Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Com algum atraso deixo um breve relato do último jantar em que estive presente no festival do Vila Joya, o do Chef Laurent Gras.
Há uns bons anos radicado nos Estados Unidos este francês passou pelas cozinhas de Alain Senderens e de Alain Ducasse, ainda nos tempos de França, antes de viajar para Nova Iorque onde assumiu a chefia do restaurante do Waldorf-Astoria, o Peacock Alley. No entanto foi em Chicago que Gras alcançou o seu maior feito pelas américas ao conquistar 3 estrelas Michelin no restaurante, L2O. Acontece que quando o guia saiu já o francês tinha abandonado o restaurante (e a cidade), em rota de colisão com o prorietário, regressando a Nova Iorque. Actualmente em período sabático, Laurent Gras trouxe a sua cozinha francesa com influências asiáticas ao Algarve e fez um jantar só com pratos de peixe (e outros primos do mar). 
preparativos para o jantar
A sessão teria valido a pena nem que fosse só pelo primeiro prato (à esquerda), um autêntico mergulho no mar: lavagante, ostra, ovas de ouriços, caviar, algas, pargo, salicornia, folha de ostra, tudo em caldo de dashi. Ele chamou-lhe "bouillabaisse en sashimi". Eu chamei-lhe um figo. 
A segunda proposta foi uma vieira com trufa preta, vieira caramelizada com miso e mais uns pós de perlimpim (bom, mas 'not life-changing'). Quanto ao 3º prato houve quem na cozinha estranhasse o método "à americana" (Koschina dixit) de preparar o robalo: no forno. O resultado não foi brilhante (passou ligeiramente do ponto), mas como a tranche era de um Sr. robalo de 5 quilos, quase à prova de destruição, e vinha num incrível molho de manteiga e yuzu fumado, maracujá e tapioca, a nota artística acabaria por ser elevada.
Por último, um tamboril (a fazer de prato de carne) com presunto ibérico, polvo, cogumelo cantarelo, um nabo baby  e uma folha de ostra. Tudo composto à pinça para ser destruído à garfada. Yes!
Costumo acompanhar o festival nos bastidores (cozinhas) mesmo quando janto na sala. Contudo, nesta última refeição tive o privilégio de jantar na cozinha e, apesar de lá ter estado antes um sem número de vezes, inclusive em hora de ponta, foi muito especial observar toda a coreografia de perto enquanto jantava - com direito a um ou outro prato servido e apresentado pelo chefe. Long life to Mr Jung, o patrono do festival! (foto do meio)
Adorei o aspecto pornográfico desta sobremesa. Pena que alguém se tenha esquecido de cozer a(s) massa(s). Aliás, a nota negativa neste festival vai para este sector. É que em todos os jantares em que estive as sobremesas foram fracas (excepção para o boneco de neve de Shaun Hergatt). Valeu-nos  os petit fours da equipa da casa.
Para o ano há mais.

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00



PUB



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Janeiro 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Comentários recentes

  • João Faria

    Interessante análise e reflexão. Fiquei curioso em...

  • Adriano

    Miguel não me leves a mal este bocadinho de mau ol...

  • silva

    acho preço bastante caro, a não ser que as garra...

  • Artur Hermenegildo

    Ao que diz o Bloomberg, o Gaggan, nº7, irá fechar ...

  • Duarte Calvão

    É curioso, não tinha noção de que o êxito do Henri...