Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Belcanto: balanço, pausa e futuro

por Duarte Calvão, em 10.08.12

Não tenho gosto em o constatar, mas a verdade é que à medida que o tempo passa, José Avillez vai ficando mais sozinho. Enganou-se quem apostou que ele podia ser um exemplo, sobretudo depois de ter ganho a estrela Michelin no Tavares, de uma renovação da cozinha portuguesa. Ele é um caso único. Não é que não haja outros chefes portugueses actualizados com a cozinha dos nossos tempos (lembro-me sem esforço de Luís Baena, de Leonel Pereira e de Luís Américo), mas a verdade é que nenhum consegue pôr em prática o que poderia fazer, seja por prudência seja por acomodação seja pelo que for.
Aberto no início de Janeiro, o Belcanto fechou para férias em Agosto. Achei que era boa altura para fazer um balanço do primeiro semestre e fui falar com José Avillez, ao seu Cantinho (que completa um ano em Setembro), que continua um caso de êxito retumbante, com clientes a pedirem para tirar fotografias ao lado do chefe no final da refeição, como eu vi uma extasiada francesa fazer. Esse não fecha nem em Agosto.
“Os primeiros sete meses do Belcanto superaram todas as minhas expectativas em termos de clientes e de crítica, pensei que ia demorar mais tempo a conseguir atingir este ponto”, afirma José Avillez. Tudo parece indicar, já que o tipo de cozinha que faz é a mesma, que o Tavares intimidava uma série de pessoas, que agora apreciam a decoração mais “acolhedora” do Belcanto. “No Tavares, os clientes portugueses eram cerca de 25%. No Belcanto, são uns 70%”, adianta o chefe, satisfeito por ver muita gente que dizia não gostar “desta cozinha moderna” (alguns até dizem “Nouvelle Cuisine”…), vir agora ao seu novo restaurante e cumprimentá-lo no final e voltar com amigos para conhecer outros pratos.
A frequência de estrangeiros parece estar muito ligada às óptimas críticas que o Belcanto tem tido em vários países, como Espanha (Carlos Maribona e Xavier Agulló, por exemplo), Brasil, França ou Reino Unido. Mas Avillez destaca o caso especial de Frank Bruni, que escreveu no New York Times que no Belcanto tinha tido uma das melhores refeições do ano. “Foi impressionante, todas as semanas tenho uns 50 ou 60 clientes americanos, muitos dos quais me referem esse artigo do Frank Bruni, que teve a vantagem de ficar na Internet”. (Ver aqui)
Mas o cliente estrangeiro que mais impacto teve no período de abertura não foi nenhum crítico, foi o consagrado chefe basco Andoni Luís Aduriz, do Mugaritz, que jantou no Belcanto, aquando da sua vinda ao Peixe em Lisboa. Avillez explica porquê: “No fim do jantar, ele foi à cozinha e fez um discurso que nos motivou muito. Disse-nos que o que estávamos a fazer nos transcendia, que era importante para a cozinha portuguesa, para Lisboa, para Portugal. Depois disse, ideia que repetiu numa entrevista ao “Público”, que restaurantes como o Belcanto fazem parte do património de uma cidade e até de um país, dando como exemplo o que representa o seu próprio restaurante ou o Arzak ou o Martín Berasategui para os habitantes de San Sebastian. Lá, mesmo quem não vai a estes restaurantes, ou porque não tem meios ou porque não aprecia o estilo de cozinha, orgulha-se, principalmente perante estrangeiros, do que eles representam para a região”.
Por falar em Mugaritz, é lá que David Jesus, o braço-direito de Avillez desde os tempos do Tavares, vai passar parte das suas férias. Outro membro da equipa do Tavares que ganhou a estrela Michelin, o japonês Atsushi Murata fará o mesmo no Noma. Outros dos oito elementos da equipa de cozinha aproveitam este mês de férias para fazerem curtos estágios em restaurantes espanhóis como Quique Dacosta, em Denia, e Aponiente, em Cadiz, do chefe Ángel Léon. E também em Portugal, no Ocean, do chefe Hans Neuner, no Algarve. A equipa de sala vai também passar pelo Mugaritz, pelo Arzak e Martín Berasategui, indo depois fazer uma “viagem de estudo” pela zona de vinhos de Bordéus. “Achei fantástica a atitude da equipa do Belcanto. Apesar do cansaço do período de abertura, eles prescindiram de metade das férias para irem aprender noutros restaurantes”, orgulha-se José Avillez.
