Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




"Tratado do Petisco", um pitéu de se ler

por Miguel Pires, em 18.12.13
Não é um livro de história da alimentação ou da cozinha portuguesa, mas também é. Não é um livro de receitas, mas também tem. Não é um tratado, mas trata-nos do intelecto e da gula. Refiro-me ao livro “Tratado do Petisco”  de Virgílio Nogueiro Gomes, cronista de gastronomia profícuo, cujos seus escritos nos habituámos a ler no site que leva o seu nome e, também, no seu livro anterior, “Transmontanices – Causas de Comer. 

 

Esta sua última publicação reúne um conjunto de crónicas (mesmo que nem todas o sejam) organizadas como um menu de um restaurante que, metaforicamente, podemos chamar “Portugal”. Neste país de Virgílio Gomes, entram  ingredientes, pratos, receitas e os intervenientes da nossa cozinha, dos antigos aos contemporâneos.

 

No seu estilo habitual, entre o historiador e o contador de histórias, nota-se a paixão do autor, no livro, pela investigação à volta das gastronomia e, ainda mal lemos a sua primeira crónica, “Petiscos e Entradas” (pag19), damos por nós já no seu carrossel, que percorre o país, por vielas e ladeiras de referências, das entranhas da sua (afamada) biblioteca.

 

Este livro não é inócuo. Virgílio Gomes tem opiniões e defende as suas posições. Fá-lo com autoridade e sem falsas modéstias. Mas também tem o discernimento de evitar o “eu”, “eu”, “eu”, ou o exibicionismo do conhecimento. Por exemplo, em “Os Mariscos (pag 91), o autor escreve: “Os mariscos abrem o apetite e, erradamente, levam a que se pense em preços elevados ou em refeições elitistas. O marisco, tal como o peixe, é cozinhado o menos possível. Mesmo assim, não deixa de haver um público entusiasta que gosta do marisco muito cozinhado, coberto de molhos e, depois, até gratinado. Eu não entendo onde fica o subtil gosto do marisco”.

 

Concluindo, “Tratado do Petisco” é um livro essencial para quem quiser saber mais sobre o nosso património gastronómico, por entre tremoços e pastéis de bacalhau, sopas e caldos, açordas e migas, alheiras, castanhas e doçaria conventual, entre outros acepipes. Ah! e com direito ao modus faciendi para os freaks das receitas.

 

P.S. só pela curta (mas belíssima) introdução de Maria de Lourdes Modesto, já vale a compra do livro.

 

“Tratado do Petisco”, de Virgílio Nogueiro Gomes. Editora Marcador,  18.50€

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:08


1 comentário

Imagem de perfil

De Artur Hermenegildo a 20.12.2013 às 11:36

Também "mora" um exemplar lá em casa já há bastante tempo.

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Dezembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Comentários recentes