Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Chef_2_Couillon_00293R.jpg

Não há rodriguinhos, nem imagens turísticas tipo postal, em Chef’s Table. Nem condescendência com o espectador ou piscar de olhos à la Rodrigues dos Santos. O registo cinematográfico da série documental é um exemplo de como se pode contar uma história com beleza e tranquilidade, sem esconder as imperfeições dos lugares ou das figuras retratadas.

 

Num dos planos iniciais do episódio com Alexandre Couillon, da terceira série que agora estreia, a câmara filma-o de esguelha a abrir vieiras. O chef francês separa uma concha, cheira-a e repete o processo com as seguintes. Parece ligeiramente perturbado, porém, a sua expressão não é conclusiva. Só sentimos a tensão devido à sequência de planos rápidos com cortes repentinos. O mais comum seria reproduzir, de seguida, o cliché do chef com mau génio que atira tudo para o chão. Todavia, a montagem escolhe um caminho menos óbvio. Não instiga e se a situação acontece, não a vemos. Corta o plano e passa para o momento seguinte, em que Couillon aparece ao telefone a desancar no produtor, com frieza, mas sem perder o temperamento.

 Chef_2_Passard_00160R.jpg

O autor e realizador David Gelb durante as filmagens de Chef's Table 

 

Para se conseguir captar momentos como este, sem artificialidade, é necessário uma grande aproximação entre a equipa e o chef. Gelb explica o método. “No início eles dizem o básico e ao fim de três horas já começam a falar do que nos interessa. Contudo, só depois, com o à-vontade, surge a familiaridade necessária e é a partir desse momento que fazemos as perguntas mais intimistas.” Segundo o autor da série, uma equipa de oito pessoas passou em Noirmoutier “dez dias intensos”.

 

O norte-americano conta que Chef’s Table só foi possível fazer graças ao sucesso do seu primeiro filme, Jiro Dreams of Sushi, que se tornou um sucesso mundial. “Jiro foi feito com duas pessoas no local e demorou um ano. Foi uma loucura, fiz de tudo”, confessa. Agora, o Netflix providenciou-lhe um orçamento confortável que lhe deu a possibilidade de ter uma equipa top. Porém, alerta: “Cada dólar aplicado no programa aparece no filme.”

 

FullSizeRender.jpg

David Gelb com o Chef Alexandre Couillon durante a apresentação à imprensa em Noirmoutier (França)

 

A terceira série é dedicada exclusivamente a França, mas nas duas primeiras brilharam algumas das principais figuras da cozinha mundial, com emergentes à mistura: de Massimo Bottura (da Osteria Francescana, Modena, Itália — o melhor restaurante do mundo, segundo a W50Best), a Grant Achatz (Alinea, Chicago, EUA), passando por Magnus Nilsson (Fäviken, Järpen, Suécia), Alex Atala (D.O.M., São Paulo, Brasil) ou Ben Shewry (Attica, Melbourne, Austrália). “Escolhemos os chefs cujas histórias influenciam a comida ou vice-versa”, conta Gelb. A sua ideia é explorar a comida num registo pessoal e tentar interferir ao mínimo. “Adoro que sejam os chefs a contar a sua história. O meu papel é fazer de curador.” E, claro, além da personalidade e de uma boa história, tudo tem de resultar no ecrã, “as pessoas e os pratos”.

 

Fazer um selecção de chefs na pátria que criou as primeiras celebridades ligadas à cozinha foi certamente um exercício complexo. Contudo, com o pragmatismo natural de um norte-americano, Gelb explica que, no caso de Alexandre Couillon, pretendiam alguém desconhecido que pudesse ser interessante. “So here we are!”

 

Quanto aos outros eleitos desta terceira temporada, o autor de Chef’s Table justifica-se. Michel Troisgros (La Maison Troisgros, Roanne) representa “a tradição e o futuro” e Adeline Grattard (Yam’Tcha, Paris), o lado exótico e atípico da capital francesa. E Alain Passard? “Bom, Passard, é Passard.”

 

Chef_2_Grattard_00159R.jpg

imagem de cena de um dos pratos de Adeline Grattard do Yam’Tcha, Paris

 

Chef_2_Troisgros_00162R.jpgMichel Troisgros do La Maison Troisgros, (Roanne) numa das cenas do seu episódio de Chef's Table

 

A quarta série já está em preparação, tendo a equipa andado pela Rússia, com Vladimir Mukhin, Peru, com Virgilio Martinez, Alemanha, com Tim Raue, e Estados Unidos, com Nancy Silverton e Ivan Orkin. Com este último e, sobretudo, com Jeong Kwan, uma monja budista sul-coreana, Chef’s Table arrisca sair fora do contexto clássico dos chefs de cozinha. Este será um dos caminhos a explorar no futuro, ainda que não pretendam deixar o universo original.

 

Quanto a algumas ausências mais evidentes, Gelb justifica-as. Não filmaram Michel Bras, porque existe um filme recente sobre o francês; quanto a René Redzepi, confessa que tem muita vontade de fazer alguma coisa com o responsável do Noma, mesmo que já haja três ou quatro documentários sobre o dinamarquês. Questiono-o sobre a ausência de Espanha, que possui alguns dos chefs mais influentes das últimas décadas, e Gelb responde com algum embaraço. “Sim, teremos de fazer algo especial com eles. Ainda não calhou.” Por fim, quase na despedida, a pergunta inevitável: e Portugal? Nesse momento, quando acabava de responder que nunca tinha estado no país, um membro da sua equipa interrompe-nos: “Oh boy, tens de conhecer. Portugal é incrível!”. Gelb sorriu e dirigiu-me um desafio: “Se tiveres alguém com uma boa história, ou se houver uma boa história para contar, diz-me.”

 

Fotos: Lucie Cipolla / Netflix excepto a terceira de Miguel Pires

 

Reportagem publicada originalmente na revista Fugas, do jornal Público, de 3 Setembro. Viagem efectuada a convite da Netflix. 

 

 

Posts Relacionados:  

Noirmoutier, o que é que esta ilha tem?

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:31


1 comentário

Imagem de perfil

De nervosomiudinho.blogs.sapo.pt a 19.09.2016 às 14:35

Estou a meio da primeira temporada e estou a adorar. O último episódio que vi foi do Fäviken.

Comentar post



Pub


Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pub




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Comentários recentes

  • João Faria

    Quando o anúncio do guia chegar a Portugal - e acr...

  • João Faria

    Mesmo que o sucesso não tenha sido tanto como inic...

  • Duartecalf

    Relendo o meu comentário parece que discordo da an...

  • Paulo

    Caro Pires. Eu confrontei o Angel com isso apenas ...

  • Paulo

    Ola Luis. Sim foi uma entrevista ao Angel. .





Calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930