Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Cinco livros que é importante levar para 2012!

por Paulina Mata, em 31.12.11

Há pouco mais de uma semana o Miguel Pires sugeriu cinco livros de gastronomia,  dos vários que foram editados este ano, que na opinião dele valiam a pena (e eu também acho que valem). Como admiti na altura, fiquei cheia de vontade de também escrever um post assim. Não foram sugestões de Natal, mas serão sugestões para 2012. 

 

Tenho andado na última semana no processo de escolha, facilitada pelo facto de alguns dos livros já terem sido referidos pelo Miguel, sobre outros também já escrevi, e portanto decidi deixar todos os livros nestas situações de fora. Mesmo assim não foi fácil, estas escolhas deixam-me sempre um pouco angustiada, não pelo que escolho, mas sobretudo pelo que tenho que deixar de fora…

 

 

Os livros que escolhi não foram todos editados em 2011, mas foram todos livros que comprei em 2011. Excepto um, o último deles, que comprei em 2010 e já tinha saído em 2009, mas como compreenderão há fortes razões para o incluir nesta lista.

 

Vamos então à lista!

 

Numa nota de apresentação da sua obra Volúpia – A Nona Arte: A Gastronomia, Albino Forjaz de Sampaio, Domingos Barreira, editor Livraria Simões Lopes/Porto, avisa: “Não é este livro que vai seguir-se um livro de cozinha. Ele não tem receitas e não se filia na série ininterrupta de livros que desde o De res coquinaria de Apicius vem ensinando aos mortais o caminho de um dos paraísos. Não. Filia-se antes naquela literatura que nos predispõe e diz coisas agradáveis de uma arte que não tem ainda em Portugal muitos livros”. Estávamos em 1940. Em 1944, o brasileiro Paulo Duarte publicou, nas Edições Seara Nova, o interessantíssimo e pouco conhecido Variações sobre Gastronomia. Depois, foi preciso esperar até Novembro de 1987 pelo Livro de Bem Comer – Crónicas de Gastronomia Portuguesa, de José Quitério, editado pela Assírio & Alvim. Durante quase 50 anos, muitos foram os livros de receitas publicados em português, mas nenhum sobre a tal “arte que não tem em Portugal muitos livros”, ou seja, a gastronomia.

 

O texto acima foi escrito por David Lopes Ramos no prefácio do livro “Alimentos ao Sabor da História – Receitas e Curiosidades” de Fortunato da Câmara. Decidi escolher para a minha lista principalmente livros “sobre a tal arte que não tem em Portugal muitos livros”, em vez de livros que são essencialmente livros de receitas. Um deles foi precisamente o livro de onde tirei o texto do David Lopes Ramos.

 

 

Um livro que conta a história e estórias de cerca de 55 alimentos vegetais – do abacate ao tomate - incluindo também uma receita para cada um deles. Como diz o autor, os alimentos protagonizam a história da humanidade. Falar deles é falar de eras, civilizações, guerras, catástrofes e outros acontecimentos que mudaram o curso da história. E nós, portugueses, desempenhámos um papel importante neste processo ao levarmos alguns destes alimentos de uns continentes para outros… inclusivamente alguns que não deixaram marca na nossa cozinha.

Muitos destes vegetais fazem parte da nossa alimentação, lidamos com eles quase diariamente… consideramo-los banais e, contudo, sabemos tão pouco deles! É altura de lhes dar mais atenção, tratá-los com mais dignidade e respeito. Este livro de Fortunato da Câmara pode ser uma ferramenta importante neste processo.

 

Outro livro “sobre a tal arte que não tem em Portugal muitos livros” é o Transmontanices – Causas de Comer de Virgílio Nogueiro Gomes.

 

 

Ler os textos do Virgílio Gomes, estes e outros mais recentes publicados no seu blog, faz-me sempre ter a sensação de que estou a espreitar pela janela da sua vida. Às vezes quase me sinto uma intrusa. Mas é esta característica da escrita do Virgílio Gomes que torna os seus textos tão interessantes. Os rituais e emoções associados à comida, o seu papel nas relações familiares, mas também história e estórias associadas a ela. Um manancial de informação muito interessante e importante. Muito do que o Virgílio descreve perdeu-se, e é bom conhecê-lo… acho que até pode ser uma fonte de inspiração para encontrar formas de vida mais sustentáveis nesta época que vivemos.

 

O terceiro livro, é um livro de receitas, um livro que é o corolário de uma grande paixão. A de Odete Estêvão pelo chocolate.

 

 

Este livro é dividido em 12 capítulos, cada um associado a um dos meses do ano. Em cada um se revela um pouco de vários processos associados ao chocolate, da plantação à prova. Em cada um ficamos também a conhecer mais sobre um fruto disponível na altura, seja sobre a banal maçã ou o exótico fisális… frutos que se associam bem ao chocolate, sendo apresentadas algumas receitas em que a combinação é explorada. Também em cada mês do ano foi convidado um chefe que apresenta uma das suas criações, chefes de créditos bem reconhecidos. Um livro cheio de informação e de receitas muito tentadoras, em que a Odete Estêvão, fundadora do Cacau Clube de Portugal, nos permite partilhar um pouco dos seus conhecimentos, experiências e vivências.