Ele próprio vai estar pelo Mugaritz, mas entretanto também já fez as suas viagens de estudo, em Paris e Itália, com ida à Osteria Francescana, em Modena, o três estrelas do consagrado Massimo Bottura, quinto melhor do mundo na lista da “Restaurant”. Nos primeiros seis meses do ano, o chefe participou em diversos eventos no estrangeiro, com destaque para o Madrid Fusión, a participação na exposição da artista plástica Joana Vasconcelos em Versalhes e, mais recentemente, no festival Arco Atlântico, em Gijón, ao lado de prestigiados chefes espanhóis da sua geração, acontecimento relatado por Carlos Maribona neste post no Salsa de Chiles.
E, quando reabrir a 4 de Setembro, que novidades trará o Belcanto? José Avillez ainda não adianta muito, mas garante que não está “prisioneiro da novidade”, obrigando-se a apresentar pratos novos de qualquer maneira. “Estou mais interessado em obter consistência naquilo que apresentamos, tentar que todos os pratos fiquem sempre o melhor possível nos mínimos detalhes. Os pratos novos surgirão naturalmente”, considera. “Num restaurante que há 40 anos faz os mesmos pratos é natural que haja uma enorme regularidade, mas quando fazemos receitas novas num restaurante novo como o nosso, todos os dias temos que dar a máxima atenção a tudo. Se cozinhamos um robalo a 54ºC, basta haver uma variação pequena para o resultado já não ser o mesmo, arriscamo-nos até a que fique cru.”
“Para mim”, prossegue, “os pratos só envelhecem quando são cozinhados todos os dias, é preciso ter uma continuidade, embora tenhamos que estar atentos à reacção dos clientes e não cozinhar só para nós e meia-dúzia de críticos. Há um prato de que gosto bastante e que foi muito elogiado pelos críticos, o arroz de cabidela vegetal, em que o sangue é inteiramente substituído por sumo de beterraba, mas os clientes reagem mal mesmo quando lhe explicamos isso. A palavra “cabidela” é mais forte…. É claro que se lhe chamasse “risotto”, venderia dez vezes mais, mas prefiro tirá-lo da carta. São ajustes que vamos fazendo”.
Apesar da importância que dá à continuidade, já há algumas ideias novas sobre as quais está a trabalhar. “Quero fazer um prato que ofereça ao cliente sete experiências diferentes, sete colheradas ou garfadas em que cada uma seja distinta da outra. Há pratos muito bons, como o bacalhau à Braz, por exemplo, em que, se não fossem as azeitonas e a salada que geralmente o acompanha, seriam iguais da primeira à última garfada. A minha ideia é fazer um prato que seja o oposto. Vamos ver se consigo.”
Outro aspecto importante que Avillez quer desenvolver nesta nova temporada do Belcanto é atingir um nível elevado em pratos aparentemente simples e conhecidos. “Na Osteria Francescana”, exemplifica, “talvez o prato de que mais gostei não tinha nada de técnicas modernas ou inovação. Era um tagliatelle com ragoût, que estava uma perfeição. Gostaria de conseguir atingir os mesmos resultados, a mesma alma, com pratos da tradição portuguesa, que muitas vezes estão cozinhados de uma maneira que não nos deixa descobrir todas as suas potencialidades”. Aliás, José Avillez quer que no próximo ano ele e a sua equipa dêem um “mergulho no país real” percorrendo várias zonas de Portugal em busca de experiências, receitas e produtos que possam depois reinterpretar no Belcanto.
Falta saber se, em plena “crise”, um restaurante de topo como o Belcanto se aguenta bem. “Quando abrimos já sabíamos qual era a situação. Teria sido pior se tivesse sido há dois anos, quando ainda não se previa que a crise fosse tão forte”. Mas as taxas de taxas de ocupação deixam o chefe satisfeito. “Ao jantar devemos andar quase no pleno, para aí uns 95%. Ao almoço é mais incerto, tanto temos a casa cheia como várias mesas vazias”. Mesmo assim, o chefe admite que restaurantes como o Belcanto dificilmente dão muito dinheiro, ao contrário do que por vezes se julga. Basta dizer que o restaurante emprega 18 pessoas para servir um máximo de 45 lugares. “Felizmente estou envolvido noutros negócios e actividades que me dão suporte financeiro, como o Cantinho, o catering, programas de televisão, publicidade, eventos, etc. Senão seria difícil. Mas creio que essa é a realidade da grande maioria dos restaurantes de topo em todo o lado”, diz.
Embora não queira que lhe colem rótulos, como o de “cozinheiro vanguardista”, nada indica que José Avillez vá mudar de caminho. “Compreendo as razões de mercado que levam muitos chefes para soluções mais fáceis”, conclui, “mas depois não se pode querer ter determinada imagem, sem ter o trabalho, os custos e a dose risco que esta cozinha exige. Não quero andar à procura de desculpas para não fazer a cozinha em que acredito”. Está tudo dito.

