Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Não me lembro de ter saído uma única vez de um restaurante de Miguel Castro e Silva sem aquela sensação de alegria que uma boa refeição proporciona. E já vou a restaurantes dele, no Porto e em Lisboa, há um bom par de anos. No sábado passado, quando fui convidado para me juntar a um grupo de umas 30 pessoas que ia almoçar ao seu novo De Castro Sushi Alentejano, no lisboeta Bairro Azul (Rua Ramalho Ortigão, 9, tel. 21 3869751), pensei que ia ser desta, quer pelo número exagerado de comensais quer pelo "conceito" do restaurante que, admito, tenho alguma dificuldade em compreender. Mas a verdade é que gostei muito. De sushi alentejano provei pouco, só uns simpáticos uramakis (com o arroz "invertido") recheados com ingredientes inusitados como bacalhau à Braz, alheira, cavala fumada, pezinhos de coentrada e outros, que serviram logo no início. Mas depois vieram os óptimos petiscos que o chefe apresenta também no De Castro Elias (que se mantém aberto e inalterado) como as famosas iscas de bacalhau e a morcela da Beira Alta. Provei ainda a mini-francesinha, a única versão que aprecio deste horrível prato, ao que parece mal importado de França nos anos 50, que incompreensivelmente uma terra como o Porto, que se devia orgulhar das suas riquíssimas tradições gastronómicas, decidiu adoptar como símbolo...A de Miguel Castro e Silva leva pelo menos boas carnes e um molho, que se verte por cima em vez de inundar o prato, bastante mais leve e agradável.  

Mas o melhor estava para vir, já que a casa associou-se ao produtor alentejano Solar da Giesteira que, em Montemor-o-Novo, apresenta, entre azeites, compotas e biscoitos caseiros, vinhos, borrego e porco preto, também carne de vitela que, depois do desmame, se alimenta só de produtos vegetais como a bolota, pasto e feno. Miguel Castro e Silva pediu-lhes lombelo, um corte raro de aparecer nos talhos portugueses e que quando aparece é servido com o nome francês de "onglet". Pelo que percebi, esta carne fica algures junto ao diafragama do bovino e neste De Castro veio num belo estufado com cenouras. Depois, um delicioso fígado de cebolada e por fiim costela mendinha assada. Um óptimo almoço num restaurante que terá agora à frente da cozinha Gonçalo Ribeiro, genro de Miguel Castro e Silva. Só falta dizer que quem quiser provar os produtos do Solar da Giesteira pode encomendá-los através do site www.solardagiesteira.com ou do tel. 266 891 697. Fazem entregas a domicílio.

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:47


7 comentários

Imagem de perfil

De Artur Hermenegildo a 25.02.2013 às 18:30

Essa "coisa" do sushi alentejano ao que sei começou nesse espaço há uns anos quando o mesmo se chamava Gustus.

Depois uma das pessoas que estava no projecto saiu e abriu o "1ª Sinfonia", ali na R. de S. Sebastião. Fui lá várias vezes mas sempre ao almoço, onde não há sushi.
Sem imagem de perfil

De PedroCG a 26.02.2013 às 21:56

Foi ao contrário. O conceito foi "inventado" pelo chef Eduardo Guerreiro do 1ª Sinfonia a quem depois se associaram investidores para fazer o Gustus. As coisas não correram muito bem, o conceito ficou registado para os novos sócios e o inventor voltou para o seu cantinho na Rua São Sebastião da Pedreira onde prossegue com as experiências de Mê Sushi,
Imagem de perfil

De Artur Hermenegildo a 27.02.2013 às 17:11

Obrigado Pedro.

Pelo que me disseram ontem lá no restaurante, este continua a ter a equipa do Gustus na parte do sushi alentejano.

O Miguel Castro e Silva nesta parte ao que parece não interfere, o que trouxe foi os seus pratos do De Castro Elias.

Em relação ao tal sushi, gostei, é uma experiências engraçada e original. Tenho de voltar ao 1ª Sinfonia para comparar.
Sem imagem de perfil

De Paulo Beli a 26.02.2013 às 10:23

Eu adoro francesinhas, esse horrível prato. Serei digno de visitar este blogue?
Imagem de perfil

De Duarte Calvão a 26.02.2013 às 10:34

Visitar pode. Não me traga é francesinhas...
Sem imagem de perfil

De Joao Pedro Araujo a 02.03.2013 às 06:27

Na verdade, a francesinha não é o símbolo da gastronomia do Porto.
Tripas à moda do Porto, sim. No entanto, num determinado momento e com boa qualidade nem uma lagosta serve para a substituir.
Sem imagem de perfil

De Ohomem que criou o sushi de torresmos a 26.03.2013 às 21:15

inventou - Diário do Alentejo - On-Line





da.ambaal.pt/noticias/?id=1036 Para que tire as duvidas do homem que criou o verdadeiro sushi alentejano...obrigado e um grande bem haja
Eddys

Comentar post



Pub


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

PUB


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mesa Marcada - Os 12 Pratos do Trimestre


Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Fevereiro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728

Comentários recentes

  • Joao Fernandes

    Eu trabalho com mangalitza na Hungria, neste caso ...

  • João Faria

    Há uns tempos deparei-me com uma imagem do marmore...

  • Bruno

    Interessante - moro em Londres e não conhecia o Ta...

  • Duartecalf

    Mais uma boa notícia. É sinal de que a nossa gastr...

  • André

    Já para não falar no efeito pernicioso que esta "g...