Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Acordar às 8 da manhã depois de um jantar prolongado na véspera (o dos chefs de Portugal) e de um programa de 4 dias intensos, não parecia animador. Contudo, a ideia de ir apanhar percebes como os que nos deliciámos no dia anterior, ou, pelo menos, de assistir à apanha, superava a vontade de quebrar o despertador, virar para o outro lado e tentar recuperar as largas horas roubadas à cama. Já prontos para sair em direcção a Aljezur, no Algarve mais selvagem da costa vicentina, percebemos que as condições do tempo não iriam permitir a actividade. No entanto faziam questão que conhecêssemos o local e ficássemos a saber um pouco mais sobre os percebes e a actividade. E assim fomos rumo a Aljezur para nos encontrarmos com João Mariano, fotógrafo, autor do incrível livro “Guerreiros do Mar”, onde acompanha e retrata a luta contra ondas e marés dos apanhadores de tão apreciado crustáceo, como José Vitorino, que nos esperava, também. Ambos nos explicaram os locais e o percurso que habitualmente fazem. Munidos com uma arrualha (pau comprido com uma extremidade pontiaguda) ou uma navalha, aguarda-se pela maré baixa para num desafio constante, em equilíbrio nas rochas e em parte dentro de água, alcançar locais como o rochedo da Ponta da Atalaia que observamos, não muito longe, do cimo da Falésia. O vento sopra forte. Em baixo o mar bate com alguma violência e a espuma branca acompanha o vai e vem das ondas, num replicar constante, concedendo ao cenário uma rara beleza – mesmo para o grupo brasileiro, habituado a paisagens deslumbrantes no seu país.
Curiosamente não comemos nem um percebe. Contudo, na sede da Associação de Pescadores do Portinho da Arrifana,somos recebidos, não só com pão (o óptimo, do Rogil) e vinho sobre a mesa, mas também com um conjunto de produtos de excelência produzidos nesta região do Algarve. Da emblemática batata doce – e produtos confeccionados com ela - aos enchidos, das compotas aos biscoitos, passando por petiscos como moreia frita, guisado de polvo com batata doce, ou salada de búzios. Era para ser um ‘snack’ a meio da manhã mas funcionou como almoço. Ou melhor, como um primeiro repasto, porque ainda havia um almoço de carnes da matança (do porco), na Herdade da Malhadinha Nova, próximo de Beja. 

Texto publicado originalmente no site Portugal dos Sabores (12 Março); fotos: Vasco Célio

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:23


1 comentário

Sem imagem de perfil

De nesta a 19.03.2013 às 15:37

Boa tarde a todos.
As minhas felicitações ao Miguel Pires por estes ultimos posts colocados aqui no MM.
Um blog cada vez mais distanciado dos demais e já é obrigatório lê-lo diariamente!
Parabéns a toda a Equipa por partilhar matéria tão rica no meio da Enogastronomia.

Marco Alexandre

Comentar post



Pub


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

PUB


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mesa Marcada - Os 12 Pratos do Trimestre


Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Março 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Comentários recentes

  • Alexandre Silva

    O que está a dar, é o que não está a dar! Fico esp...

  • Jorge Guitian

    Uno más para la agenda de la próxima visita a Lisb...

  • Joao Fernandes

    Eu trabalho com mangalitza na Hungria, neste caso ...

  • João Faria

    Há uns tempos deparei-me com uma imagem do marmore...

  • Bruno

    Interessante - moro em Londres e não conhecia o Ta...