Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Restaurante Góshò

por Miguel Pires, em 14.08.13
A Oriente na Invicta
“Tens de ir ao Góshò. É o melhor japonês do Porto”, disseram-me varias vezes. Estando na cidade, no ultimo dia antes de regressar a Lisboa, achei que um almoço japonês vinha a calhar, depois de dois dias de comidas fortes e bem regadas no âmbito da Essência do Vinho.
Principio de tarde soalheiro, no Porto, o que faz toda a diferença para quem tem alguma dificuldade em lidar com o granito, o frio e a chuva de Inverno na cidade invicta. A Avenida da Boavista encontra-se em ritmo de cruzeiro, lembrando mais a calmaria de domingo, do que um sábado de comércio aberto. Dirigo-me ao Hotel Porto Palácio. A porta do Góshò fica ao lado, logo à entrada, no mesmo módulo da cervejaria Porto Beer. Ou seja: não é necessário entrar no hotel (nota adicional para quem não frequenta restaurantes de hotel por uma qualquer fobia inexplicável).  
Entra-se, desce-se as escadas e lá se vai o Porto soalheiro. Contudo não se pense num ambiente soturno de cave porque o espaço foi bem concebido e decorado ao estilo contemporâneo oriental (despojado e sofisticado qb), com uma boa iluminação a contribuir para criar uma sensação de bem estar. Uma área lounge antecede a sala ampla com dois longos bares, o de sushi e o de bebidas, acolhendo ainda uma zona (tatami) para jantares privados.
A carta de comidas alberga oito dezenas de propostas entre o clássico e o contemporâneo, com espaço para algumas de fusão, ou mesmo um ou outro prato de outras proveniências (ceviche, kimchi coreano, etc). A ementa foi definida por Paulo Morais e é bem visível a sua marca, dado que vários pratos correspondem ao que o chef vem fazendo em Lisboa. De entrada, há sopas, massas e saladas e, nos principais, tempuras, sushi, sashimi, teppan yaki (grelhados na chapa), sukiyaki, shabu-shabu (de fondues japoneses) e alguns pratos cozinhados, como o bacalhau negro assado com miso ou o caril japonês de robalo, por exemplo. Registe-se ainda duas mãos cheias de sobremesas, a particularidade de haver uma francesinha nipónica e mais pratos de carne do que costuma ser habitual num restaurante japonês. Com uma oferta tão variada só há duas formas de poder ficar com uma impressão bem fundamentada sobre o restaurante. Ou convoca-se os amigos (e é preciso ter muitos), ou tem que se ir muitas vezes. A descrição que deixo de seguida, corresponde a uma impressão geral a partir de uma escolha à carta entre pratos mais invulgares e outros mais comuns (e mais requisitados), como é o caso do sushi to sashimi.

O almoço começou com uma lulinha com legumes, como oferta do chefe – uma forma agradável (e picante) de deixar as papilas gustativas a pedir por mais. Depois veio o ‘shot’ de ostra, sake e lima. O vinho de arroz domesticou a intensidade da ostra mas não lhe retirou o gosto, até porque o molusco tem personalidade e um final prolongado. Bom toque da lima a dar uma nota citrina ao conjunto. Apetecia pedir meia dúzia mas, entretanto, chegou a sopa de miso com amêijoa aberta em sake, gengibre e coentros. O caldo de miso (pasta de soja fermentada) era muito aromático, ainda que a presença do sake fosse demasiado subtil. Tal como a lima na proposta anterior, neste caso foi o gengibre que espevitou o conjunto.

O sushi to sashimi desiludiu um pouco. É menos farto do que aparentava ser ao ler a descrição na ementa (12 fatias de peixe, 3 nigiris, 2 hosomaki e 2 uramaki - 18 euros). Mas mais do que quantidade esperava uma maior variedade de peixes, em vez do predomínio do salmão em quase todas as peças. Ainda assim a  frescura do peixe e a execução correcta, quer no corte do peixe, quer no arroz, atenuaram o desalento.
Sendo um adepto incondicional de ramen - um tipo de massa chinesa de que os japoneses fizeram um desporto nacional - não resisti em convocar a sua presença para finalizar a secção dos salgados em beleza. Estava de estalo. Caldo apurado (sem ser gorduroso), massa no ponto e uns saborosos e macios pedaços de kakuni - barriga de porco que na sua receita base é marinada em dashi, molho de soja, açúcar, sake e mirim, antes de ser cozinhada a baixa temperatura por várias horas. Esse tratamento faz com que os sabores se concentrem e a textura da carne fique macia.
No campo das sobremesas  houve algum vacilar na escolha. Estava com a ideia de experimentar o ‘ménage a trois de chocolate’ (mousse de chocolate negro, financier de chocolate de leite, e gelado de chocolate branco com wasabi) mas no último instante decidi por outra que me pareceu menos pecaminosa, o “Porto Coffee Zen”, uma agradável mousse de café e Porto, com biscoito esfarelado e sorbet de chocolate amargo - sabores suaves e um agradável contraste de temperaturas, com o toque ligeiramente amargo do sorbet a quebrar um pouco o doce. Esta é uma sobremesa em que a aproximação ao Japão faz-se mais pelas notas suaves de doce do que pela técnica, tradição ou ingredientes.