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:22


10 comentários

Sem imagem de perfil

De António Moura a 10.08.2012 às 16:59

Caro Duarte obrigado por este post.

O Belcanto é a prova de que existe espaço em Lisboa para fazer um grande restaurante com grandes ambições. No Belcanto existe competência e existe profissionalismo, não só na cozinha, como em todas as áreas.

E isso é algo que, parecendo óbvio, é raro quando lidamos com restaurantes topo de gama em Portugal.

Parabéns José Avillez.
Sem imagem de perfil

De José Tomaz de Mello Breyner a 10.08.2012 às 19:25

Duarte,

Magnifico artigo que retracta bem o que se passa no Belcanto. Parabéns para o Zé Avillez e para a sua equipa.
Sem imagem de perfil

De Mary Goudie a 11.08.2012 às 11:50

Nice article about Belcanto & JA working to bring more English speaking tourist into both restaurants at lunch time check out the video cruise critic Ralph Grizzle put up featuring Cantinho http://bit.ly/Oa3o89 & his article on travel USA today http://usat.ly/S9p0OH
Sem imagem de perfil

De PR a 15.08.2012 às 00:55

Não quero com este comentário quebrar o unanimismo em torno do Belcanto e muito menos colocar em questão o excelente trabalho do José Avillez. Apesar de por motivos profissionais o tempo passado em Portugal seja cada vez menos (e com isso a disponibilidade para visitar restaurantes), desde a reabertura, tive a oportunidade de fazer três refeições no Belcanto. Reconheço que para o atual estádio e nível dos chefes e da cozinha que se pratica em Portugal (e não é este o tema do comentário; que dava para uma dissertação de doutoramento) o José Avillez se encontra bem no topo, contudo (e sem que com isto pretenda passar uma ideia pejorativa) ao entrar na comparação, para mim inevitável, com outros restaurantes de idêntico calibre (desde logo do outro lada da fronteira), das três vezes saí do Belcanto com a percepção de que (ainda?!) lhe falta algo. A meu ver José Avillez tem tudo (meios financeiros, massa critica, clientes, criticos e critica favorável) para inovar, criar, romper com preconceitos e seguir o seu próprio trilho; mas ao invés disso a minha sensação foi a de estar perante pratos pouco genuínos a roçar a imitação de outros que já havia comido em restaurantes desse mesmo campeonato com o qual pretendo comparar o Belcanto. Não sei se o problema é meu (por ter demasiados termos e pratos de outros restaurantes para comparação), se do Belcanto ou se do mercado em que se insere e dos clientes que procura servir. Repito, para não existirem dúvidas, que considero o trabalho de José Avillez bastante meritório e oxalá Portugal tivesse mais chefes assim e restaurantes como o Belcanto.
Imagem de perfil

