Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Porto tonic

por Miguel Pires, em 03.03.10

Eles vão lá estar: de hoje até domingo, no Porto, na Essência do Vinho 

 

 

Henrique Leis (dia 4), Vincent Farges (dia 5), Hans Neuner (dia 6) e Siegfried Danler-Heinemann (dia 7); Ana Paula Neves (“Epicure Sommelier do Brasil, no dia 6) ; João Pires (master sommelier)

 

 

(consultar programa, aqui

 

 

 

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:23

Passa por mim atrás do Rossio

por Miguel Pires, em 03.03.10

 No Martim Moniz, em Lisboa, existe um restaurante goês cujo anfitrião gosta que os amigos passem a palavra a outros mas não gosta de aparecer em guias (“é uma chatice, depois é só para aqui estrangeiros e fico sem lugar para os clientes habituais”). Existe também uma marisqueira chinesa no 5º andar de um sui generis centro comercial a que só se chega sabendo-se ao que se vai - uma vez que não existe qualquer referência sobre a sua existência.

 

bojés de grão (uma das pouca fotos decentes do jantar no Tentações de Goa)

 

Estamos no bairro mais multicultural de Lisboa, uma espécie de ‘Chinatown meets Little Índia & África lusófona’. Habituado a passar-lhe ao largo vindo das delícias do mar (e do prego) da cervejaria Ramiro, até há pouco tempo, as minhas incursões resumiam-se a frequentar esporadicamente alguns dos supermercados étnicos da zona. Mas desta vez havia um isco que há muito queria morder, o Tentações de Goa, o tal cujo anfitrião, Jesus Lee, não gosta de muita publicidade. E percebe-se porquê. A sala é pequena e a família por afinidade não cabe toda no local. Portanto os presentes – excepto um ou outro pára-quedista, como nós - são clientes assíduos que há muito foram passando a palavra trazendo outros para o clube. No entanto fazendo algum ‘googling’ percebe-se que há clientes habituais que possuem um estatuto que lhes permite, por encomenda e/ou em datas específicas, o acesso a determinadas iguarias mais difíceis de apanhar (como o caril de cabeça de peixe). No entanto, no menu, existem argumentos que bastem para voltar várias vezes sem ter que invejar os ‘mimo’ exclusivos. Se não vejamos: as chamuças - tanto as de carne como as de camarão – são de comer e chorar por mais (picantes na proporção certa). Os bojés de grão, de boa fritura (tal como as chamuças), vêm acompanhados de ‘chetni’, um refrescante molho de iogurte batido com malagueta e folhas de coentros e de menta. Nesta altura é bom que já se tenha escolhido o que se vai beber. A cerveja acompanha bem, mas o vinho branco, como o Alvarinho que escolhemos (Roland, 12.50€) torna a refeição mais leve. Nos pratos principais seguiu-se a sugestão e começámos por um caril de caranguejo que era de facto muito bom, mas em que o sabor do bicho não era tão evidente quanto esperava. Equilibrado e apaladado, o xacuti de cabrito, especialidade goesa onde entra coco e uma miríade de especiarias (açafrão, cominhos, cravinho…). Depois, as sobremesas, foram do melhor que alguma vez comi desta proveniência. A bebinca, ‘pudim’ de finas camadas (cozidas uma a uma), apresentou-se mais escura do que o habitual a evidenciar um torrado que lhe conferia um sabor próprio sem que se sobrepusesse ao característico travo a cardamomo. Igualmente equilibrados e deliciosos, os pequenos losangos de doce de grão de consistência enqueijada, que segundo consta derivam das azevias alentejanas.
O serviço é Jesus Lee e este é a alma da sala que, com Maria dos Anjos, na cozinha, forma a dupla de sucesso desta ‘casa de família’ (nota: a marcação é fundamental, nomeadamente às 6F e Sábados onde, ao jantar, só aceitam marcações para as 20h ou para as 22h).

dim sum

 

sapateira  com  cebolinha e gengibre

 

pato lacado

 

No dia seguinte foi a vez de seguir uma pista encontrada no fórum online, NovaCritica. O título (“há por aí corajosos?”) deixara-me intrigado e as fotos de iguarias, curioso: burriés salteados, ovos de mil anos, línguas de pato, pernas de rã com sabor exótico, ou alforrecas. Nesse post fazia-se referência ao 5º andar do Centro Comercial do Martim Moniz. Acontece que chegando a esse piso mais parecia que estávamos uma zona residencial. De repente alguém com ar de cozinheiro surgiu à frente mas viria a responder negativamente quando lhe perguntámos da existência de um restaurante. Não desistimos e resolvemos investigar. Quando pensávamos que iríamos encontrar um espaço clandestino refundido eis que se nos afigurou um típico e bem iluminado restaurante chinês. Cadeiras e mesas iguais à de todos os outros, colunas de som enormes para sessões de karaoke e empregados sorridentes. A marcar a diferença um aquário repleto de crustáceos. Da carta do Hua Ta Li (assim se chama restaurante) não fomos para o seu lado mais exótico, mas queríamos algo que fugisse ao habitual. Mas também algo de reconfortante (uma espécie de plano B, não fosse a experiencia correr mal). E assim começámos por escolher uma sapateira que veio em pedaços, frita e servida com um molho de cebolinha e gengibre. Apesar da consistência do recheio da carapaça (cozinhado) não ser fantástica, a mistura com o referido molho tornou o conjunto muito saboroso. Antes disso tínhamos recebido um prato de dim sum, que eram para a mesa do lado. Tinham tão bom aspecto que nos atirámos a eles. O sabor condizia com o aspecto. Bom recheio (carne de porco e cebolinho) e cozedura correcta. O plano B foi um pato lacado de que também agradou: carne firme, tenra e de pele estaladiça qb. Acompanhámos com Tsing Tao, cerveja chinesa e dispensámos a sobremesa (quase todas à base de fritos).
Quanto ao serviço foi assim para o desastrado mas sempre de sorriso na cara: houve um pedido trocado; uns talheres que voaram e caíram à nossa frente enquanto nos mudavam os pratos e um interesse maior no talk show chinês televisivo do que em nós. Mas nada que não nos faça querer voltar e recomendar. Este Hua Ta Li, o Tentações de Goa, as mercearias e pequenas lojas de especiarias e outros locais que desconhecemos mas que nos estimulam os sentidos (nomeadamente o palato). É também na sua vertente multicultural que uma cidade cosmopolita se define. E este mundo fica mesmo aqui, em pleno centro de Lisboa.


Tentações de Goa
Rua S. Pedro Mártir, 23 r/c – Lisboa; Tel: 21 8875824 (preço da refeição c/ vinho: 44€, 2 pax)


Hua Ta Li
Largo Martim Moniz, C.C. Martim Moniz, 5º andar, Lisboa Tel:218869293 (preço da refeição c/ cerveja: 35€, 2 pax)
 

Texto publicado originalmente no suplemento Outlook (Diário Económico) em 27 Fevereiro 2010.

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:03


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira as listas completas



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub



Calendário

Março 2010

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Comentários recentes

  • Anónimo

    Das coisas mais inteligentes (e bem informadas) qu...

  • Paulina Mata

    Duarte, curiosamente e por mera coincidência, tamb...

  • Anónimo

    OBRIGADO PELA BOA LEITURA COMO SEMPRE ASSUNTO MUIT...

  • Artur Hermenegildo

    Subscrevo inteiramente. É um facto que é muito imp...

  • Anónimo

    Parabéns pelo artigo fantástico


subscrever feeds