Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




800x400_3_big.jpg

Henrique Sá Pessoa, dispensa grandes apresentações. A televisão tornou-o personalidade pública, ou não fosse um dos chefes presentes há mais anos no pequeno ecrã.  Contudo, desde há algum tempo e até Novembro de 2015, era a sua versão de cozinheiro de receituário mais terra-a-terra, aquela a que tínhamos direito, dado que Sá Pessoa andava arredado da alta cozinha, precisamente, desde que, em 2014, fechou o Alma, em Santos. Mesmo aqui, no antigo endereço, as últimas épocas tinham sido passados em velocidade de cruzeiro, o que levou algumas vozes a comentarem, em surdina, que o chefe português poderia não querer ir muito mais além da gestão da sua agenda mediática, com um ou outro restaurante de conceito mais simples pelo meio. 
 
Porém, na verdade, Sá Pessoa precisava de um impulso que o trouxesse de novo para a alta cozinha, algo que viria a ser possível com a ligação ao grupo Multifood, com quem se associara um ano antes para abrir a hamburgueria Cais da Pedra,  em Santa Apolónia. 
 
O Chiado era o local há muito desejado para relocalizar o Alma e, após um largo período de obras, o restaurante abriria portas, num antigo armazém da livraria Bertrand, mesmo em frente à maior referência do fine dining lisboeta, o duplamente estrelado Belcanto. 
 
800x400_6_big.jpg
 
O músculo financeiro por detrás deste projecto é visível mal se entra no espaço do edifício pombalino do século XVIII onde se insere. A cozinha “state of art” está à vista de todos e certos detalhes da discreta, porém, elegante sala, deixam adivinhar  que nada foi deixado ao acaso, da iluminação, ao som, passando pelas loiças ou pela decoração.  Além do espaço também era sabido que Sá Pessoa tinha conseguido manter alguns cozinheiros de confiança, como o seu braço direito Daniel Costa, bem como contratar outros elementos com experiência e currículo como era o caso do chefe de pastelaria Telmo Moutinho ou do escanção Rodolfo Tristão, que entretanto saiu e foi substituído por Francisco Guilherme. Em suma, todas as condições estavam reunidas para tornar o Alma num restaurante de referência, em Lisboa, e com ambições (mesmo que não declaradas) a conquistar uma estrela Michelin a curto médio prazo. Aspirações legítimas ou fogo de vista? 
 
A visita que fiz num domingo à noite, de Julho, foi a quinta, porém, a primeira como um cliente normal (a estreia, ainda em soft opening, tinha sido a convite e as outras quatro, ora em eventos que incluíam outros chefes, ora em apresentações de vinhos). Por isso, ao ver o menu não me eram desconhecidas algumas das propostas, quer da carta (5 entradas, 3 pratos de peixe, 3 de carne e 4 sobremesas), quer dos menus Caminhos, Origens (ambos com 3 pratos + snacks e pre-sobremesa, 70€), ou Alma (ambos com 5 pratos, + snacks e pre-sobremesa, 90€). Porém, recentemente tinha sido introduzido no baralho um outro trunfo, o menu Costa a Costa, que boas impressões deixou, em Abril último, quando Sá Pessoa o apresentou no Peixe em Lisboa. Foi precisamente neste último, elaborado a partir de produtos da costa portuguesa, que acabou por recair a nossa escolha. 
 

IMG_5532 (1).jpg  

A abrir, os snacks (na foto de cima) deixaram logo muito boa impressão: o primeiro conjunto incluía um crocante de tapioca com a alga kombu, maionese de algas e um refrescante shot de água de gaspacho com poejos.  Depois, vieram umas amêijoas envolvidas em gelatina com puré de coentros (“a nossa versão de Bulhão Pato”) e uns pimentos “queimados” (envolvidos em cinza comestível) com coulis de pimentos e gel de limão. Tudo de grande nível, tecnicamente impecável, de sabores bem apurados e identidade lusa. Ainda antes dos pratos oficiais do menu um último “oficioso” entrou em cena e directamente para a galeria dos melhores da noite.  Refiro-me às “gambas ao alhinho”, assim mesmo com o nome (adaptado do espanhol  “al ajillo”), como nas nossas marisqueiras mais populares. Nesta versão de autor, está tudo lá, só que de outra forma, com produto de topo e em várias camadas de sabor e texturas: numa mousse envolvente; pura e quase crua (gamba do Algarve); e crocante de sabor assertivo - cabeça frita. 
 
Antes de entrarmos no menu, propriamente dito, devo destacar ainda o pão. Apenas 3 variedades, mas dignas de registo: Mafra (trigo), de côdea bem estaladiça; milho e batata doce; e alfarroba. Tudo para molhar no azeite da casa (de Beja) - elegante,  com um toque verde (maçã, relva) e ligeiramente picante -, ou ser barrado com uma manteiga (demasiado) fumada.
 
 
O mar entrou discreto no primeiro prato, cavala, escabeche de legumes, mexilhão e percebes (e o seu caldo).  Depois, a intensidade foi subindo. No polvo assado,  o tentáculo veio num ponto perfeito e com elementos certos a acrescentar valor: romesco (molho de origem catalã), casca de batata, alcaparras e paprika fumada.  Impecável, também, o salmonete. Cozinhado num ponto perfeito, com o molho dos fígados a dar o “kick”, um xerém sóbrio, a consistência, e um garboso caldo da caldeirada a juntar todas as peças e levá-las para outra dimensão. 
 
