Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




No início da longa vida do Barca Velha 2004

por Duarte Calvão, em 18.05.12

Quando chegou o grande momento da noite, com o Barca Velha 2004 a ser servido para acompanhar o prato principal do jantar do bonito restaurante das Casas do Coro, na misteriosa Marialva, levei o copo ao nariz e, tal como já estava à espera, gostei logo daqueles aromas limpos e elegantes, daquele equilíbrio que depois de confirmou ao beber. Nada de excessos de fruta, álcool, doçura, apenas aquela suave complexidade, aquela força tranquila de um vinho que para mim só teve um “defeito”, parece-me ainda novo de mais para ser bebido.
O Barca Velha é o meu sonho para os grandes vinhos portugueses. Produzido só quando a qualidade o permite, numa quantidade que o afasta do “vinhos de garagem”, deixado a envelhecer pelos produtores, com potencial para melhorar ainda mais depois de chegar à mão dos clientes, com uma bela história para contar, não me preocupa nada saber se é ou não “o melhor” vinho português, mas sim que é único e que proporciona uma experiência extraordinária quando é bebido.
Vale o dinheiro que se pede por ele (já agora, parece que este 2004 ficará em 100 euros no Clube 1500 da Sogrape, vamos ver por quanto chegará às lojas), perguntam os obcecados pelas relações preço/qualidade. Para mim, que sou um admirador confesso, é claro que vale. Prefiro uma garrafa destas a cinco “novidades” de vinhos com dois ou três anos de colheita, todos a saber a Novo Mundo, infantis e óbvios. E a verdade é que nunca faltam compradores, sobretudo em Portugal e no Brasil (onde é, a par do Pêra-Manca, uma das únicas marcas de topo de tintos portugueses com reconhecimento generalizado), para as suas 26 mil garrafas.
Deixo para os críticos de vinho a tarefa de explicar o Barca Velha 2004, de o comparar com algumas das 17 colheitas anteriores, mas aqui ficam algumas informações fornecidas pela Casa Ferreirinha – Sogrape. Tem 40% de Touriga Nacional, 30% de Touriga Franca, 20% de Tinta Roriz e 10% de Tinto Cão. De álcool, 13,5º. Nota de prova dos produtores: “intensa cor ruby e um aroma de grande harmonia e complexidade, com forte presença de frutos vermelhos bem maduros, nuances florais de alfazema e violeta, e uma excelente componente de especiarias. Na boca é volumoso, tem uma acidez viva e bem integrada, com taninos bem presentes e de excelente qualidade. À fruta vermelha, que ainda se revela fresca, juntam-se notas de especiarias e balsâmicas. O final é extremamente longo e complexo, com uma delicadeza e simultânea estrutura assinaláveis.” Aconselham-no com carne, caça e mesmo alguns queijos com “sabores requintados”.
Na apresentação nas Casas do Coro, o enólogo Luís Sottomayor sublinhou a facilidade com que a equipa que lidera identificou 2004 como um ano Barca Velha e, a julgar pela reacção dos peritos que estavam na minha mesa e, posteriormente, pelas dos outros convivas que o ficaram a beber noite fora, ninguém pôs e causa o acerto da decisão.
No dia seguinte, depois de uma agradável viagem de barco a partir do Pocinho, fomos visitar a Quinta da Leda (na foto) e fiquei esmagado pela beleza e grandiosidade do panorama que se avista do terraço da moderna adega, inaugurada em 2001, tendo no fundo o Monte Callabriga, no cimo do qual existiu em tempos um importante povoado, do qual hoje só se avistam vestígios das muralhas. É evidente que dali só pode sair um grande vinho.

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:18



PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

PUB


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Maio 2012

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Comentários recentes

  • João Gonçalves

    Muito interessante. Reconheço que me sinto ignoran...

  • Anónimo

    Só para esclarecer que este comentário é meu. Artu...

  • Marcus

    Esperimente passá-las em farinha de arroz. Elas fi...

  • Miguel Pires

    Pois, eu gosto de comparar e de tirar ilações, sob...

  • Miguel Pires

    Anónimo?