Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




IMG_4110 (2).jpg

 

Este ano fez-se história em Girona: nunca o mais influente e prestigiado guia gastronómico do mundo tinha atribuído tantas estrelas a Portugal (ou a Espanha). Foram 9 os galardoados, ou seja: de uma assentada passámos de 3 para 5 no número de restaurantes com duas estrelas, e de 11 para 18, nos de uma estrela.

 

 

Para termos uma ideia do que estes resultados representam refira-se que quase equivalem ao saldo das novidades (em termos de estrelas) dos últimos sete anos. Senão vejamos:

 

2010: Ocean e Tavares ganham 1 uma estrela.

2011: apenas uma única notícia e desagradável: Eleven perde o galardão.

2012: 2 estrelas para o Ocean e 1 para o Feitoria e Yeatman. Porém, o Amadeus (Almancil) perde a sua.

2013: a primeira estrela do Belcanto

2014: L’and, Eleven ganham uma e São Gabriel perde a sua

2015: Belcanto ganha a segunda, São Gabriel recupera a perdida e Pedro Lemos estreia-se na comenda

2016: O algarvio Bon Bon, ganha a primeira estrela, mas o L'And, perde a conquistada em dois anos antes

 

(nota: os guias têm sido apresentados sempre em Novembro do ano anterior à data de capa)

 

Chefes lusos estrelas (2).jpg

Os chefes de Portugal presentes em Girona. Da esquerda para a direita: Hans Neuner (Ocean), Rui Paula (Casa de Chá da Boa Nova) Ricardo Costa ( Yeatman ), Luis Pestana (William), Vítor Matos (Antiqvm), Benoit Sinthon, (Il Gallo d'Oro), Miguel Laffan (L'And), Henrique Sá Pessoa (Alma), Alexandre Silva (Loco), Dieter Koschina (Vila Joya), David Jesus e José Avillez (Belcanto).

 

Porém, ainda que os resultados tenham sido fantásticos foi irritante saber, no dia da cerimónia, pelas 18h, que Ángel Pardo, o director de comunicação do guia tinha referido à TVI que Portugal iria receber nessa noite 7 novas “1 estrela” e 2 novos “2 estrelas”. Fiquei incrédulo porque umas semanas antes o mesmo Ángel Pardo, tinha referido, num encontro em Madrid, que Portugal iria duplicar o número de estrelas, notícia que me confirmaria, depois, por telefone (e posteriormente a outros jornalistas portugueses). Duplicar significaria 17 novas estrelas, bem diferente das novas 9 (ou 11, conforme se queira contabilizar os que passaram de uma a duas estrelas) que acabariam por ser atribuídas. Durante a cerimónia questionei Ángel Pardo em relação ao sucedido e verifiquei que ele não se tinha apercebido desta diferença. Apanhado de surpresa com a pergunta foi honesto e depois de ter tentado esboçar uma justificação admitiu que só poderia ter sido um erro de percepção seu.

 

Já ouvi dizer que os inspectores teriam ficado irritados com a comunicação antecipada e teriam reduzido o número de estrelas para Portugal, mas como não sou muito dado a teorias da conspiração não vou na conversa. Também há quem diga que referiram que Espanha iria ter um novo 3 estrelas fora de uma cidade grande, quando na verdade o restaurante que ganhou, o Lasarte, situa-se em Barcelona. Enfim...

 

Tenha sido por negligência (por não terem uma verdadeira noção do número de estrelas que havia em Portugal), ou por dificuldades na matemática o que é certo é que a gaffe acabaria por criar expectativas e ansiedade um pouco por todo o país.

 

Lembro-me de confessar ao Duarte que tinha tido dificuldades em listar um número tão elevado de restaurantes a quem poderia sair a taluda (algo que ainda assim o fizemos aqui e aqui). Não porque não houvesse um conjunto de lugares que o merecesse, mas porque esse grupo teria de incluir alguns projectos que, para os padrões do guia, não me pareciam ter ainda a consistência ou experiência necessária para receber a comenda, ainda para mais dado que Ángel Pardo me garantiu que a Michelin não facilitou nos critérios, mas sim que tinham sido os restaurantes portugueses a atingir o patamar por eles exigido.