 No capitulo dos vinhos, a carta não é muito extensa mas pareceu bem adequada ao restaurante, com meia dúzia de propostas a copo e cerca de 80 referencias em garrafa, agrupadas por características e não pela divisão habitual por regiões. Apesar da proximidade do Douro, com a excepção de alguns tintos de topo da região, a carta não é bairrista. Pelo contrário, mostra inclusive um perfil cosmopolita ao albergar uma dezena e meia de vinhos estrangeiros, já contando com champanhes. Neste campo (dos espumantes) há que acrescentar ainda 7 rótulos nacionais, o que permite ter uma opção de escolha mais do que razoável, num tipo de vinhos que é, talvez, o mais adequado e versátil para este tipo de comida, como pude comprovar ao acompanhar a refeição com o espumante da casa, elaborado por Celso Pereira, das Caves Transmontanas, a empresa que produz o Vértice.
 
Uma última referência para o serviço que não esteve à altura. Não que o atendimento tenha sido rude. O empregado que atendeu até era simpático, mas não conseguia disfarçar a inexperiência, uma falha que atribuo mais ao responsável de sala (ou à gerência), que deveria acompanhar mais de perto o seu trabalho.
 
O Góshò é de facto uma boa opção na cidade para os amantes da cozinha japonesa. Oferece variedade, boa execução e criatividade qb a quem quer ir mais além na experiência. No entanto tem de rever alguns detalhes, nomeadamente na questão do serviço, para que seja um bom restaurante no Porto ou em qualquer outro lugar.
 
Cozinha: 17 ; Sala: 15; vinhos: 17
 
 
Preço médio: 35€ ao jantar e 16€ (menu) ao almoço. Por esta refeição pagou-se 60€ por pessoa
 
 
Contactos: Av. da Boavista 1277  4100-130 Porto; Tel: 226 086 708; Horários:2F a Sab:12:30h/15:00h e 19.30/23.00h (24.30h Sex e Sab). Encera ao Domingos

Texto publicado originalmente na revista Wine - A Essência do Vinho, nº 79, de Abril/Maio 2013

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:05


11 comentários

Sem imagem de perfil

De João a 14.08.2013 às 13:24

Deve estar a fazer um ano que publiquei sobre o GóshÒ e pelos vistos o defeito continua o mesmo..

Abraço
Sem imagem de perfil

De João Rosa dos Santos a 14.08.2013 às 13:39

De facto nunca pus os pés no gosho sendo um restaurante como alguns dizem de eleição no Porto , mas eis que surge o ICHIBAN sendo para mim o melhor Japones e autentico na cidade , mesmo nunca ter ido ao Gosho apreende se pelas fotos e pelos ingredientes utilizados ( coentros , os Japoneses na maioria odeiam ) estar a anos luz duma cozinha feita com autencidade e tradição como e feita no ichiban , os caminhos da fusão levam normalmente á confusão , estragando algo que por si so no seu explendor da simplicidade ( imagem de marca da cozinha Japonesa) resulta mil vezes melhor.
Na foto da ramen da para reparar que a massa aparenta ser de pacote seca pelo seu aspecto encaracolado , massa essa alem de ser de fraca qualidade apresenta alguns riscos cancerigenos , algas wakame e cenoura também não me parece serem topings usuais numa Ramen será fusão ou confusão?
Na foto do sushi como não podia desiludir fruta salmão e dourada de viveiro 18€?
Japão ? acho que não.
Aproveite a estadia e passe no Ichiban e prove o shabu shabu de porco iberico.
Imagem de perfil

De Artur Hermenegildo a 14.08.2013 às 15:47

Criticar um restaurante onde nunca se foi com base em fotografias é, no mínimo, original.

Pode ser que a moda pegue. Vou já tentar fazer uma crítica nesse formato ao Celler de Can Roca e ao Ñoma, onde nunca fui, mas dos quais há bastante documentação fotográfica :)
Sem imagem de perfil

De João Rosa dos Santos a 14.08.2013 às 17:33

Normalmente pelo menos para mim gastar dinheiro ( 60€ )e ser mal servido com produtos de baixa gama não é o meu desporto favorito .
Mas infelizmente é o que se vê mais por ai hoje em dia aposta se na venda do gato e menos na lebre , felizmente sei ver os produtos utilizados pela foto no caso do prato de sushi e sashimi apenas 1 peça de atum ( peixe mais caro ) de resto temos carapau , dourada viv. salmão viv. makis de peixe e fruta isso sim chamo de original .
O que também é muito original sobretudo para Japoneses é servirem Ramen no mesmo espaço onde servem champagne .
Desculpe me mas perder o meu tempo e dinheiro esta fora dos planos , acontece infelizmente mas tento evitar , é também por isso que estes blogs existem e as fotos também.
Abraço
Imagem de perfil

