Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Estas férias foi bom voltar...

por Paulina Mata, em 02.09.12

Uns dias de férias no Alentejo deram-me a oportunidade de voltar a dois restaurantes que já conhecia e onde tinha tido boas experiências – a Cadeia Quinhentista em Estremoz:

e o Tomba Lobos em Portalegre.

Gosto da cozinha alentejana, de muito do que se come e, sobretudo, do engenho que revela na transformação de produtos simples, e por vezes em número muito limitado, num conjunto de pratos muito originais, característicos e interessantes. Tenho, contudo, que reconhecer que nalguns dos restaurantes tradicionais seria importante actualizar a forma de confeção dos pratos, adaptando-a a uma época em que dispomos de bons sistemas de frio, equipamento de cozinha que permite a utilização de menos gordura e uma série de outros aspetos que tornam possível adaptar técnicas de modo a obter pratos mais leves, menos gordos e com pontos de cozedura que resultem em texturas mais agradáveis. Mas há quem o faça, mais do que isso, quem pratica uma cozinha com a marca do Alentejo, mas também com características muito próprias. É muito bom visitar espaços bonitos, extremamente agradáveis, com uma cozinha actual, em que os produtos são bem tratados e bem apresentados, e sentimos que estamos no Alentejo. De facto, os produtos são alentejanos, a cozinha é baseada nos sabores e práticas tradicionais, mas estas são adaptadas tendo em conta o conhecimento e padrões atuais para otimizar resultados, e em que além disto há uma boa dose de inovação. É o que acontece nos espaços que referi. E, embora tenham características diferentes, têm em comum o visível entusiasmo e paixão de quem é responsável pela cozinha (Alice Pola na Cadeia Quinhentista e José Júlio Vintém no Tomba Lobos).

 

Num jantar no restaurante Cadeia Quinhentista, em Estremoz, éramos 5 pessoas e queríamos para partilhar vários pratos. Foi assim que nos chegou à mesa:

Palete de degustação

Bacalhau lascado e Cação com amêijoas

Entre o peixe e a carne, um sorvete de limão com poejos a que se seguiu:

Perdiz com castanhas e frutos vermelhos e Medalhões de porco

E, para além de uma Marquise de Chocolate e um Manjar Celeste, estes excelentes Figos Gratinados.

Se lá forem deixem um espaço para as sobremesas, porque são sempre muito originais e mesmo muito boas!

A simpatia e vontade de nos proporcionar uma boa experiência do dono do restaurante e responsável pela sala, João Simões, são também uma contribuição importante para a experiência global.

Apetece ficar preso naquela Cadeia Quinhentista!

 

No Tomba Lobos ficámos nas mãos do José Júlio Vintém, que foi mandando pequenas doses. E que boas que estavam! No final, prescindimos da sobremesa para provar mais dois pratos salgados.

Couvert (azeitonas, entremeada e pimentos assados)

Flores de curgete recheadas com frango e lúcia-lima

 Peixinhos da horta (crocantes, sem se sentir a gordura, perfeitos!)

Pétalas de toucinho de porco alentejano no forno (toucinho cortado muito fino, temperado com alho, cerveja e alecrim)

 Esparregado de Urtigas

Carpaccio de lombo de lebre

Lombo de veado frito em gordura de foie gras

 Lombo de coelho recheado com farinheira

Carne maturada 29 dias com trompetas da morte (delicioso!)

E água de Portalegre (para além do vinho).

Estas férias foi bom voltar a estes dois restaurantes onde já tinha tido muito boas refeições, foi bom ver o bom trabalho que fazem, e só espero que tenham condições para o continuar a fazer, e para evoluírem ainda mais. A cozinha em Portugal não pode prescindir de restaurantes com a qualidade destes.

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:07


6 comentários

Sem imagem de perfil

De André Miguel a 02.09.2012 às 14:03

Uí o Tomba Lobos... volto sempre que posso, sinto-me em casa, José Júlio é único. A combinação da cozinha de autor com a tradição alentejana é fantástica. Nunca desilude. O meu preferido, sem dúvida.
A Cadeia também me agrada, se bem que o registo é diferente.
Mas nos últimos tempos fiquei rendido à Herdade da Malhadinha Nova, em Beja, onde Koerper está a fazer um trabalho soberbo com a cozinha alentejana. Vai longe.
Mas no Alentejo continuo a ver a Bolota (em Elvas) como o verdadeiro templo da gastronomia da região.
Sem imagem de perfil

De António Moura a 03.09.2012 às 10:48

Paulina... sempre atenta !

Destaco do seu post, o comentário que vários restaurantes poderiam tomar nota, citando:

"Tenho, contudo, que reconhecer que nalguns dos restaurantes tradicionais seria importante actualizar a forma de confeção dos pratos, adaptando-a a uma época em que dispomos de bons sistemas de frio, equipamento de cozinha que permite a utilização de menos gordura e uma série de outros aspetos que tornam possível adaptar técnicas de modo a obter pratos mais leves, menos gordos e com pontos de cozedura que resultem em texturas mais agradáveis".

Sem imagem de perfil

De Luísa Neto a 03.09.2012 às 14:06

Olá, Paulina.

Como "filha" (melhor, "neta"!) da terra, fiquei muito contente com a referência ao Tomba Lobos, onde se come sempre bem. Já agora, para próxima visita à cidade do Régio, fica também a sugestão da visita ao Solar do Forcado. Garanto que vale a pena.

Também gosto da Cadeia Quinhentista, mas ainda assim, em Estremoz, acho que continua a ganhar o São Rosas.

Um abraço,

LN
Sem imagem de perfil

De JP a 03.09.2012 às 17:10

A Cadeia das vezes que experimentei, impressionou-me sempre pela positiva, pelo local, serviço, e pratos apresentados.
Relativamente ao Tomba Lobos, das duas vezes que lá fui, foi sempre uma desilusão. Vou descrever um pouco a experiência mais recente. A toalha da mesa de algodão estava rota com as bordas a desfazer-se. Para meu azar fiquei numa mesa junto a porta da sala, que ao ser aberta arrastava pelo chão fazendo barulho e ficando mal fechada a maioria das vezes. As entradas achei normais e as afamadas hóstias de toucinho estavam desenxabidas i.e. não sabiam a nada. Os pratos principais estavam confeccionados normalmente sem qualquer pormenor ou diferentes dos que se comem nos restaurantes da região. A sobremesa já esqueci...
Pode ser que tenha tido azar, mas não volto a tentar.
Imagem de perfil

De batidasfotograficas a 10.09.2012 às 11:27

Não á razões para sair daqui, com o dinheiro das viagens, podemos comer o que é nosso e transportar lá para fora estas magnificas mensagens.
Cumprimentos
Sem imagem de perfil

De miguel a 22.09.2012 às 23:21

Em relação ao Tomba Lobos, não tive a sua sorte ,Paulina. Uma desilusão, com umas sardinhas a chamarem pela ASAE!

Comentar post



PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

PUB


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Setembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30

Comentários recentes

  • Paulina Mata

    Tenho pena mas não vou poder ir. O ano passado val...

  • Duarte Calvão

    Julgo que sim. No final do post há um link que rem...

  • João Almeida

    Duarte,E quem pode participar? Porque é que é só p...

  • João Gonçalves

    Muito interessante. Reconheço que me sinto ignoran...

  • Anónimo

    Só para esclarecer que este comentário é meu. Artu...