Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




VascoCoelhoSantos.jpg 

A riqueza gastronómica de um lugar é tanto melhor quanto maior for a diversidade da sua oferta. A região do Porto está bem servida de restaurantes tradicionais, de casas de comida popular e económicas, de algumas cozinhas do mundo, e, também, de espaços com propostas mais contemporâneas, seja numa vertente descontraída ou mais de fine dining. Porém, no que diz respeito a estes últimos, os da chamada cozinha de autor, faltava um espaço com um conceito muito especial como o do Euskalduna.

 

 

Comecemos pela origem do nome. Traduzido de basco para espanhol, Euskalduna significa Vasco, o primeiro nome do chefe proprietário deste novo espaço, que entre os vários lugares onde fez a sua formação como cozinheiro, contam-se o Mugaritz e o Arzak, restaurantes míticos do País Basco espanhol.

 

Em relação ao seu percurso, Vasco Coelho Santos estagiou ainda no famoso El Bulli tendo regressado ao Porto, depois, para trabalhar com Pedro Lemos, onde se manteve durante dois anos. Após o restaurante da Foz, viajou durante uns meses pela Europa e Ásia efectuando curtos estágios em diversos restaurantes. Enquanto reunia condições para abrir o seu actual e mais ambicioso projecto, o chefe portuense foi fazendo jantares privados, tendo tido tempo, pelo meio, para conceber o Baixópito, uma casa descontraída especializada em frango, na Baixa portuense.

 

7.1 (1).jpg

 

Mas viajemos até à Rua de Santo Ildefonso, no centro do Porto, uma zona em processo de revitalização, onde começam a aparecer pequenos negócios que aproveitam a boa onda e o dinamismo que se vive na cidade. No número 404, à porta fechada,  encontra-se então, desde finais de 2016, o Euskalduna Studio. Quando entramos, damos de imediato conta que estamos num lugar acolhedor, de decoração contemporânea, com uma sala ao comprido e cozinha aberta. O espaço não abunda, porém foi bem desenhado e é confortável - para o qual muito contribui a iluminação exemplar. Este aspecto não deixa de ser relevante, sabendo que quem ali entra é convidado a ficar o tempo que for necessário para apreciar, com calma, o menu único de 10 a 12 tempos. A opção passa por eleger uma das três mesas ou um lugar ao balcão, que foi a nossa escolha e que aconselho a reservar, sobretudo para quem gosta de ficar perto da acção e de interagir com os intérpretes.  É que no Euskalduna, com excepção do escanção, não há equipa de sala. Todos os pratos são servidos por este e pelos cozinheiros que estão à nossa frente, sem rede nem filtro. Este sistema, que se tornou mais conhecido com o Noma (em Copenhaga) e que começa a aparecer, aqui e ali (em Lisboa, é adoptado pelo Loco, por exemplo), além de talento requer uma equipa  motivada, conhecedora, com à vontade e capacidade de comunicação.

 EuskaldunaStudio.jpg

 

E, posso dizer que Vasco Coelho Santos conseguiu reunir uma pequena e jovem equipa de luxo, do escanção Edgar Alves, ao “braço direito” Nuno Brás, passando pelos talentosos Rui Silva e João Costa - ou “Joãozinho”, o benjamim da equipa que ainda mal tem idade para ter carta de condução, mas que sabe explicar os procedimentos de confecção de um prato como um piloto experiente. É óbvio que toda esta conversa só faz sentido se a experiência for boa. E foi o que aconteceu.

 

O chef portuense apresentou um menu cosmopolita assente em produtos de época de grande qualidade, com manipulações reduzidas ao essencial. A proposta muda regularmente de acordo o que lhe vai chegando. Porém, ainda que o risco seja maior do que a opção por um menu muito ensaiado e certinho, o improviso, como no jazz,  assenta em bases  seguras. E o que é certo é que praticamente todos os pratos estiveram bem acima da média, com alguns a roçarem a nota máxima. Entre estes, destaco o caldo de dashi elaborado com cavala (em vez de bonito seco, como fazem os japoneses), um prato de uma enorme  finesse e elegância no palato, valorizado pelo acompanhamento de legumes crus e avinagrados e uma gema de ovo numa consistência de barrar (na foto abaixo). 

 

IMG_8707.jpg

 "dashi"

Foto fb Euskalduna.jpg

 gamba, carabineiro e caril (foto fb Euskalduna. No prato servido as gambas vinham descascadas)

 

Outro prato vencedor foi o rabo de boi com couve grelhada (tão boa que pedi para repetir) e molho de carne confeccionado como mandam as regras.  Mesmo algumas propostas mais controversas não deixam ninguém indiferente. É o caso das gambas do Algarve (cruas) com molho de cabeças de carabineiro, granizado de caril, maçã e manga. A conjugação funciona muito bem, sobretudo para quem gosta de caril. Porém, este preparado de especiarias toma conta de tudo anulando parte do sabor do marisco (que era de grande qualidade).