IMG_9929 (1).jpg
Cavala, escabeche de legumes, caldo de mexilhão e percebes
 
IMG_9959 (1).jpg
polvo assado, romesco, casca de batata, alcaparras, paprika fumada
 
IMG_9960 (1).jpg
 Salmonete, caldeirada, xérem, salicórnia
 
Henrique Sá Pessoa sempre gostou de transpor fronteiras com a sua cozinha e, apesar deste menu ser mais português do que o habitual, é com um grande à vontade que introduz pelo meio um prato fusão de sabores europeus e asiáticos (ou não tivesse o chefe trabalhado na Austrália). Refiro-me ao lombo de tamboril, com caril verde, leite de coco e camarão da costa. Excelente a flor de curgete frita em boa polme a dar um toque vegetal ao conjunto. De lamentar apenas que o fígado do peixe (um autêntico foie gras do mar) aparecesse tão espartilhado de sabor – Será medo de assustar o cliente mais susceptível?  
 
 
Integrar elementos do mar numa sobremesa não é fácil, mas o chef pasteleiro Telmo Moutinho fá-lo bem e com conta, peso e medida. Merengue de tinta de choco, espuma de citrinos, “rochas” desidratadas (de pistácios e de tinta de choco), sorbet de yuzu e alface do mar (no topo).  Fantástico e para desfrutar sem receios, pois não há nada para não gostar. O postre é doce, equilibrado e complexo nos sabores. Ainda mais, quando acompanhado por um surpreendente vermute branco de amargor floral, o La Quintinye Vermouth Royal. Aliás, na parte dos vinhos, não se procura o certinho. A quantidade de referências da carta até é algo modesta – abaixo das 150 - mas bem interessante. Há uma aposta na “dessacralização” do vinho e na fuga ao óbvio - isto sem prescindir de alguns portos seguros ou das regras da ordem, como as temperaturas certas e os copos correctos. Para se ter uma ideia, não há uma sugestão de harmonização com um vinho para cada prato. São sugeridos apenas 2, a copo, para os menus de degustação mais curtos e 3 a 5 para os dois maiores. Por exemplo, para as primeiras propostas foi sugerido o interessante Vicentino Sauvignon blanc 2014, (“Vinhas da Costa Atlântica”) um branco alentejano diferente, entre o velho e o novo mundo: vegetal, sim, mas com um toque mineral e salino. Já com o salmonete e com o tamboril, tivemos o mais encorpado Campolargo Bical 2012 (50% tonel de castanho e 50% barrica de carvalho) e, com a sobremesa, o já referido vermute branco.
 
No que diz respeito ao serviço, há algumas afinações a fazer. O timing dos pratos não foi perfeito (a partir de meio da refeição) e sentiu-se alguma falta de vivacidade na direcção da sala . Por sua vez,  os elementos mais jovens revelaram um grande potencial - agilidade, gosto pela função e conhecimento. 
 
O Alma é sem dúvida um dos restaurantes incontornáveis de Lisboa.  Aproveitem, enquanto a estrela não vem e se consegue  mesa sem grande antecedência. 
 
 
IMG_9939 (1).jpg
Lombo de tamboril, flor de curgete, caril verde, leite de coco e camarão da costa
 

Sobremesa_400x400_9_big (1) (1).jpg

mar de citrinos 

 
IMG_5531 (1).jpg
 
 
-------
Preço médio: 60/70€ (com vinho). Por esta refeição pagou-se: 107€ com bebidas 
------
Morada: Rua Anchieta, nº15, Chiado, Lisboa
Horário: De Terça-feira a domingo, das 12h00 às 15h00, das 19h00 às 23h00
Reservas: Tel.: 213 470 650
 
Classificação:
 
Cozinha: 18 ; Sala:17; Vinhos:17.5
 
 
Nota: Texto publicado originalmente na revista Wine 98 (Setembro).  As aspirações eram legítimas, a estrela Michelin acabaria por chegar em Novembro último, já depois dapublicação inicial deste texto.
 
Fotos: Miguel Pires e Nuno Correia/divulgação (1ª, 2ª e sobremesa)
 
 
 
 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:17


2 comentários

Imagem de perfil

De C.S. a 27.01.2017 às 13:31

Adorei as fotos e as descrições dos pratos. Mas ia jurar que Henrique Sá Pessoa recebeu a estrela Michelin no final de 2016. Tenho ideia de ter lido algures...
Imagem de perfil

De Miguel Pires a 06.02.2017 às 12:00

... e teria lido novamente se tivesse lido a nota final deste post :)

Comentar post



PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mesa Marcada - Os 12 Pratos do Trimestre


Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Janeiro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Comentários recentes

  • Duartecalf

    Tem razão Adriano. O que eu queria dizer é que o g...

  • Miguel Pires

    Tem calma, Adriano. O Yeatman ganhou no ano passad...

  • Miguel Pires

    Recebemos o comunicado ontem e ia fazer um apontam...

  • Miguel Pires

    Mais de 50% do tráfego de ontem para este blogue ...

  • Carlos Alexandre

    Recorde-se que o Bistro 100 Maneiras ganhou o maio...