Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



chefes.jpeg

Grande jantar em perspectiva para a próxima sexta-feira, dia 26, no Eleven. É que o chefe Joachim Koerper, a propósito deste ano Lisboa ser Capital Ibero-Americana da Cultura, vai reunir no seu restaurante estrelado da cidade um grupo de sete chefes do melhor que há, vindos de Portugal e da América Latina.

 

Ninguém melhor do que ele, que também tem uma estrela Michelin no Eleven do Rio de Janeiro. E é de lá que vem outro chefe estrelado, Felipe Bronze,  do restaurante Oro, que terminará a parte salgada do menu com um prato que se adivinha poderoso: costela de porco, goiabada picante e tutu de lentilha. No México e no Chile não há guia Michelin, mas a lista  com dos "50 Melhores Restaurantes do Mundo" costuma ser generosa com a chefe mexicana Elena Reygadas, que em 2014 chegou ser eleita a melhor chefe da América Latina, e com Rodolfo Gúzman, cujo Bogaró, em Santiago do Chile, tem sempre obtido boas classificações. Estes dois chefes ficarão responsáveis pelas sobremesas, respectivamente ervas frescas, azeite, gelado de alecrim, mole negro, amendoim e tomilho-limão e "Ice Brulée + Rose of the Year Sandwich". O outro latino-americano, Jorge Muñoz, é peruano, mas trabalha em Barcelona, onde chefia o Pakta (uma estrela Michelin), um dos restaurantes de Albert Adrià na cidade. Vai apresentar, como entrada, “A Palomita “ (pipoca, em espanhol).

 

Mas a parte portuguesa também é de luxo. Temos Leonel Pereira, que vem do São Gabriel (uma estrela), em Almancil, para apresentar lulas cozinhadas a frio com citrinos e caviar, e Ricardo Costa, vindo do The Yeatman (duas estrelas), em Vila Nova de Gaia, com uma "Caldeirada Nacional". Segue-se uma cataplana de lavagante, por Joachim Koerper, e outro chefe de Lisboa, José Avillez, que traz do Belcanto (duas estrelas), um "Rabo-de-Boi". Tudo isto fica em 130 euros, incluindo vinhos da alentejana Herdade do Esporão. No dia seguinte, é precisamente para o Alentejo que os chefes seguirão, para um programa que lhes quer mostrar um pouco da gastronomia portuguesa. Esperemos que aproveitem bem a oportunidade.

 

Eleven, Rua Marquês da Fronteira Jardim Amália Rodrigues, Lisboa | Reservas: 21 386 2211

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:24

Queijaria muda do Chiado para o Príncipe Real

por Duarte Calvão, em 16.05.17

queijaria1.jpg

 

A Queijaria acaba de se mudar da Rua das Flores, no Chiado, onde estava há três anos, para a Rua do Monte Olivete, quase na esquina com a Rua da Escola Politécnica, no Príncipe Real (na foto), o bairro de Lisboa onde estão sempre a surgir novidades (e há muitas mais a caminho).

 

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:52

Notícias interessantes a Norte. Após sete anos na Casa da Calçada, em Amarante (na foto), uma estrela Michelin no restaurante Largo do Paço, cinco como subchefe, dois como chefe executivo, André Silva sai para um projecto próprio em Bragança, no restaurante Porta, com abertura prevista já para o início de Maio. Para o seu lugar vai Tiago Bonito, que até Dezembro esteve na Pousada de Lisboa e nos últimos meses no Tivoli Lisboa.

 

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:33

Ana Moura deixa Cave 23

por Duarte Calvão, em 30.03.17

Amanhã será o último dia de Ana Moura no Cave 23, no hotel Torel Palace, em Lisboa. Após dois anos à frente de um restaurante que deu que falar e recebeu muito boas críticas, esta jovem chefe portuguesa, cujo percurso profissional passou bastante por Espanha, incluindo uma boa experiência no lendário Arzak, em San Sebastián, não tem ainda planos definidos. Sobre as razões e o período que passou no Cave 23, Ana Moura enviou esta declaração ao Mesa Marcada, que transcrevemos na íntegra:

 

 

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:01

Os ídolos dos chefes de Portugal

por Duarte Calvão, em 09.03.17

Artigo publicado na edição de Novembro/Dezembro de 2015 da revista Comer. Algumas informações podem estar desactualizadas

 

 

A pergunta era simples e dispensava explicações e justificações. Quais são os seus nomes de referência na cozinha, de alguma maneira, os seus “ídolos”? Foi sobre isto que questionámos 12 chefes a trabalhar em Portugal, um pouco por todo o País, com diversos estilos culinários, de diversas gerações. Podiam dar nomes de chefes profissionais ou pessoas de família. Vivos, retirados ou mortos. Portugueses ou estrangeiros. Cozinheiros, teóricos, autores de livros, amigos, o que quisessem, valia tudo. Aqui vão as respostas, mas fique já a saber que triunfou a variedade.

