Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




20KITCHEN2-superJumbo.jpg

 

Já é quase fastidioso enumerar a quantidade de artigos que semanalmente saem na imprensa mundial a gabar as maravilhas lusas, tipo “o beco mais trendy do mundo é português” até à possibilidade, segundo um artigo da BBC, da cozinha portuguesa ser a mais influente do mundo.

 

A maior parte dos leitores identifica-se com estes artigos, a ver pela quantidade de “gostos” e partilhas nas redes sociais, e as publicações online também, obviamente, sobretudo, numa altura em que as receitas das edições em papel estão com o rating próximo de “lixo” e os clicks valem ouro (ou bronze vá lá). Até há quem compile e divulgue essas notícias, com um certo tom irónico, como faz Pedro Boucherie Mendes, numa espécie de rubrica intitulada “Amor que nós temos ao amor que têm por nós”.

 

E tudo isto vem a propósito de quê? de algum artigo elogioso recente que tenha escapado aos nossos media?

 

  

Bom, pior que não nos elogiarem é ignorarem-nos completamente, dirá a maioria. E eu desta vez corroboro. Logo em matéria de sardinhas e ainda por cima no New York Times (NYT) - provavelmente o melhor, mais completo e mais influente jornal do mundo.

 

Se calhar sou eu que me sinto desiludido com o jornal, pelo qual pago uma subscrição anual, devido à qualidade do seu jornalismo, em geral, e pelos artigos e criticas gastronómicas (historicamente as mais bem escritas), em particular. Estarei a exagerar? Talvez, um bocadinho. Mas vamos lá.

 

O antigo cozinheiro e actual autor de livros de cozinha, David Tanis, escreve semanalmente no NYT a coluna “City Kitchen”. A fórmula é simples e de leitura fácil: apresenta um prato de cozinha caseira (ou um produto), escreve sobre o que o inspirou, as origens, etc, e no fim deixa a receita.

 

Esta semana, Tanis fala de um prato de sardinhas, um peixe que existe em outras partes do mundo, obviamente, mas que em nenhum país atinge um nível de obsessão como em Portugal. Como gosto de conhecer receitas alternativas às nossas - e esta com as ditas sobre uma folha de figueira acompanhada de funcho parecia-me muito válida - fui ler o artigo com particular atenção.

 

O autor começa por falar deste peixe em conserva. “Em França as sardinhas especiais envelhecidas na lata são um fenómeno – apresentadas como um vinho, com a sua data de colheita”. Tudo bem, também já fazemos isso por cá, mas ninguém como os franceses para valorizar o que é deles (e muitas vezes o que é nosso com a marca deles, como é o caso de algumas conservas de peixe). Depois, vem a referência a nuestros hermanos. “As sardinhas de conserva topo de gama são também apreciadas em Espanha, quer seja em azeite, molho de tomate, ou fumadas”. Pois, os sacanas dos espanhóis têm outra força lá fora (e conservas de grande qualidade, há que referi-lo), diz aqui o provinciano já meio roído.

 

Então deixem lá ver o que este tal de Tanis tem para dizer sobre sardinhas frescas (quando a coisa não nos agrada há logo que descredibilizar a fonte, pumba!).

 

“Sardinhas frescas são uma delicia e vale a pena conhecer”. De acordo. “Muitas receitas Sicilianas empregam-nas...” Ah! Lá vem a parte com o enquadramento neo-realista. Agora sim, o fulano vai falar também de Portugal e das dificuldades que passam os nossos pescadores de Matosinhos ou Peniche. Hum... dizia ele, então, que na Sicília, “as sardinhas podem ser encontradas marinadas, fritas ou acrescentadas em massa com funcho selvagem”. Pronto, agora é que é, o gajo vai escrever sobre sardinhas assadas e não tem hipóteses de nos ignorar (um dia ainda vou conseguir entender porque se chama “assada” a uma coisa que é “grelhada”, mas isso agora não interessa).

 

“As sardinhas grelhadas fazem frequentemente parte dos menus dos restaurantes por todo o Mediterrâneo e, também, cada vez mais, aqui, nos Estados Unidos. Mas é muito fácil e menos caro grelhá-las em casa, quer seja sobre o carvão, ou sob a salamandra (forno)”. E pronto, é isto. A seguir vem a receita da foto de cima.

 

Que grande (filho de uma) lata! Santa ignorância... oh David Tanis, talvez se um dia aterrares em Lisboa e alugares um apartment na Bica ou em Alfama vais perceber onde é que a sardinha é verdadeiramente uma instituição. E até é bom que vás treinando em casa a grelhá-las na brasa para te habituares ao perfume que te vai entrar pelo quarto. Quanto a mim, chamem-me provinciano, que eu importo-me mesmo.

 

Foto: Karsten Moran para o The New York Times

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:58


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Paulo a 19.09.2017 às 02:12

Miguel Pires, pela boca morre o peixe (inclusive a sardinha). Como é possível fazer referência às dificuldades que passam os bravos pescadores de Matosinhos e Peniche e esquecer, entre outros, os de Olhão ou Setúbal?
Sem imagem de perfil

De André Miguel a 22.09.2017 às 10:20

E também os de Viana do Castelo, Aveiro, Figueira da Foz, Sines, Sagres, Portimão, Faro... santa paciência.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.10.2017 às 01:20

Pescadores da sardinha em Sagres e Faro? Santa ignorância!
Sem imagem de perfil

De joana a 20.09.2017 às 15:54

sardinhanalfabeto!
Sem imagem de perfil

De Artur Hermenegildo a 03.10.2017 às 12:16

Obviamente que tens razão e é uma ignorância ridícula por parte do jornalista.

Mas...

O facto é que a nossa "obsessão" com sardinhas é, como com outras coisas, algo desperdiçada porque mal orientada.

Apenas duas achegas para a discussão:

As nossas conservas são de qualidade média apenas razoável, se comparadas com as de outros países.

A nossa insistência em comer sardinhas nos "santos populares", quando quase nunca estão no melhor ponto para serem comidas.

Comentar post



PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

PUB


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Setembro 2017

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Comentários recentes

  • Duarte Calvão

    Julgo que sim. No final do post há um link que rem...

  • João Almeida

    Duarte,E quem pode participar? Porque é que é só p...

  • João Gonçalves

    Muito interessante. Reconheço que me sinto ignoran...

  • Anónimo

    Só para esclarecer que este comentário é meu. Artu...

  • Marcus

    Esperimente passá-las em farinha de arroz. Elas fi...