De Duarte Calvão a 15.08.2012 às 13:40

Concordo consigo que José Avillez poderá ir mais longe. Espero que sim. No entanto, também me parece bem que ele não queira entrar numa criatividade desenfreada e que vá fazendo novos pratos ao ritmo que consegue ter, testando-os e aperfeiçoando-os devidamente . Tanto mais que em Portugal ele terá poucos colegas com quem trocar ideias e experiências, ao contrário do que acontece noutros países onde a cozinha criativa é bem acolhida e incentivada.
Sem imagem de perfil

De PR a 17.08.2012 às 16:16

Duarte,

Muito agradecido pela sintese e por ter conseguido escrever o mesmo usando menos de metade das palavras. Ainda sobre o Belcanto, há não muito tempo, em conversa com Carlos Maribona este me comentava estarmos perante o melhor restaurante em Lisboa, tendo-me voltado a salientar o percurso de José Avillez. Confesso que não partilho de tanto entusiasmo, embora perceba a aura que o rodeia. Isto em particular, depois de ter lido na imprensa espanhola, pela escrita do critico do El Pais, que o Belcanto é um restaurante muito superior ao Villa Joya, algo que não se pode, de todo, conceber!
Sem imagem de perfil

De Pedro a 23.08.2012 às 14:41

É fantástico a humildade e simplicidade que coloca no seu sucesso, pratos a maneira de estar.
Em relação a conhecer o País, venha ao Alentejo, e em cada cidade, vila e aldeia encontra algo de fantástico e diferente. Até em aldeias com 200 habitantes come-se uma açorda de camarão que é algo de outro mundo...
Imagem de perfil

De Artur Hermenegildo a 24.08.2012 às 11:52

Duarte.

Em relação ao Leonel Pereira, não estou muito de acordo - acho que, apesar das naturais limitações de um restaurante de hotel, ele consegue fazer uma cozinha com alguma criatividade e risco.

Já o Luís Baena sim - depois de Catralvos, claramente desisitiu dessa via, provavelmente por razões financeiras.

Em termos de outros cozinheiros portugueses, para mim há que levar muito a sério, dentro desta linha mais criativa, a dupla Renato/Dalila no Ferrugem.

O problema maior é que em Lisboa não há massa crítica para aguentar mais do que dois, três, restaurantes deste tipo. Não estamos em Paris ou em Londres, onde os clientes locais garantem uma base sólida para manter a rentabilidade. Aqui estamos dependentes do turismo de alto nível, e esse é sazonal e não garante continuidade nem sustentabilidade.
Imagem de perfil

De Duarte Calvão a 30.08.2012 às 13:45

Olá, Artur. Desculpa a demora em responder. Estou de acordo em relação ao Leonel Pereira, mas tenho a sensação de que a sua cozinha só atingirá a plenitude quando ele estiver à frente do seu próprio restaurante. Mas não há dúvida que ele é um dos nossos chefes mais talentosos e mais bem preparado tecnicamente e que o Panorama, juntamente com o Belcanto , é um restaurante extremamente interessante.
De acordo que Luís Baena , depois de Catralvos , não conseguiu ainda chegar ao mesmo nível. Quanto ao Ferrugem, infelizmente ainda não consegui lá ir.
Já não estou de acordo quanto à famosa "massa crítica". Quando um chefe põe a sua alma, a sua técnica, as suas experiências na cozinha de um restaurante, acho que os clientes aparecem. Se calhar estou a ser demasiado optimista, mas eu sou assim mesmo.
Abraço
Sem imagem de perfil

De PR a 29.08.2012 às 22:34

Volto a esta caixa de comentarios para muito sucintamente referir que depois da deplorável e lamentável, a todos os títulos, (má) experiência de ontem ao jantar no Feitoria, sou forçado a reconsiderar o posicionamento do Belcanto no ranking dos melhores restaurantes de Lisboa.

Comentar post



PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

PUB


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Agosto 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Comentários recentes

  • Paulina Mata

    Tenho pena mas não vou poder ir. O ano passado val...

  • Duarte Calvão

    Julgo que sim. No final do post há um link que rem...

  • João Almeida

    Duarte,E quem pode participar? Porque é que é só p...

  • João Gonçalves

    Muito interessante. Reconheço que me sinto ignoran...

  • Anónimo

    Só para esclarecer que este comentário é meu. Artu...