Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ingredientes Top: Vegetais

por Miguel Pires, em 15.05.12

photo 1.JPG

 

Esta é sem dúvida a minha época preferida do ano no que diz respeito a alimentos. Quando chega a época das favas, uso e abuso. Como abusei este ano da cebolinha fresca (spring onions), que salteei, estufei e comi crua até não fartar.

 

Nos últimos anos aprendi a apreciar certos legumes de excepção e a dar a mesma relevância que dava ao mais exclusiva das iguarias. Não se trata de pregar o vegetarianismo, mas sim de dar aos vegetais o papel principal que merecem ter numa refeição, em que outros elementos como ovos, enchidos, ou queijo estão lá (ou não) apenas como adjuvantes.

 

Os 'naturalistas' escandinavos trouxeram os vegetais (selvagens e de cultura) de novo para para a ordem do dia, no que diz respeito à alta cozinha. Mas antes deles outros nunca deixaram de o fazer, como Alain Passard ou Michel Bras, só para dar dois exemplos. A mim Influenciou-me muito os primeiros raides que fiz à Biocoop, já lá vão uns aninhos, e, mais recentemente, as peregrinações regulares a lojas bio como a Miosótis ou a mercados como o (também biológico) do Principe Real, ou os tradicionais de Alvalade e 31 de Janeiro (Saldanha).

 

Um dos melhores pratos que comi no ano passado foi um de Santi Santamaria, no festival do Vila Joya, confeccionado exclusivamente de vegetais. Mas a pessoa que mais me entusiasmou (e influenciou) nos últimos tempos neste campo foi sem dúvida, Vincent Farges, o chefe do Fortaleza do Guincho. O primor com que trabalha os produtos e a forma com que fala deles, em especial, dos vegetais da Maria José (da Quinta do Poial) é contagiante (um pequeno exemplo pode ser visto aqui). 

 

Com um centésimo da delicadeza e um milésimo do talento tenho-me dedicado à causa vegetal de uma forma quase viciante. É um anorme gozo que me leva a comprar experimentar um pouco de tudo o que a época vai dando - sobretudo nesta altura. 

 

Numa das refeições deste fim de semana - com passagem obrigatória pelo 31 de Janeiro e pelo Príncipe Real - comecei por saltear umas rodelas de chouriço de porco ibérico e quando ficou estaladiço, retirei e reservei (para juntar novamente no final). Acrescentei duas colheres de sopa de azeite à gordura que o chouriço largou e fui soltando os legumes numa frigideira de ferro. Primeiro a batata ratte, do Poial, em lâminas, depois um fantástico funcho baby (da Maria de Fátima, do 31 de Janeiro), cebolinha fresca branca e roxa (também do Poial)e favas duplamente despidas que trouxe de Rio Maior, de casa dos meus pais. Deixei tudo caramelizar ligeiramente (foto de cima), juntei um pouco de água - só o suficiente para cobrir o fundo - e deixei estufar durante 4 minutos. Depois juntei-lhe dois ovos bio e tapei por mais 3 minutos. Depois foi só cortar uma fatia de pão do Adolfo (o dos Chèvre da Granja Moinho) e egoisticamente devorei tudo apenas na companhia de um rosé do Douro (o Thyro). 


photo 2.JPG
No Domingo resolvi voltar à carga com a batata ratte e fiz uma pizza inspirada numa da Pizza a Pezzi. Tinha uma mistura de farinha e fermento que comprei na Miosótis e foi só juntar água e azeite e deixar repousar 30 minutos. Depois estendi e, numa pedra refractária - que deixei aquecer no forno em potência no máxima (250º) - , juntei outros ingredientes: endívias, espargos verdes, pimento vermelho e novamente cebolinha. Reguei com um fio de bom azeite transmontano (da Quinta do Vale do  Conde), alecrim fresco picado e Levei ao forno durante 15 minutos. Esqueci-me de juntar previamente o queijo, mas não fez mal. Ficaram para topping umas lamelas de queijo da Graciosa de 9 meses de cura. A isto tudo chamei-lhe um figo.  
photo 3.JPG
Gostei tanto que repeti a dose ao jantar, numa versão mais simples (sem espargos e sem alecrim). Influenciado pelo uso peculiar que a Paulina resolveu dar ao ferro de engomar, repousei a massa da pizza em cima do computador para que levedase melhor. Não deu para gritar eureka mas funcionou. O que não ficou tão bem foi a pizza. Porquê? porque aconteceu-me aquilo que rezo sempre que estou num restaurante para que não aconteça: que a cozinha não estrague um bom produto com excesso de cozedura. Ainda assim, no computo geral, foi um fim de semana (quase) vegetal de estalo. Ah! e com excepção das endívias e da base da pizza, tudo de produção nacional. 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:43


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Jony a 15.05.2012 às 17:45

Excelente post!
Também adoro esta época e as suas dádivas, ainda hoje ao almoço foi um arroz malandrinho com 'alho selvagem' Bärlauch ou Ramsons (não sei bem o nome em Português) que fui colher na floresta mais próxima, que delicia! Acompanhou com umas excelentes sardinhas pequenas fritas.
Bela primavera

Comentar post



PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

PUB


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Maio 2012

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Comentários recentes

  • João Gonçalves

    Muito interessante. Reconheço que me sinto ignoran...

  • Anónimo

    Só para esclarecer que este comentário é meu. Artu...

  • Marcus

    Esperimente passá-las em farinha de arroz. Elas fi...

  • Miguel Pires

    Pois, eu gosto de comparar e de tirar ilações, sob...

  • Miguel Pires

    Anónimo?