Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Diogo Noronha deixa Casa de Pasto e Rio Maravilha

por Duarte Calvão, em 04.10.16

O chefe Diogo Noronha desligou-se do grupo Mainside, no qual esteve nos últimos três anos, abrindo restaurantes como a Casa de Pasto, no Cais Sodré, e Rio Maravilha, na Lx Factory. Aos 37 anos, o chefe prepara-se para iniciar em breve um novo projecto também em Lisboa. “Estes três anos foram importantes para mim, mas surgiu uma oportunidade muito interessante e achei que devia aproveitar”, explicou Diogo Noronha ao Mesa Marcada.

Sem querer adiantar ainda pormenores, o chefe diz que no seu novo restaurante vai “trabalhar mais na linha em que estava antes”, quando chegou a Lisboa em 2009 para abrir o antigo Pedro e o Lobo, vindo de experiências em restaurantes como o Per Se (Thomas Keller), em Nova Iorque, ou Moo (irmãos Roca) e Alkimia (Jordi Vilà), na Catalunha. Ou seja, tudo indica que teremos mais um chefe português com um novo projecto em que pode expressar melhor o seu estilo e talento. A cozinha criativa está a viver um claro momento de viragem em Portugal.

 

Foto: Cook & Chef Institute

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:30


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Gastronomico a 05.10.2016 às 00:36

Momento de viragem?? Não acredito que estejamos de algo que seja no mínimo parecido! Precisamos é de cozinha popular de massas.
Sem imagem de perfil

De Joaquim Gomes a 05.10.2016 às 11:27

Podes crer. Este Duarte não percebe nada.
Sem imagem de perfil

De Teixeira a 05.10.2016 às 21:38

Divirjo! O Duarte percebe sim. De fine dinning; de cozinha de massas também, quando vai a restaurante italiano. Mas, gosto muito do blog.
Sem imagem de perfil

De Adriano a 06.10.2016 às 17:41

Começa a irritar-me um pouco, esta trupe bafienta, que vestidos de uma qualquer capa de "tradição e autoridade" não param de criticar quem ousa ir além, muito vezes arriscando o seu nome (e a sua carteira), para tentar fazer crescer a gastronomia nacional e navegar por caminhos nunca antes navegados.
Mas o que é "cozinha popular de massas"? Será arroz batata frita e salda de alface tomate e cenoura ralada a acompanhar grelhados? É essa a cozinha que faz falta? Não a há no seu bairro?
Será o espírito de cozinheiro gordo, bebado, que liga mais a bola que a comida e cheio de pseudo-segredos de merda que faz falta a gastronomia nacional?
Eu até respeito que se possa ser conservador que se dê tempo antes de enaltecer determinada cozinha, etc, mas ser-se simplesmente apologista de uma cozinha estática é ser-se simplesmente estúpido. E de que tradição pensão estes senhores ser possuidores, acham que os pratos descritos pela Maria de Lurdes Modesto eram aqueles que o Afonso Henriques comia? Há muito prato que vcs acham muito antigo e tradicionais que não chegam a ter 100 anos. Pela ignorância não! Andar para trás não! Não, não e não! Estão muito longe do espírito daqueles antigos que embarcaram em direcção ao horizonte. Não são bons exemplos de portugueses, que tradicionalmente, sempre foram aventureiros e audazes.
Sem imagem de perfil

De Carlos Alexandre a 06.10.2016 às 13:39

Neste post, fiquei a saber de mais uma alteração na vida profissional do Diogo Noronha.

Mas não entendo porque é que o Duarte remata com a afirmação
"A cozinha criativa está a viver um claro momento de viragem em Portugal."

Consegue esclarecer a ligação entre os dois fatos?
É que, para mim pelo menos, não é nada óbvia.

Imagem de perfil

De Duarte Calvão a 06.10.2016 às 14:15

Julgo que é relativamente fácil de entender. Diogo Noronha afirma que, no novo projecto, vai praticar uma cozinha mais de acordo com o que estava a fazer quando regressou a Portugal, no Pedro e o Lobo. Ou seja, numa linha mais criativa do que aquela que estava a fazer na Casa de Pasto, um óptimo restaurante, que costumo frequentar, mas que está menos nessa linha. Logo, creio que teremos mais um chefe português a fazer uma cozinha mais de acordo com as suas capacidades, juntando-se a outros nomes, entre os quais aqueles que citei no post que escrevi há uns tempos sobre o fim do ciclo dos petiscos. Aliás, muito em breve será bem claro para todos que os anos de 2015 e 2016 foram extremamente positivos para quem defende que a cozinha em Portugal tenha também um lado mais criativo, tal como acontece em muitos outros países europeus.
Sem imagem de perfil

De Carlos Alexandre a 06.10.2016 às 20:05

Agradeço a pronta resposta, Duarte Calvão.

Constato que, afinal o equívoco tem tão somente a ver com o conceito da cozinha criativa.
É que jamais colocaria as duas visitas que fiz ao Pedro e o lobo como representativas de uma cozinha criativa, mesmo que incipiente. Cozinha de pratos decorativos, com algum arriscar de combinações menos prováveis; seguimento de algumas tendências já, na altura, em desuso... tudo menos cozinha criativa.

Claro que é preciso começar por alguma coisa. Mas é preciso muito boa vontade para ver neste passado augúrio de bons auspícios na área da cozinha criativa.

Claro que o período pós-Pedro e o lobo, em locais com alguma consagração, será certamente determinante para espectativas a outro nível. Mas, para isso, terão de ser dadas provas concretas deste salto que, no fundo, qualquer cozinheiro pretende dar. E querer não basta.

Bom senso terá tido o Duarte ao escrever
"numa linha mais criativa do que aquela que estava a fazer".
Sublinho o "mais", que poderá ser visto como um eufemismo da ideia de termos aqui um chef criativo já consagrado em tempos anteriores aos seus trabalhos atuais.

Foram estas algumas palavras que tentam esconder a possível estupidez que me assolou, talvez, quando não associei a viragem da cozinha criativa a este profissional.

Verdade seja dita, muito me têm surpreendido alguns jovens, com cozinhas de extremas restrições, meios mínimos, esforços máximos, a apresentar propostas que, sem me deslumbrar, me deixaram perplexo em relação a quem merece estar nas revistas.

Dito isto, quem me dera que viessem muitos mais como o Diogo, trazendo a irreverência- necessária à criatividade- para acabar com o marasmo da cozinha praticada pelos mesmos do costume, cavalaria de uma pseudo-criatividade que parece manifestar-se, qual aparição de Fátima, em qualquer prato bem decorado, preferencialmente de dose pornograficamente diminuta.






Sem imagem de perfil

De Miguel Torga a 07.10.2016 às 00:01

Não me sinto um destruidor; o que quero é que tudo nasça com a força que as cousas verdadeiras e naturais merecem, e que o ranço velho não estrague o azeite novo.

Comentar post



Pub


Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pub




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Comentários recentes





Calendário

Outubro 2016

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031