Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lisboa fica mais pobre sem este Porto de Abrigo

por Paulina Mata, em 27.04.12

 

Hoje de tarde cruzei-me com a D. Alice, perguntei-lhe se estava tudo bem, respondeu-me:  “Vou andando filha, o problema são os olhos. E tu?”. Disse-lhe que estava boa, que tudo ia bem, pensei que invejava a energia dela com mais de 90 anos. Não lhe disse que há dois dias tinha passado na Rua dos Remolares, à Porta do Porto de Abrigo, e ele tinha fechado e que fiquei triste. Que me lembrei do tempo em que ela junto ao balcão da cozinha ia controlando todo o serviço da sala, do tempo em que ela mandava mais uma travessa com as excelentes batatas fritas para as minhas filhas. A minha filha mais velha ainda se lembra, apesar de terem passado mais de 20 anos. Há uns meses falou-lhe nisso. Ela ficou contente, disse que mandava sempre mais batatas para as crianças.

 

As voltas que o mundo dá... não sei se alguma vez por essa altura conversei com a D. Alice. Mais de 20 anos depois da última vez que a vi, voltei a encontrá-la, vejo-a todas as semanas. Por vezes conversamos um pouco. Da saúde... e do Porto de Abrigo. Outro dia até sugeriu que eu levasse dois patos que me ensinava a fazer o Pato com Azeitonas. “Mas filha... não tragas só um. Gasta-se muito gás, fazemos logo dois.”

 

 

Há restaurantes que marcam períodos da nossa vida. Na minha, um desses restaurantes é certamente o Porto de Abrigo. Um restaurante a fervilhar de gente, o ruído de fundo característico de um bom restaurante, gente muito interessante, muitas caras conhecidas assim que se entrava a porta, umas de amigos, outras de gente famosa. Foram muitos jantares em que a companhia e a conversa valiam por si, mas as caras familiares dos empregados, as vieiras gratinadas, o pato com azeitonas acompanhado com batatas fritas às rodelas, o polvo à Porto de Abrigo, o arroz de pato, o linguado e o ritual de o arranjarem ali junto à mesa... tornavam-nos jantares memoráveis.


Não posso deixar de sorrir quando me lembro de um jantar. Depois do Festival de Jazz de Setúbal de 1979. Tinham sido 3 ou 4 dias daqueles que representam anos... em que nada é igual depois... e de repente toda a gente desapareceu no dia seguinte. Apareceu o FB, jornalista italiano que tinha vindo fazer a cobertura do festival e diz, "Gostei do Porto de Abrigo. Vamos jantar? Quero voltar a comer tudo antes de ir embora." Fomos. Ele queria mesmo voltar a comer tudo... e ia embora na manhã seguinte. Éramos dois, ele pediu 5 doses. O empregado perguntou se tínhamos a certeza. Sim, tínhamos. Debicámos um pouco de cada prato enquanto conversávamos sobre a comida e aqueles dias. O FB foi embora no dia seguinte. Nunca mais soube nada dele. Há tempos, por curiosidade, meti o nome dele no Google. O homem de barba e cabelo branco que apareceu, não me diziam nada... não o conseguia associar à pessoa que tinha jantado comigo no Porto de Abrigo. Como era possível? Parecia que o jantar tinha sido há poucos dias...

 

Voltei ao Porto de Abrigo há poucos anos... já não era a mesma coisa. Disse-o à D. Alice, e falei-lhe de como tinha pena. Ela disse que também tinha pena de já lá não estar... Não lhe disse, mas pensei: Pois, é essa a razão de já não ser o mesmo.

 

Lisboa fica um pouco mais pobre sem o Porto de Abrigo, sem a vieira gratinada, o polvo à Porto de Abrigo, o pato com azeitonas, o arroz de pato... Mas não vou dizer à D, Alice que o restaurante fechou. Será que ela sabe? Vou só agradecer-lhe de novo tudo o que me proporcionou. A mim e a tanta gente!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:14


5 comentários

Sem imagem de perfil

De helena cardoso a 28.04.2012 às 01:01

Que saudades do Porto de Abrigo, do Pato c/ Azeitonas e das pessoas com quem lá jantei! Adorei o seu post, levou-me de volta àquela sala especial. Se a D. Alice lhe der a receita, importa-se de a partilhar? Ficava-lhe muito grata.
Sem imagem de perfil

De Paulina Mata a 29.04.2012 às 23:03

O que a D. Alice me disse sobre o Pato com Azeitonas foi que o assava normalmente no forno. Podia pôr cebola e cenoura à volta para dar gosto ao molho, ou não. Depois do pato assado, guardava o pato, e passava o molho por um passador (eventualmente e se necessário adicionava um pouco de água ou caldo). Juntava depois vinho do Porto ou vinho Madeira. À parte, fervia as azeitonas em água, depois rejeitava a água, punha nova água e voltava a ferver. E fazia isto até que as azeitonas perdessem o gosto forte. Depois escorria bem as azeitonas e juntava-as ao molho.

Hoje conversámos bastante, ela esteve a falar-me das carnes frias galantines e tête d'achard ) que fazia no Verão, mas isso não me lembro de comer lá.
Sem imagem de perfil

De AM a 29.04.2012 às 18:09

Olá, só para avisar quem não saiba, que é amanhã que estreia "No Reservations : Lisbon " nos EUA.
Um cheirinho aqui: http :/ www.travelchannel.com tv-shows anthony-bourdain episodes lisbon
Sem imagem de perfil

De PedroCG a 02.05.2012 às 02:39

Estava a ler o post e a pensar na última vez que lá fui, num meu aniversário de má memória - fui mal servido , os rojões vieram aldrabados e jurei não voltar. Depois , lembrei-me da primeira vez, ainda adolescente e das vieiras gratinadas que lá descobri. E de um almoço com uma grande amiga e dois irlandeses cheios de sede. São assim os restaurantes do coração: as traições doem-nos ainda mais. Agora fechou. Os passamentos também nos custam mais.
Sem imagem de perfil

De Paulina Mata a 02.05.2012 às 14:14

Pedro

A dona, que o fundou, que criava os pratos e "controlava" todos os dias já lá não estava há alguns anos. Tem 96 anos agora. Quando o Pedro era adolescente, era certamente ni período em que ela estava à frente dos fogões. Os rojões, se foi mais recentemente, já não era...

Comentar post




Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)
Paulina Mata (convidada especial) Alexandra Forbes (convidada especial)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Mesa Marcada apoia:


Mesa Marcada no Twitter


Siga-nos no facebook



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Comentários recentes

  • Nuno Vasto

    O CASANOSTRA sempre foi o melhor de todos (mesmo q...

  • teixeira

    Carlos Alexandre, muita gentileza em me oferecer m...

  • Carlos Alexandre

    E que tal o Il Gattopardo, no hotel D. Pedro, nas ...

  • Artur Hermenegildo

    Memória fotográfica da minha única visita este ano...

  • Lis

    Permita-me os autores do post e do 2º comentário o...