Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lisboa fica mais pobre sem este Porto de Abrigo

por Paulina Mata, em 27.04.12

 

Hoje de tarde cruzei-me com a D. Alice, perguntei-lhe se estava tudo bem, respondeu-me:  “Vou andando filha, o problema são os olhos. E tu?”. Disse-lhe que estava boa, que tudo ia bem, pensei que invejava a energia dela com mais de 90 anos. Não lhe disse que há dois dias tinha passado na Rua dos Remolares, à Porta do Porto de Abrigo, e ele tinha fechado e que fiquei triste. Que me lembrei do tempo em que ela junto ao balcão da cozinha ia controlando todo o serviço da sala, do tempo em que ela mandava mais uma travessa com as excelentes batatas fritas para as minhas filhas. A minha filha mais velha ainda se lembra, apesar de terem passado mais de 20 anos. Há uns meses falou-lhe nisso. Ela ficou contente, disse que mandava sempre mais batatas para as crianças.

 

As voltas que o mundo dá... não sei se alguma vez por essa altura conversei com a D. Alice. Mais de 20 anos depois da última vez que a vi, voltei a encontrá-la, vejo-a todas as semanas. Por vezes conversamos um pouco. Da saúde... e do Porto de Abrigo. Outro dia até sugeriu que eu levasse dois patos que me ensinava a fazer o Pato com Azeitonas. “Mas filha... não tragas só um. Gasta-se muito gás, fazemos logo dois.”

 

 

Há restaurantes que marcam períodos da nossa vida. Na minha, um desses restaurantes é certamente o Porto de Abrigo. Um restaurante a fervilhar de gente, o ruído de fundo característico de um bom restaurante, gente muito interessante, muitas caras conhecidas assim que se entrava a porta, umas de amigos, outras de gente famosa. Foram muitos jantares em que a companhia e a conversa valiam por si, mas as caras familiares dos empregados, as vieiras gratinadas, o pato com azeitonas acompanhado com batatas fritas às rodelas, o polvo à Porto de Abrigo, o arroz de pato, o linguado e o ritual de o arranjarem ali junto à mesa... tornavam-nos jantares memoráveis.


Não posso deixar de sorrir quando me lembro de um jantar. Depois do Festival de Jazz de Setúbal de 1979. Tinham sido 3 ou 4 dias daqueles que representam anos... em que nada é igual depois... e de repente toda a gente desapareceu no dia seguinte. Apareceu o FB, jornalista italiano que tinha vindo fazer a cobertura do festival e diz, "Gostei do Porto de Abrigo. Vamos jantar? Quero voltar a comer tudo antes de ir embora." Fomos. Ele queria mesmo voltar a comer tudo... e ia embora na manhã seguinte. Éramos dois, ele pediu 5 doses. O empregado perguntou se tínhamos a certeza. Sim, tínhamos. Debicámos um pouco de cada prato enquanto conversávamos sobre a comida e aqueles dias. O FB foi embora no dia seguinte. Nunca mais soube nada dele. Há tempos, por curiosidade, meti o nome dele no Google. O homem de barba e cabelo branco que apareceu, não me diziam nada... não o conseguia associar à pessoa que tinha jantado comigo no Porto de Abrigo. Como era possível? Parecia que o jantar tinha sido há poucos dias...

 

Voltei ao Porto de Abrigo há poucos anos... já não era a mesma coisa. Disse-o à D. Alice, e falei-lhe de como tinha pena. Ela disse que também tinha pena de já lá não estar... Não lhe disse, mas pensei: Pois, é essa a razão de já não ser o mesmo.

 

Lisboa fica um pouco mais pobre sem o Porto de Abrigo, sem a vieira gratinada, o polvo à Porto de Abrigo, o pato com azeitonas, o arroz de pato... Mas não vou dizer à D, Alice que o restaurante fechou. Será que ela sabe? Vou só agradecer-lhe de novo tudo o que me proporcionou. A mim e a tanta gente!

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:14


6 comentários

Sem imagem de perfil

De helena cardoso a 28.04.2012 às 01:01

Que saudades do Porto de Abrigo, do Pato c/ Azeitonas e das pessoas com quem lá jantei! Adorei o seu post, levou-me de volta àquela sala especial. Se a D. Alice lhe der a receita, importa-se de a partilhar? Ficava-lhe muito grata.
Sem imagem de perfil

De Paulina Mata a 29.04.2012 às 23:03

O que a D. Alice me disse sobre o Pato com Azeitonas foi que o assava normalmente no forno. Podia pôr cebola e cenoura à volta para dar gosto ao molho, ou não. Depois do pato assado, guardava o pato, e passava o molho por um passador (eventualmente e se necessário adicionava um pouco de água ou caldo). Juntava depois vinho do Porto ou vinho Madeira. À parte, fervia as azeitonas em água, depois rejeitava a água, punha nova água e voltava a ferver. E fazia isto até que as azeitonas perdessem o gosto forte. Depois escorria bem as azeitonas e juntava-as ao molho.

Hoje conversámos bastante, ela esteve a falar-me das carnes frias galantines e tête d'achard ) que fazia no Verão, mas isso não me lembro de comer lá.
Sem imagem de perfil

De AM a 29.04.2012 às 18:09

Olá, só para avisar quem não saiba, que é amanhã que estreia "No Reservations : Lisbon " nos EUA.
Um cheirinho aqui: http :/ www.travelchannel.com tv-shows anthony-bourdain episodes lisbon
Sem imagem de perfil

De PedroCG a 02.05.2012 às 02:39

Estava a ler o post e a pensar na última vez que lá fui, num meu aniversário de má memória - fui mal servido , os rojões vieram aldrabados e jurei não voltar. Depois , lembrei-me da primeira vez, ainda adolescente e das vieiras gratinadas que lá descobri. E de um almoço com uma grande amiga e dois irlandeses cheios de sede. São assim os restaurantes do coração: as traições doem-nos ainda mais. Agora fechou. Os passamentos também nos custam mais.
Sem imagem de perfil

De Paulina Mata a 02.05.2012 às 14:14

Pedro

A dona, que o fundou, que criava os pratos e "controlava" todos os dias já lá não estava há alguns anos. Tem 96 anos agora. Quando o Pedro era adolescente, era certamente ni período em que ela estava à frente dos fogões. Os rojões, se foi mais recentemente, já não era...
Sem imagem de perfil

De Rita Vasconcellos a 31.05.2014 às 19:05

O seu post fez-me lembrar o meu pai. Gostava de lá ir. E eu ía com ele. Faz 30 anos que lá fui a última vez. O seu post fez-me lembrar ...

Comentar post



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)
Paulina Mata (convidada especial) Alexandra Forbes (convidada especial)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").


Mesa Marcada no Twitter


Siga-nos no facebook



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Comentários recentes

  • Pedro Sommer Ribeiros

    Ahaahahaha!!!Muito bom!Se viessem a Portugal, até ...

  • André Alves

    Então não há cá uns que dizem que inventaram o Pas...

  • Renato

    Depende do que for, de facto, a invenção. Se já ex...

  • Jorge Guitián

    Lamentablemente, non é a primeira vez que a patern...

  • Só entre nós

    Infelizmente, esta não é a primeira falsa descober...