De Miguel Pires a 14.08.2013 às 17:45

Caro João Rosa dos Santos

Tal como o Artur Hermenegildo também eu estou surpreendido com a sua opinião tão assertiva baseada simplesmente na observação das fotografias deste post . Ainda para mais sobre um restaurante onde nunca pôs os pés

. Não venho aqui questionar o seu conhecimento na matéria, contudo gostaria de fazer algumas observações:

1º Escrever o nome de um restaurante em letras minúsculas e outro em letras maiúsculas, para exaltar os predicados do último e diminuir o primeiro, onde nunca esteve, parece-me lamentável.
2ºFala em "autenticidade e tradição" do Ichiban . Acho óptimo, a sério. No entanto eu nunca falei que o Góshò se vendia por aí.

3º Normalmente fala-se em "fusão" quando se mistura elementos de um tipo de cozinha com outros de outro tipo, geralmente Oriente com Ocidente. Não é isso de todo que caracteriza a grande parte dos pratos mais criativos do Góshò

4º Concluir, com base na observação, que a dourada que foi servida era de viveiro e que a massa "aparenta ser de pacote seca pelo seu aspecto encaracolado", parece de mestre mas, na verdade, é pouco sensato, mais do que não seja porque não tem como o provar. Parece-me ainda mais grave acrescentar que a referida massa "além de ser de fraca qualidade apresenta alguns riscos cancerígenos ", como se as massas de pacote fossem todas iguais e como se todas fossem de fraca qualidade.

5º O facto da alga wakame e da cenoura poderem não fazer parte dos toppings ' do Ramen não quer dizer, pelas razões que afirmei acima, que passe a ser um prato de fusão ou de confusão. Também preferiria que viesse com a tradicional nori , pela textura mais agradável, mas não me chocou que fosse substituída por outro tipo. O ramen , originalmente da China, é (como afirmo no texto), quase uma obsessão no Japão, tanto que existem centenas (milhares?) de variações de norte a sul do país, incluindo o "Tóquio Abura Soba", que leva maionese . Por isso falar de autenticidade é sempre um assunto sensível.

Não conheço o Ichiban e, de facto tenho tido boas referências sobre o mesmo, pelo que vou seguir o seu conselho e lá irei numa próxima viagem ao Porto. O que nunca irei fazer é tirar conclusões, de forma tão peremptória, baseado apenas em fotos
Sem imagem de perfil

De João Rosa dos Santos a 14.08.2013 às 18:58

Caro Miguel Pires qualquer restaurante que na porta se intitule a escrito como restaurante Japones logo ai ja acarta grande responsabilidade de autenticidade e para mim a deve cumprir.
Imagem de perfil

De Miguel Pires a 14.08.2013 às 20:02

Curioso que essa sua intransigência e purismo com a autenticidade japonesa não o impeça de me recomendar o shabu shabu de porco ibérico do Ichiban
Sem imagem de perfil

De Luís D'almeida a 19.08.2013 às 15:12

Boa tarde!
Sem querer de forma alguma ferir susceptibilidades, soltei um leve riso com a opinião do João. Li atentamente, achei bem formada e defendida e corroboro. Mas não posso deixar de sorrir e deixar uma pequena nota, em tom informativo, lisonjeiro cordial e de simpatia, sobre a última frase do seu comentário. "Aproveite a estadia e passe no Ichiban e prove o shabu shabu de porco ibérico." A titulo informativo o shabu shabu é um prato de fusão do pós guerra e pelo que vemos, sempre em evolução, agora na variante porco ibérico. Abraço.
Imagem de perfil

De Artur Hermenegildo a 14.08.2013 às 15:45

Fui lá há uns três anos, creio, e gostei muito. Muito mesmo.

Não sei se o Paulo Morais ainda tem alguma responsabilidade sobre o restaurante.

Estive há anos ainda no QB num "duelo especial" entre o Paulo e o chef do Góshó e foi uma óptima exsperiência, quer do ponto de vista gastronómico quer didáctico.

A aposta é mais fusão do que japonês tradicional, creio.
Sem imagem de perfil

De Ken a 29.08.2013 às 22:03

Boa noite, e bom Ramen em Lisboa? Alguém conhece?
Imagem de perfil

De Miguel Pires a 30.08.2013 às 17:48

Falaram-me que no Assuka, em São Sebastião da Pedreira (a 5 min do Corte Inglês) há um bom ramen. Fui lá hoje para o experimentar mas estavam fechados. Férias, presumo.

Também já com no Bonsai, próximo do Príncipe Real, mas não sei se têm regularmente na carta.

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Agosto 2013

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Comentários recentes

  • Duarte Calvão

    Acho, João Faria, que coloca a questão nos termos ...

  • João Faria

    É verdade que, infelizmente, a mudança ocorrida na...

  • Anónimo

    isso mostra exatamente como você e quem escreve es...

  • Anónimo

    Nos Açores sempre se comeram algas. As famosas "To...

  • Duarte Calvão

    Acho que não leu o artigo do El País com atenção. ...