Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Anteontem, dia frio e de jogo do Benfica na televisão, fui jantar ao Flores do Bairro, no Bairro Alto Hotel, um hotel sempre muito apreciado, com um bar no terraço sempre muito concorrido, mas, até há pouco tempo, com o restaurante quase sempre entre o meio gás e o vazio. Sabia que tinha mudado o conceito. Contudo, já o tinham feito antes sem grandes resultados. Porém, neste dia adverso agradou-me ver, ao entrar, que não iria jantar numa sala vazia. Passava das 20h, o lugar estava bem composto, entre portugueses e estrangeiros e, pelo que me pareceu, entre clientes de fora e outros do hotel (ao contrário de outros estabelecimentos do género, a localização estratégica do hotel sempre prejudicou mais o restaurante do que o beneficiou, dada a forte concorrência na zona).  

Vista do exterior a sala única do Flores do Bairro sempre me pareceu um pouco fria, o que depois, estando lá dentro, até não se verificava. Todavia ao mudarem para um conceito mais petisqueiro fizeram também algumas alterações no ambiente. A iluminação pareceu-me melhorada e um novo decor e mobiliário tornaram o espaço mais informal e acolhedor, sem o descaracterizar do santo bom gosto que transpira por todo o hotel. 

Em termos de comidas, o forte da carta são as entradas, com que se pode fazer toda a refeição, como nos foi sugerido. Em termos de origens segue uma tendência actual de misturar petiscos de cozinha portuguesa com outros internacionais, o que não tenho nada a opor desde que bem feitos. E foi isso que em geral aconteceu. Os croquetes de pato vieram muito bem fritos e ricos, com carne desfiada e não moída. No ceviche de corvina sentia-se o peixe no meio da mistura forte de sabores do sumo de lima com a cebola e os coentros - pareceu-me faltar a característica malagueta amarela, o aji, mas em contrapartida tinha coco, que não fazendo parte, liga bem. Bom, o tataki de salmão (bem cru no meio) em cima de uns saborosos noodles de trigo sarraceno (soba) frios. Apetitosa, também, a açorda com lascas de bacalhau e ovo escalfado (embora o bacalhau ganhasse se estivesse um pouco mais cozinhado). Embora saciados, e apesar de haver ainda uma série de petiscos que prometiam, quis experimentar um dos pratos (a oferta entre peixe, carne e massas anda pela dúzia de propostas, mais coisa, menos coisa). Em boa hora o fizemos porque a "cevadada" com bochecha e costelinha de porco estava de bradar aos céus. Gosto bastante dos cozinhados com cevada (a fazer a vez do arroz, ou do trigo, por exemplo). Vai muito num cozinhado como este, com mirepoix de legumes, um molho forte de carne e, pareceu-me, um toque de farinheira algures por ali. Ajudou a carne tenra e ligeiramente caramelizada tanto da costela, como da bochecha. Como sobremesa provei ainda o jubileu de chocolate, uma mousse com duas camadas de chocolates diferentes e pequenos biscoitos crocantes, uma gulodice final que cumpriu o seu papel. 

 

Em jeito de conclusão diria que nunca comi mal no Flores, mas, também, nunca tinha tido uma refeição especialmente marcante (falam-me que houve uns jantares especiais muito bons, nos primórdios do hotel, ainda com o Henrique Sá Pessoa). Ontem gostei de lá estar, da comida, do serviço - que sempre foi uma imagem de marca do hotel - e dos preços muito sensatos. A conta, com os pratos descritos, uma água grande, um café, um copo de Soalheiro bruto e outro, de Dona Maria tinto, foi de 73€, para duas pessoas. Parabéns ao Chef Vasco Lello e à equipa do Bairro Alto Hotel, pois parecem ter acertado finalmente na fórmula. Vou voltar e recomendar, assim mantenham o nível. 

 

p.s. espero, contudo, que quando hotel for ampliado haja condições para terem outro restaurante com outras ambições, como acontece em vários hotéis do género pela Europa. 

 

Contactos: 

Bairro Alto Hotel Lisboa - Praça Luís de Camões, N.º2 ; Bairro Alto - Lisboa ; Telefone: (+351) 213 408 288

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:04


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Cozinhar Sem Lactose a 29.11.2013 às 14:49

Estive no restaurante uma vez e gostei, embora não tenha sido uma experiência excecional. Fico contente que o nível tenha subido e parece-me que a nova decoração torna o espaço mais atraente. Vou voltar a tentar!
Sem imagem de perfil

De António Moura a 30.11.2013 às 12:30

Sempre comi muito bem neste restaurante.
Pelo que comi, pelo que bebi, pela simpatia, pelo preço.
Sem imagem de perfil

De José Tomaz de Mello Breyner a 02.12.2013 às 13:50

Também foi um restaurante onde sempre comi bem e sempre com um belissimo serviço. Gostei deste novo conceito. Parabéns ao Vasco Lello e ao Jorge Cosme o excelente Director deste Hotel

Comentar post



PUB



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Comentários recentes

  • João Faria

    Interessante análise e reflexão. Fiquei curioso em...

  • Adriano

    Miguel não me leves a mal este bocadinho de mau ol...

  • silva

    acho preço bastante caro, a não ser que as garra...

  • Artur Hermenegildo

    Ao que diz o Bloomberg, o Gaggan, nº7, irá fechar ...

  • Duarte Calvão

    É curioso, não tinha noção de que o êxito do Henri...