 

A verdade é que quando foram revelados os contemplados deu para verificar que quase todos eles acabam por assentar nos critérios fétiches do guia. Ou seja: mais formais ou um pouco menos formais, com toalhas ou sem toalhas nas mesas, todos encaixam minimamente no padrão do restaurante de fine dining. Depois, no caso de alguns vencedores, os seus chefes principais têm ou já tinham tido estrelas em outros lugares, como era o caso do William (Joachim Koerper), Antiqvm (Vitor Matos), ou Lab by Arola. 

 

Feliz surpresa, para mim, na lista anunciada, foi a presença do Loco, dado o restaurante ter menos de um ano, Alexandre Silva nunca ter ganho antes uma estrela e pelo facto da proposta do lugar ser menos convencional (menos do que o Alma, por exemplo). O segundo caso que me surpreendeu foi o do L’And, simplesmente por não ser comum a Michelin voltar a dar uma estrela apenas um ano depois de a ter retirado.

 

IMG_4122 (2).jpg

Benoit Sinthon e Ricardo Costa, segundos antes de receberem a boa nova

IMG_4133 (2).jpg

Rui Paula e Henrique Sá Pessoa, dois chefes felizes que há muito desejavam a tão ambicionada estrela

 

FullSizeRender (2) (1).jpg

"Queridos, ganhámos uma estrela!", parece dizer Alexandre Silva, do Loco, com a sua nova jaleca "estrelada".

 

Houve restaurantes que ficaram de fora que mereciam ter estado em Girona. O caso mais gritante talvez seja o do Kanazawa, que parece nem ter recebido a visita dos inspectores, o que a confirmar-se não seixa de ser inexplicável. Aliás, no guia não consta nenhum japonês de Lisboa (ao contrário de Madrid, por exemplo, que tem dez, dois dos quais com estrela). Já quanto à ausência do Vista (do Hotel Belavista, Portimão) de João Oliveira, ou do restaurante do Esporão, de Pedro Pena Bastos, que estiveram sob a alçada do guia, creio que chegarão lá mais cedo ou mais tarde. Aliás, estou convicto que se continuar a fazer um trabalho com a qualidade do que actualmente apresenta, Pedro Pena Bastos, de 25 anos, será o mais jovem chefe português a receber uma estrela.

 

Fala-se novamente na possibilidade da cerimónia do guia vermelho, que cada vez desperta mais atenção, vir para Lisboa. Oiço essa intenção desde 2011 ou 2012, mas, ao que consta outras regiões de Espanha chegaram-se à frente com o cheque. Desta vez, a presença em Girona da Secretária de Estado do Turismo Ana Mendes Godinho, confirmou oficialmente esse interesse, pelo que as probabilidades parecem maiores do que nunca. A confirmar-se acho que pode ser bom para o nosso país. Porém, é preciso fazer mais do que tem sido feito. Nomeadamente a necessidade de “prender” cá os jornalistas espanhóis por mais tempo e dar-lhes condições básicas, como, por exemplo, a disponibilidade de wi-fi, algo que nos foi negligenciado em Girona. Além disso, também espero que ao contrário do que tem acontecido, as informações no local ou nas peças de promoção incluam as duas línguas (e não apenas o espanhol) e que o capítulo português do guia, em si, deixe de ter erros grosseiros de tradução e de edição.

 

Posto isto, volto ao inicio para congratular os contemplados (e não me refiro apenas aos novos) e a todos os profissionais que neles trabalham. Este foi o ano da afirmação de Portugal no Guia Michelin. Aliás, em termos proporcionais, os resultados obtidos foram mesmo superiores ao de Espanha, o que não deixa de ser elucidativo do bom momento que atravessa a nossa cozinha de autor.

