Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Pohl Gärten

por Miguel Pires, em 09.04.12
Há quem faça um estardalhaço quando investe meia dúzia de euros e há quem consiga passar despercebido após investir uns milhões. Os alemães em Portugal parecem incluir-se neste segundo grupo. Não falo das Auto Europas, nem de outros colossos do género mas sim de pessoas como os Pohl, proprietários do Vila Vita e da Herdade do Grous. Nunca li uma notícia sobre esta família, nunca os vi e, para dizer a verdade, tirando uma rua em Porches com o nome de Anneliese Pohl (a fundadora do Vila Vita), nunca tinha ouvido falar deles. Não é que se escondam, mas porque preservam a descrição.


É provável que, no inicio, tenham feito o que várias famílias faziam (fazem?) quando chegavam de países ricos em procura de negócios ou de sol, ou de ambas as coisas. Instalavam-se, viviam no seu mundo para o seu mundo. Os Pohl parecem não ter fugido à regra. Quando em 1996 compraram a Herdade dos Grous com os seus 750 hectares, perto de Beja, trouxeram maquinaria pesada, moveram solos, semearam cereais e introduziram raças de gado estrangeiras, dando a sensação de estarem numa extensão da Alemanha mas mais solarenga e com outras temperaturas.


Algures no caminho a prática parece ter-se invertido. Em 2002 foram buscar Luís Duarte, o enólogo que ajudara o Esporão a ser o que é hoje, e deram-lhe a responsabilidade pela parte agrícola da herdade. Com ele o processo mudou. Hoje criação de gado mantém-se, mas apenas com raça autóctones: caprinos de raça merino, bovinos (200 cabeças) e suínos, ambos de raça alentejana. Toda a área de plantio, onde se incluem os 73 hectares de vinha (praticamente toda com as castas mais comuns no Alentejo), está em fase  de produção integrada o que a aproxima das práticas de agricultura biológica. Não porque é politicamente correcto fazê-lo (quer dizer, também é por isso) mas porque Luís Duarte acredita que é a forma mais correcta para obter matéria prima de qualidade.


Uma parte da area da Herdade dos Grous está confinada ao turismo com uma pequena unidade hoteleira de 24 quartos gerida pelo Vila Vita Parc. Há espaço a perder de vista e um lago com uma extenção considerável - pode-se pegar num barco a remos e ficar à pesca de achigãs e, embora não seja propriamente um local de ir a banhos, haja quem o faça.  




O convite, que juntou meia dúzia de jornalistas, era sugestivo: ver o que se produz na quinta e, depois, dar um salto talho alemão e ao biergarten - que este grupo hoteleiro criou em Porches, a meia dúzia de quilómetros do Vila Vita, no Algarve - para vermos, testarmos e aprendermos umas receitas feitas com as carnes produzidas na propriedade alentejana. Pelo meio houve um almoço bem português, ainda na Herdade dos Grous, na companhia de Luís Duarte e dos seus vinhos, alem de uma visita guiada pela adega. Conhecia algumas das suas colheitas mas aqui tive oportunidade de provar uma boa parte do portfolio. De modo geral são vinhos bem conseguidos, uns mais fáceis - entre o estilo Alentejo mais "novo mundo" -, outros mais complexos e de acordo com as tendências mais recentes (com menos álcool e madeira menos evidente). São vinhos com nomes que contam histórias e sentido de marketing apurado, como o '23 Barricas' que é feito a partir de uma selecção das  melhores 23 barricas ou o ´Moon Harvest',  um tinto que é "vindimado de acordo com os ciclos lunares"). E depois há ainda um magnifico azeite (daqueles que deixam um certo 'pico' na garganta), mais herbáceo e maçã verde do que o estilo madurão do azeite comum produzido na região. Quem visitar a herdade não deve sair sem trazer da loja, também, umas argolas de azeite que ainda para mais vêm numa bela embalagem (a condizer com o 'packaging' elegante da generalidade dos produtos). Garanto-vos: são viciantes! 



Umas dezenas de quilómetros a sul (é capaz de passar mesmo da centena mas o almoço e o vinho deixou-me em 'moon sleeping', pelo que a viagem foi rápida), o panorama muda completamente. Estamos 'protectorado' alemão do Vila Vita Vita, um empreendimento de muitas vilas e quartos próximo do mar, entre o estilo algarvio e o de hacienda andaluza. Não viemos discutir arquitectura nem, infelizmente, ver (com olhos e estômago) a nova cozinha de Hans Neuner, no Ocean, o mais recente duas estrelas michelin em solo luso. Viemos sim conhecer um bocadinho da cultura gastronómica popular alemã.


Segundo consta, alguns clientes do hotel pediam para comprar certos enchidos que encontravam no pequeno almoço. Ao que parece, a própria comunidade germânica no Algarve também arranjava esquemas para ter acesso aos mesmos. Mito ou não o que é certo é que, desde o Verão passado, todos temos à disposição o talho "Metzgerei" onde é possível comprar uma série de enchidos com nomes impronunciáveis para quem não domina a língua alemã. Dos fiambres, ao presunto fumado, dos salames, às 'mortadelas', passando pelas várias salsichas típicas. Tudo elabora com certos ingredientes alemães e carne alentejana da Herdade dos Grous. 



Estava desejoso para provar algumas daqueles especialidades mas primeiro ainda havia uma sessão de aprendizagem de como fazer salada de batata e 'fleischpflanzerl' (uma espécie de almôndegas). Lição aprendida, ou mais ou menos, e toca a zarpar para o biergarten, ali mesmo ao lado, onde aos pares as coisas sabem melhor. 




Refiro-me às óptimas cervejas Paulaner (fermentada, ou não fermentada) e Kostriber, aos pretzels, às salsichas, ao rábano picante, aos cornichões, ao joelho de porco e aos eteceteras e tal.  Tudo entre trajes e decotes estilo München oktoberfest  e mais e mais Paulaners





É natural que os Pohl se tenham perdido de amores pelo país. Aconteceu o mesmo com tantos outros estrangeiros que conheço. Por mim espero poder voltar a estes seus jardins/gärten. Para pescar achigãs e provar o azeite e os vinhos do Luís Duarte ou, mais a sul, para umas loiras não fermentadas e um joelho de reco da Herdade dos Grous.


E aqui entre nós... cá para mim desconfio que a Sra Merkel só não faz o mesmo porque tem medo de se transformar uma 'preguiçosa' do sul. Nem sabe o bem que lhe fazia. Prost! 



Contactos: Herdade dos Grous (tel:284960000) - Albernoa, Beja ; Talho Metzgerei (Tel:282 381 181) e Biergarten (Tel:282381177) - EN 125 Rotunda de Porches 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:03



Pub


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

PUB


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mesa Marcada - Os 12 Pratos do Trimestre


Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Abril 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Comentários recentes

  • Alexandre Silva

    O que está a dar, é o que não está a dar! Fico esp...

  • Jorge Guitian

    Uno más para la agenda de la próxima visita a Lisb...

  • Joao Fernandes

    Eu trabalho com mangalitza na Hungria, neste caso ...

  • João Faria

    Há uns tempos deparei-me com uma imagem do marmore...

  • Bruno

    Interessante - moro em Londres e não conhecia o Ta...