 

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:27

O primeiro sinal foi a instalação de uma pequena coluna de som com música, algo nunca visto. Depois, eles que nunca fechavam, fizesse chuva ou sol, ficaram encerrados dois dias. Quando reabriu, perguntei o que se tinha passado e confirmaram a mudança, tinha “outra gerência”. Não só este, do Príncipe Real, mas também o do Camões (na foto, do site da Câmara Municipal de Lisboa), da Praça das Flores, do Largo de São Paulo e do Largo da Sé.

 

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:41

Mesa Marcada no Café Colonial

por Duarte Calvão, em 24.02.17

2pratosCC.jpg

Muito agradável o jantar que tive no domingo passado no Café Colonial, o restaurante do novo hotel Memmo Príncipe Real. Pratos de sabores nítidos e estimulantes, bem apresentados (salvo numa excepção), a preços sensatos. Serviço impecável, simpático e bem informado. Ambiente acolhedor, bem mobilado e bem iluminado, com a vantagem da vista sobre a cidade. E até gostei da música ambiente - eu que só ligo a esse aspecto quando ele me incomoda - animada e diferente, no volume certo. Por isso, vou certamente voltar a este belo espaço cuja cozinha está entregue desde a abertura a Vasco Lello, mais um discípulo de Aimé Barroyer, dos tempos em que o chefe francês oficiava no Valle-Flôr, do hotel Pestana Palace, também em Lisboa. Antes do Memmo, Vasco Lello esteve também no Flores, do Hotel Bairro Alto, onde já mostrava muito do que é capaz. Acho que agora deu um passo em frente.

 

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

Justa Rissois.jpg

 Justa Nobre, numa ocasião em que me tentou ensinar a fazer os seus esplêndidos rissóis. Não aprendi, tenho que tentar de novo, se ela tiver paciência. (Foto: Cristina Gomes)

 

O nome, “À Justa”, deixa adivinhar uma cozinha mais pessoal, mais “de autor”, mas ela não se descose e apenas adianta que será “cozinha portuguesa”. “Como sempre fiz”, sublinha. No entanto, quem conhece alguns dos seus clássicos, desde a sopa de santola ao robalo à Justa, sabe que não é bem assim, porque a nossa mais conhecida e experiente chefe de cozinha confere um toque especial àquilo que faz, apesar de quase sempre serem sabores bem reconhecíveis como portugueses. Vamos então esperar para ver o que ela nos apresentará lá para Abril quando o novo restaurante abrir na Calçada da Ajuda, 107, com os seus 38 lugares.

 

 

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:57

Ladurée abre loja em Lisboa

por Duarte Calvão, em 09.02.17

laudree_macaroon.png

 

Podem ser a melhor coisa do mundo, firmes por fora, suaves por dentro, de sabor equilibrado, desfazendo-se na boca como uma nuvem. Ou podem ser pesados e açucarados, pegando-se aos dentes, sem interesse nenhum. Infelizmente, desde que se tornaram moda por cá, é muito fácil encontrá-los na má versão e raríssimos na boa. Mas tudo isso vai mudar em breve, porque a lendária casa parisiense Ladurée, fundada em 1862, que tornou os macarons (na foto) famosos, vai abrir uma filial lisboeta em plena Avenida da Liberdade, para deleite de todos os gulosos (até para mim, que não sou lá muito de doces), no centro que fica mesmo ao lado do Teatro Tivoli.

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:46

Enquanto se espera o comboio

por Duarte Calvão, em 04.02.17

Maçã VerdeJPG

Cheguei 15 minutos antes e achava que estava com tempo, por isso fiquei surpreendido quando na bilheteira da estação de Santa Apolónia me disseram que o comboio das 14h para o Porto estava esgotado, esgotadíssimo, completo, sem lugar de nenhuma espécie. Agora, às sexta-feiras parece que é quase sempre assim. Não tinha outro remédio senão esperar pelo InterCidades das 15.30h. Claro que fiquei contrariado, mas também contente. Será que nos estamos a transformar num país mais civilizado, preferindo meios de transporte seguros e amigos do ambiente, em vez de nos andarmos a matar a combustíveis fósseis nas autoestradas?

 

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:48


PUB


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Mesa Marcada apoia:


Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira os premiados e as listas...



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Maio 2017

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Comentários recentes

  • Artur Hermenegildo

    Ao que diz o Bloomberg, o Gaggan, nº7, irá fechar ...

  • Duarte Calvão

    É curioso, não tinha noção de que o êxito do Henri...

  • Adriano

    Juntando os erros ortográficos que dou aos que o t...

  • Adriano

    Gosto bastante da comida do Sá Pessoa. Também é do...

  • Faz de Conta

    É bom "conhecer" quem admiramos pelo trabalho demo...


subscrever feeds