 

Posts Relacionados:

 

Estrelas Michelin Portugal 2017 (oficial)

Guia Michelin: ano histórico para Portugal ainda que não duplique o número de estrelas, como foi avançado      antes

Lendo nas estrelas (Michelin)

Guia Michelin Espanha & Portugal 2017 duplicará o número de estrelas em Portugal

Michelin anuncia a 23 de Novembro em Girona guia Espanha & Portugal 2017 (e já vou fazendo apostas)

 

 

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:15


12 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Varela de Almeida a 27.11.2016 às 02:25

Miguel, a entrevista dada ao Paulo Salvador da TVI foi com o Angel Pardo - comunicado guia ibérico - e não com o diretor internacional do guia. Continuação de um ótimo trabalho!
Sem imagem de perfil

De Luís Varela de Almeida a 27.11.2016 às 14:12

*comunicação do guia e não comunicado. Lapso do corretor automático.
Imagem de perfil

De Miguel Pires a 27.11.2016 às 23:53

A informação que tinha era outra, mas pelo que vi depois foi mesmo o Angel Pardo, que repetiu exactamente o que me tinha dito a mim há pouco mais de um mês (20 de Outubro), só que desta vez avançou com um número de estrelas diferente.
Imagem de perfil

De Miguel Pires a 27.11.2016 às 23:56

Aliás, acabei de corrigir no texto esse dado
Sem imagem de perfil

De Pauli salvador a 27.11.2016 às 16:09

Apenas uma correção. A notícia das 7+2 Estrelas foi dada em primeira mão pela TVI, quando a publiquei no site da Tvi24 na madrugada de dia 23 e complementada com a reportagem que emiti no Jornal da Uma às 13h do mesmo dia.
Sem imagem de perfil

De Luís Varela de Almeida a 27.11.2016 às 23:42

Caro Paulo Salvador, e foi com o Angel Pardo e não com o Michael Ellis, certo?
Sem imagem de perfil

De Paulo a 28.11.2016 às 10:52

Ola Luis. Sim foi uma entrevista ao Angel. .
Imagem de perfil

De Miguel Pires a 28.11.2016 às 00:00

Paulo, o que escrevi é que pelas 18h foi a hora a que eu soube e não que foi a essa hora que deste a noticia.

Foi pena que não tenhas confrontado o Angel Pardo com a discrepância dos números que avançara há um mês (duplicação de estrelas) com os de agora.

Sem imagem de perfil

De Paulo a 28.11.2016 às 10:57

Caro Pires.
Eu confrontei o Angel com isso apenas porque as contas não batiam certo. Mas isso era irrelevante para a minha notícia. E essa era só uma: 7+2 estrelas para Portugal. Eu não tinha noticiado a duplicação.
Abraço
Sem imagem de perfil

De Miguel Andrade a 28.11.2016 às 10:28

O que mais gosto são as jalecas para chefs portugueses. "La Guia Michelin". Enfim. Mais para o ano.
Sem imagem de perfil

De João Faria a 28.11.2016 às 14:08

Quando o anúncio do guia chegar a Portugal - e acredito que será brevemente - não nos podemos esquecer de pagar na mesma moeda. x)


Sem imagem de perfil

De João Faria a 28.11.2016 às 14:03

Mesmo que o sucesso não tenha sido tanto como inicialmente esperado, foi sem dúvida um grande ano para Portugal. Ainda assim, tinha esperança de ver alguma surpresa no anúncio, com a premiação de um restaurante que não fizesse parte das principais apostas (como aconteceu, no ano passado, com o Bon Bon).

Comentar post



Pub


Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pub




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Comentários recentes

  • Artur Hermenegildo

    Estive no Mesa de Lemos na 4ª feira passada, grand...

  • Adriano

    #offtopicEntão é um artigo, sobre a notícia que es...

  • Duartecalf

    Excelente notícia o regresso de Vincent Farges a P...

  • Anónimo

    Em fez de "amuse bouche", porque nao "entretem de ...

  • João Faria

    Quando o anúncio do guia chegar a Portugal - e acr...





Calendário

Novembro 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930