o Lobo é uma mais valia para Lisboa. Espero que consigam manter um trabalho constante ao longo do tempo.

Comentar post



Apoio


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)
Paulina Mata (convidada especial) Alexandra Forbes (convidada especial)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").


Mesa Marcada no Twitter


Siga-nos no facebook



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Comentários recentes