Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O cozido do vulcão

por Miguel Pires, em 01.03.15

FullSizeRender 17.jpg

 A ideia passava por ir directamente para o local do cozido das Furnas, na ilha açoriana de São Miguel. Contudo, o chef local Paulo Mota, o nosso guia por estes dias, não permitiria que chegássemos ao destino sem conhecermos antes alguns lugares gastronómicos obrigatórios na ilha, como o Rei dos Queijos, onde se comercializa e envelhece uma boa parte dos 50 queijos diferentes do arquipélago, as estufas de ananases, cujo o método de produção artesanal se mantém igual há décadas, os chás da Gorreana, uma tasca de sabores genuínos, como a do Mané Cigano, ou o restaurante Anfiteatro, da escola de turismo local, onde os incríveis produtos regionais são trabalhados com um toque contemporâneo. 

 

Mas o propósito da viagem era o cozido das Furnas, a grande especialidade da região. E, para acompanharmos o processo, Paulo Mota conduziu-nos ao Hotel Terra Nostra, 45km a oriente de Ponta Delgada, onde nos esperava o seu colega Luís Pedro.

 
 
FullSizeRender 16.jpg 
"Primeiro pomos as couves, para que as carnes não se agarrarem ao fundo do tacho", começa por nos dizer o chef Pedro, antes de introduzir por camadas o inhame, as carnes de vaca, frango e porco (entrecosto, chispe e orelha), as batatas (doce e comum), cenoura e, por último, os enchidos (a morcela embrulhada em folha de alumínio para não tingir o conjunto). No final coloca a tampa e ata um pano em volta. Antigamente punham uma toalha no fundo da panela e quando a retiravam, com os produtos, coavam o caldo para o interior. "Era melhor, mas a segurança alimentar já não o permite", lamenta Luís Pedro.
 
Pelas 4 da manhã o enorme recipiente é levado para as caldeiras, à beira da belíssima Lagoa das Furnas, onde vai ocupar uma das várias covas abertas no solo. Aqui fica a cozinhar lentamente, por 8 horas, no vapor libertado pelas águas ferventes vulcânicas. Este processo natural de cozedura lenta a baixa temperatura (85°), repetido há dezenas e dezenas de anos, mantém o sabor dos alimentos e confere uma textura macia às carnes, sem destruir os ingredientes mais sensíveis - características testemunhadas à mesa, já no restaurante do hotel, tendo como acompanhamento um saboroso arroz feito com o próprio caldo do cozido. 
 
Contactos: 
 
Hotel Terra Nostra, Rua Padre Jacinto Botelho, Furnas, S.Miguel - Açores; Tel: (+351) 296 549 090 ; www.bensaudehotels.com // Outro restaurante que confecciona o cozido: Tony’s  - Largo do Teatro - 9675-036, Furnas; tel: (+351) 296 584 632
 
Texto publicado originalmente na revista Up de Fevereiro 2015
 
Posts Relacionados:
 
 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:30


2 comentários

Sem imagem de perfil

De paulo mota a 01.03.2015 às 15:41

foi um privilègio poder acompanhar os meus amigos paulo barata e miguel pires nesta reportagem relámpago o tempo foi muito curto para poder mostrar este nosso paraiso que é são miguel e restantes ilhas devia ser obrigatório no minimo 5 dias em cada ilha . obrigado pela vizita estamos cá sempre que for necessário um guia abraço paulo mota
Imagem de perfil

De Miguel Pires a 03.03.2015 às 09:58

Foi um prazer voltar a essas ilhas incríveis e comprovar a hospitalidade açoriana, já para não falar do prazer em degustar os fantásticos produtos que aí têm. Um abraço e até breve

Comentar post



Pub


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pub


Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Março 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Comentários recentes

  • Miguel Pires

    Bem me pareceu que a argumentação era pobrezinha.

  • Adriano

    Isto realmente é irritante. Eu admiro é a paciênci...

  • João Almeida

    Sentiu-se ofendido. Coitadinho..(Não tenho faceboo...

  • Miguel Pires

    O post não é colectivo, está assinado. Entre as de...

  • João Almeida

    Falta a pergunta: quantos pratos pagaram?