Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Bye bye Cheesecake, ¡Hola Tarta de Queso!

por Miguel Pires, em 08.10.14

photo.JPG

Passei os últimos três dias em San Sebastian no SSGastronomika 2014, um dos principais congressos mundiais ligados à gastronomia. Entre as várias actividades paralelas ao evento houve um incrível jantar no Azurmendi, o 3 estrelas Michelin de Eneko Atxa, que convidou para essa noite Jordi Roca e Ángel León. Sobre o congresso e este jantar, escreverei depois. O que aqui me traz agora é a tarta de queso do La Viña.

  

Cheguei à cidade na segunda-feira. Era hora de almoço e, embora conheça razoavelmente bem a cena gastronómica da Parte Vieja, pedi à minha amiga e colega Marta Fernandez do Gastroeconomy, que me indicasse alguns bares de pintxos para picar, dado que ela anda sempre em cima do acontecimento. A resposta veio de pronto:

"Ganvara para pintxos e cogumelos; Néstor para carne, tomate e tortilla; A Fuego Negro para pintxos modernos; Txepetxa para anchovas; e Lá Viña para "tarta de queso"

 

 

photo.JPG

Alguns nomes batiam com os que conhecia, mas a experiência, depois de deambular entre eles, pode variar muito, caso se esteja sozinho ou em grupo, dado que a componente social é fundamental nestes ambientes. Resumindo: O Ganvara (Calle San Gerónimo, 19) voltou a ser uma desilusão (bons cogumelos, mas pintxos sofríveis, com um abuso na utilização de gorduras, sejam azeite, maionese ou bases de bechamel - um defeito que, infelizmente, se estende a muitas casas da zona); o pintxo de anchova com sapateira ou com ouriço do mar, do Txepetxa (Calle Pescaderia, 5) é imperdível e os contemporâneos do A Fuego Negro (Calle 31 de Agosto, 31) continuam criativos e saborosos. O Néstor (Calle Pescaderia, 11) foi frustrante porque não cheguei a tempo da famosa tortilha e o costeletão tem de ser para várias pessoas (pelo que ficou para o dia seguinte). Ah é verdade, este post é sobre tarta de queso. Então vamos a isso.

 

Meio perdido, e não totalmente satisfeito, perguntei pelo La Viña, para cumprir a última etapa recomendada por Marta, na Parte Vieja. Viciado em açúcar (duas vezes ao dia), mesmo que me calhasse uma tarte de queijo idêntica à que se encontra no Corte Inglés de Lisboa, cumpriria razoavelmente o desígnio.

 

Quando encontrei o La Viña (Calle de Treinta y uno de Agosto, 3), próximo da igreja de San Vicente entrei sem grandes expectativas. Contudo, ao ver as tartas de queso, ao fundo, ainda nas formas, tive vontade de ajoelhar e rezar. Rezar para que de sabor fosse tão boa quanto aparentava.

photo 1.JPG

"Uma dose, ou meia?", perguntou o empregado. Isso não é pergunta que se faça a um crente. "Uma, claro!", respondi. Com um sorriso, amável e confiante, o empregado pegou no prato, encarou a beleza dourada da tarte (quase um pudim) e, lentamente, ou melhor, sadicamente, cortou duas fatias com um centímetro de espessura (mais coisa menos coisa). Nesse momento ouvi uma campainha e julguei-me cobaia de uma experiência de Pavlov, mas na verdade era apenas um toque estúpido de telemóvel. A custo, contive a saliva e puxei o prato, sem demoras. Rodei, admirei a peça e procurei o melhor ângulo para desferir o golpe. Meti a colher. Hum... textura sedosa. Mais do que a de um pudim lembrou-me a de um tofu fresco, como até hoje só vi em Tóquio (esqueçam qualquer outra referência esse produto). Elevei o utensílio e dirigi-o à boca. Pow!! Wtf?!!

Não há cá estranhezas iniciais ou sabores por camadas que se vão revelando. O prazer é básico, imediato, mas ainda assim, surpreendente. Senti-me como um estrangeiro após a primeira dentada num Pastel de Belém (ou num outro bom pastel de nata). A textura sedosa confirma-se no palato e a mesma elegância sente-se no equilíbrio entre o ligeiro sabor a queijo fresco e o caramelizado do exterior. Nada de enjoativo, nada de de açúcar a mais, nada de excesso de ovos. Perfeito!

photo 2.JPG

No dia seguinte contive-me e não passei pelo La Viña, mas ontem, não resisti: fui ao almoço e ao jantar, aqui já como guia de uma excursão que confirmou, perante o olhar de novo sorridente do meu novo dealer, que eu não estou louco: a especialidade do La Viña é mesmo de chorar. Cheesecake? que comam os americanos. É mais uma tarta de queso, por favor!

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:25


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Helena Pereira a 17.10.2014 às 10:03

Bom dia
Muito interessante este post, e em particular o destaque à tarte de queijo, sou fã deste tipo de doces.
Curiosamente, aqui fica o link para um blog espanhol que apresenta uma receita desta tarte...vale o que vale mas também tem bom aspecto!
http://www.tobegourmet.com/2014/10/tarta-de-queso-de-la-vina-receta.html
Bom fim de semana!
Imagem de perfil

De Miguel Pires a 18.10.2014 às 13:15

Olá Helena

Desde que cheguei de SS que me pergunto se conseguirei reproduzir algo semelhante, até porque voltei a comprar no Corte Inglés e foi de novo uma desilusão. Esta receita parece-me interessante, vamos ver como corre :) - obrigado.

Comentar post



PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Outubro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Comentários recentes

  • PR

    "Porém, e ao contrário do que muitas vezes se escr...

  • PR

    Tão grande foi o choque da perda da terceira estre...

  • Paulo

    Não se aborreça Miguel. As redes sociais são impla...

  • Paulo

    Não conhecendo os motivos do encerramento, se calh...

  • joana

    sardinhanalfabeto!