Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Dominique Crenn “a 4 mãos” no Loco

por Miguel Pires, em 03.08.17

 

41308.jpg 

Há 2 anos, poucos sabiam quem era Dominique Crenn, na Europa . Na verdade, mesmo nos Estados Unidos, a chef francesa radicada na costa oeste era quase uma ilustre desconhecida. Tudo começou a mudar, em 2013, quando o Guia Michelin atribuiu duas estrelas o seu restaurante Atelier Crenn, em São Francisco, tornando-a na primeira mulher a alcançar tal feito em terras do tio Sam. Depois disso, em 2016, veio o prémio de “Melhor Chef Feminina do Mundo” para o júri do The World’s 50 Best Restaurants, um episódio na série da Netflix Chefs Table e, mais recentemente, a entrada para a 83ª posição da segunda parte da lista atrás mencionada.

 

Dominique Crenn hoje é uma estrela e não é comum vermos alguém vir dos Estados Unidos no auge da sua carreira para fazer um jantar em Portugal. Esse momento terá lugar no Loco (1*Michelin), no próximo dia 15 de Agosto, às 20h, em dueto com o chefe anfitrião Alexandre Silva.

 

Tenho de aplaudir o esforço de Alexandre Silva que sem uma grande estrutura ou patrocinadores por trás, tem vindo a organizar jantares “a 4 mãos” no seu restaurante, com chefes em ascensão ou de créditos firmados com trabalho muito interessante, como foi o caso de Atsushi Tanaka, do A.T. (Paris), Daniel Burns, do Luksus (Nova Iorque – entretanto encerrado), Diego Guerrero, do DStage (Madrid) ou, mais recentemente, de Pedro Pena Bastos do Esporão (Monsaraz).

 

FullSizeRender 12.jpg

 Alexandre Silva com Pedro Bastos e as suas equipas no último "a 4 mãos"

 

Acompanhei à distância os primeiros jantares, mas estive presente neste último, no dia 20 de Julho e saí rendido. Como escrevi na altura no texto que acompanhou a série de fotos que coloquei no Instagram, “apesar cada um ter a sua identidade, ambos jogaram em equipa com um fio condutor que em nenhum momento nos levou ao enfado. Houve pratos que se distinguiram, como o rim, a lula com raiz de aipo e trufa de verão, o lírio e azeite, a corvina e caldeirada verde, o pato com cantarelos, o gelado de morango, tomate e pimento, ou o pêssego com pastinaca e avelã. Apenas um prato ficou um pouco aquém (os bivalves com pés de porco), o que dá para perceber o alto nível de jantar. É impressionante ver a evolução dos nossos cozinheiros nestes últimos anos. Definitivamente a alta cozinha, em Portugal, está a atravessar um momento de ouro. E se são sempre os chefes a levar os louros, não se pode deixar de elogiar as equipas de profissionais motivados e cada vez mais bem preparados que com eles trabalham”.

 

Portanto, só tenho razões para dizer Dominique Crenn promete. Sim, a experiência não vai ser uma pechincha. Ainda assim os 200€ ficam mais em conta do que reservar uma mesa no Atelier Crenn (325 USD + 175 do pairing) e apanhar um avião para São Francisco. Reservas para 213 951 861 ou do reservas@loco.pt.

 

Fotos: Chuck Thompson e Miguel Pires 

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:07


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Adriano a 05.08.2017 às 11:49

Já tá cheio :/

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Agosto 2017

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Comentários recentes

  • Duarte Calvão

    Acho, João Faria, que coloca a questão nos termos ...

  • João Faria

    É verdade que, infelizmente, a mudança ocorrida na...

  • Anónimo

    isso mostra exatamente como você e quem escreve es...

  • Anónimo

    Nos Açores sempre se comeram algas. As famosas "To...

  • Duarte Calvão

    Acho que não leu o artigo do El País com atenção. ...