Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




na cozinha de miguel castro e silva_s.jpg

 

Ainda não tive tempo de o ler todo, mas já deu para ver que é um livro interessante para quem quiser conhecer o percurso de um dos chefes mais importantes da cozinha portuguesa contemporânea, pioneiro em muita coisa desde os anos 90. Miguel Castro e Silva faz aliás livros interessantes, apesar de poucos. Ou por causa disso. O seu “Uma Cozinha de Aromas”, publicado em 2001 com co-autoria de Nogueira Gil, então jornalista e crítico do Público, foi marcante, havendo na altura poucos chefes a divulgarem o seu trabalho desta maneira. Em 2007, um livro em inglês sobre cozinha portuguesa, “The Food & Cooking of Portugal”. E agora este “Na Cozinha de Miguel Castro e Silva” (ed. Lua de Papel, 22.90 euros), que será lançado no próximo domingo, às 18h, no seu restaurante Less, no centro Embaixada, na Praça do Príncipe Real, 26, em Lisboa, com apresentação de Maria de Lourdes Modesto, que também escreveu o prefácio.

 

 

O livro, com belíssimas fotografias de Jorge Simão, surge de conversas com Augusto Freitas de Sousa, um experiente e competente jornalista que em boa hora decidiu que a gastronomia é assunto digno para o óptimo profissional que ele é. Assim, o livro incide sobre 48 ingredientes escolhidos por Miguel Castro e Silva, que são explicados por Augusto Freitas de Sousa de forma clara e informativa, destacando-se a sua importância para a cozinha do chefe e acompanhados por pequenas histórias que ocasionaram ao longo da sua carreira. Depois, a receita, quase sempre simples e diferente, daquelas que nos dá vontade de fazer em casa quando queremos armar aos cucos. Oxalá este livro sirva de exemplo, não para ser copiado, mas para estimular a imaginação de chefes e editoras de forma a publicarem mais do que enfadonhas compilações de receitas.

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:48


2 comentários

Sem imagem de perfil

De teixeira a 14.11.2016 às 12:27

Estou, sem grandes expectativas, para ir conferir o Less. Porém, é a maneira de espantar o conservadorismo, ou de consolidar minhas ideias retrógradas. Por exemplo, estive sábado no Tia Alice, que, antes do Senhor Presidente da República, se me permitem, considerava, e mantenho, como melhor restaurante de Portugal.
No que tange, a livros e outros salamaleques e rapa pés, perdoem a redundância, leitor habitual e comentador bissexto,do blog, uma crítica que faço, e que não será bem recebida, e prontamente rebatida, é a ênfase que, tanto o Duarte quanto o Miguel, se concentram exagerados nas figuras dos chefes-cozinheiros. O cliente ?? É um coadjuvante. Um detalhe! Amigos, é o contrário, afirmo.
Sem imagem de perfil

De teixeira a 14.11.2016 às 18:25

No meio da tarde, hoje, 14.11, fui conferir algumas pequenas amostras do Less. A tábua de queijos é como tantas outras. Porém, o ravióli de abóbora é excelente. Valeu a ida, ainda mais que o local é muito agradável, no que concerne ao atendimento e a arquitetura, essa última formidável. O risoto de gorgonzola poderá ficar para um retorno, depois que me prometeram que retirarão a pera da composição do prato. Uma das características do gorgonzola em risoto, como gosto, é o "wild" do queijo. Inventaram a tal fruta para suavizar o sabor. Que pecado!

Comentar post



Pub


Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pub




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Comentários recentes





Calendário

Novembro 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930