 

Apreciei ainda a valer um prato de génese portuguesa, o filete peixe galo - de polme e fritura perfeita - acompanhado de uma saborosa açorda (que só pecava por se agarrar mais aos dentes do que devia). Vinha tudo ligado com um interessante caldo de peixe emulsionado com gordura de boi e óleo de coentros. Também merece destaque a corvina grelhada com molho feito com as peles de bacalhau, ou o porco ibérico com um molho de se colar aos lábios, feito com os seus pezinhos. E o que dizer da pornográfica rabanada (inspirada na torrija do Mugaritz) servida com gelado de queijo da serra, que fechou o jantar?

 

O único prato menos conseguido foi a tainha do mar com escabeche. Não por qualquer preconceito relacionado com o nome do peixe (que não tem nada a ver com o de águas menos convidativas) mas apenas porque a textura rija me desagradou.

 

IMG_8703.jpg

"sablee, panceta e pampo", o snack que se iniciou o menu 

Euskalduna (1).jpg

 filete peixe galo com açorda de ovas

IMG_8726 (1).jpg

 porco ibérico, aipo e feijão (e jus dos pezinhos)

torrija_fbEuskalduna (2).jpg

rabanada com gelado de queijo da serra (foto fb Euskalduna)

 

Em matéria de vinhos, a oferta do Euskalduna é muito coerente com tipo de cozinha praticada. A carta não é grande mas é diversificada e evita o óbvio, dando preferência a vinhos com personalidade (novos e colheitas antigas) de pequenos produtores de todo o país, como dá para perceber pela amostra abaixo, ou seja, pelo pairing de vinhos (25€) que acompanhou o menu:

 

Espumante Hehn 2006 velha reserva (Távora-Varosa), Casal Sta Maria arinto 2014 (Lisboa), Barbeito Delvino dry 5 anos (Madeira), Quinta de San Joanne branco 2000 (Vinhos Verdes), Quinta da Costa do Pinhão Peladosa Tinto 2014 (Douro), Quinta do Canto, 1995 Garrafeira tinto (Bairrada), Quinta do Regueiro Barricas 2014 Alvarinho (Vinhos Verdes), VT Casal Figueira (Lisboa), Barbeito Malvasia 2000 (Madeira), Kokpe Colheita 2007 branco (Porto). Ainda neste campo, devo destacar, além do talento do Edgar Alves na escolha dos vinhos, o seu cuidado com as temperaturas de serviço e a qualidade dos copos, sobretudo os topos de gama da Zalto, que valorizam ainda mais este tipo de vinhos - não é à toa que têm vindo a ser adoptados por uma boa parte dos restaurantes de 2 e 3 estrelas Michelin.

 

IMG_2247.jpg

 

Estou em crer que o forte dinamismo que o Porto tem vindo a viver vem permitir que restaurantes com uma oferta mais sensível e arriscada, fora da matriz mais comum, possam ser bem sucedidos. O Euskalduna chegou na hora certa e merece o destaque e a glória. Espero (ansiosamente) que outros projectos lhe sigam o exemplo.

 

Preço médio: não existe escolha à carta, mas apenas um menu de degustação por 75€. Pairing de bebidas (não obrigatório) que além de vinhos pode incluir cerveja ou infusões: 25€

 

Contactos:

 

R. de Santo Ildefonso 404, 4000-466 Porto

Telefone: 935 335 301 | Horário: Abre apenas ao jantar, de Quarta a Sábado, das 19 às 23h

 

Classificação:

 

Cozinha: 18 ; Sala: 18; vinhos: 18

 

Texto publicado originalmente na Revista de Vinhos nº332 (Julho). Fotos: Miguel Pires e Euskalduna (as 3 iniciais e as assinaladas)

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:19


3 comentários

Perfil Facebook

De João Gonçalves a 13.10.2017 às 16:15

Muito interessante. Reconheço que me sinto ignorante por desconhecer tantos chefs que tiveram formações fenomenais. A formação deste senhor, por si só, já era um bom motivo para ir conhecer o Euskalduna. Mas depois desta informação toda e do destaque dado a toda a equipa, sinto-me mesmo obrigado a fazer uma visita em breve.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.10.2017 às 16:39

Eu tinha vergonha de apresentar aquela rabanada.Por alguma razão são conhecidas como fatias douradas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.10.2017 às 00:18

Só um reparo: Euskalduna significa Basco... em basco e não o nome próprio Vasco, embora seja engraçada a coincidência.

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Outubro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Comentários recentes

  • Miguel Pires

    Oops, já corrigido. Agradeço o reparo.

  • Martinho Cruz

    Tudo bem. Vega “Cecília” é que me ultrapassa.....

  • Anónimo

    Esta é uma boa notícia para esta altura do Natal.....

  • Duarte Calvão

    Acho, João Faria, que coloca a questão nos termos ...

  • João Faria

    É verdade que, infelizmente, a mudança ocorrida na...