 

No quarto livro que escolhi, a comida é o tema à volta do qual se desenrola a história que nos é contada por Richard C. Morais, que tendo nacionalidade americana, nasceu em Lisboa em 1960, mas viveu a maior parte da vida na Europa. A Viagem dos Cem Passos é o seu primeiro romance.  Anthony Bourdain considera-o “Extraordinário! Uma história humana bastante envolvente, condimentada com a mais rica pornografia alimentar desde Zola. Provavelmente o melhor romance de sempre ambientado no mundo da culinária – e emocionante do princípio ao fim.”

 

 

Eu, adorei ser levada numa aventura que começa em Bombaim e termina em Paris, que trata de uma grandes paixões pela cozinha, da busca desesperada por estrelas Michelin, de dramas associados à alteração das classificações de alguns restaurantes, e que curiosamente envolve uma manifestação de 25000 pessoas ligadas à restauração, em Paris, devido ao aumento do IVA. “O Inverno encostou-nos à parede. […] Ninguém em França, não desde a guerra, tinha visto uma coisa assim. O governo revogou a taxa de 19,6% de IVA, mas era tarde demais: no fim, nenhum de nós estava imune ao novo contexto económico…”. Tudo muito actual…

 

Finalmente, um livro editado pelos CTT – Sabores da Lusofonia … com Selos, de David Lopes Ramos.

 

 

Um livro muito bonito, com os interessantes textos do David,  em português e inglês, um livro em que também se fala do papel dos portugueses na difusão de produtos e sabores pelo mundo. Em que o David escreve sobre as cozinhas de Angola, Brasil Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Goa, Macau e Timor. Em que fala num processo de  globalização em que estivemos envolvidos, não apenas no plano da alimentação, mas também no de outros conhecimentos práticos e científicos. “E ainda na descoberta de um tipo de culinária, que, pela miscigenação de produtos e de técnicas culinárias, não é outra do que a agora tão em voga cozinha de fusão.” Imperdível!

 

Cinco livros que me proporcionaram momentos muito agradáveis e muito conhecimentos em 2011, e que o vão continuar a fazer em 2012. Cinco livros que aconselho vivamente!

 

Bom 2012 para todos!

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:05


2 comentários

Imagem de perfil

De Miguel Pires a 31.12.2011 às 01:27

Paulina, estás a sair-me cara. Há tua conta (mas da minha conta bancária) recebi ontem um pacote da Amazon . Lá dentro o Heston Bluementhal At Home "
e, porque os livros também são como as cerejas, ainda outros 2: The Handmade Loaf - Contemporary European recipes for the home baker " de Dan Lepard . Trata-se de uma espécie de como fazer pão a sério em casa (sim, daqueles em que devemos fazer o próprio fermento); e um livro que comprei para oferecer e que me surpreendeu bastante (praticamente li-o todo esta tarde): "Supper Club" de Kerstin Rodgers, um livro que aborda o fenómeno dos underground restaurants : o contexto histórico, conselhos de como criar e gerir um espaço com essas características; receitas e um directório sobre locais como este em vários países (de Portugal está o Hush- hush Garden em Lisboa - o tal que andamos para combinar).

Enfim isto tudo para dizer que vou ter mais despesa depois deste teu post. Estou particularmente curioso com o romance do Richard Morais, que me passou completamente ao lado - talvez pelo título à la Rodrigues dos Santos.
Sobre os dois livros que referi acima escreverei em breve um post onde incluirei, também, "As Minhas Receitas para Cozinheiros Amadores" do Chefe Cordeiro - um livro que as Edições do Gosto tiveram a amabilidade de me enviar.
Sem imagem de perfil

De Ana Crstina Lebre a 02.01.2012 às 17:16

Volúpia – A Nona Arte: A Gastronomia, Albino Forjaz de Sampaio, tenho a edição de 1940 e de todos os livros que li em 2011, foi o que mais gostei. Um livro maravilhoso e importante. Faz-nos compreender a gastronomia portuguesa no inicio do séc.XX e não só!! etc...
Acabei agora de ler "Memórias e Receitas Culinárias dos MAKAVENKOS " Francisco de Almeida Grandella . Um livro muito divertido .
Gosto muito das crónicas (e não só) do Virgílio Nogueiro Gomes. E esse livro, Transmontanices , vou comprar.

Obrigada pela excelente lista de livros sugeridos.
Pois. Com listas destas não há carteira que aguente!! Gosto muito de ir à biblioteca. Ajuda ;)

Bom 2012 para toda a equipa do blogue "Mesa Marcada"

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Dezembro 2011

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Comentários recentes

  • Miguel Pires

    Oops, já corrigido. Agradeço o reparo.

  • Martinho Cruz

    Tudo bem. Vega “Cecília” é que me ultrapassa.....

  • Anónimo

    Esta é uma boa notícia para esta altura do Natal.....

  • Duarte Calvão

    Acho, João Faria, que coloca a questão nos termos ...

  • João Faria

    É verdade que, infelizmente, a mudança ocorrida na...