Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Nas caves do Conde Teobaldi

por Miguel Pires, em 31.10.11
.
.
.
.
.
..
.
.

Não sei se ao convidar-me para conhecer os cantos à casa, em Reims, a casa Taittinger (via Sogrape, ou vice versa) sabia que o meu consumo de adolescente imberbe da geração cerveja tinha evoluído em direcção ao vinho, em particular à preferência por bubbles de uma certa região francesa – que por acaso até é onde se encontra a sede da empresa.

Na visita guiada às caves lembrei-me de como na fase cevada tínhamos o sonho anedótico de cair num daqueles imensos depósitos de cerveja – desejo habitual após umas quantas ‘loiras’ nos tolherem a vista.

Neste caso não era a vontade de cair num depósitos de vinho em fermentação. De todo. Mas sim de ficar fechado numa das caves repletas de Comptes de Champangne. Já agora ao som, por exemplo, dos Smiths: “to die by your side is such an heavenly way to die (...) There is a light that never goes out”.

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:55


PUB



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Junho 2017

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Comentários recentes

  • João Faria

    Interessante análise e reflexão. Fiquei curioso em...

  • Adriano

    Miguel não me leves a mal este bocadinho de mau ol...

  • silva

    acho preço bastante caro, a não ser que as garra...

  • Artur Hermenegildo

    Ao que diz o Bloomberg, o Gaggan, nº7, irá fechar ...

  • Duarte Calvão

    É curioso, não tinha noção de que o êxito do Henri...