Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais do dobro?

por Rui Falcão, em 03.05.10

Sim, sim, todos sabemos que as garrafas magnum, com o dobro da capacidade das garrafas “comuns”( de 0.75l), são o formato ideal para um demorado e estável envelhecimento em garrafeira. Embora por ora a ciência ainda não consiga esclarecer na íntegra os verdadeiros porquês para este envelhecimento mais pausado, a sapiência comum afiança que a existência de um mesmo volume de ar (nos dois formatos, 0.75l e 1.5l) para o dobro do volume de vinho na garrafa magnum será um dos principais factores responsáveis por esta evolução mais compassada.

Em Portugal, infelizmente, as garrafas magnum parecem continuar a amargar de um desdém quase universal, um desprezo igualmente repartido por consumidores e produtores. As razões serão seguramente variadas e complexas … mas desconfio que o preço excessivo e quase indecoroso das versões magnum seja o condicionante principal para a falta de popularidade do formato magnum. Afinal, porque é que, por regra, as garrafas magnum terão de ser comercializadas a muito mais do dobro do custo de uma garrafa “regular”, aproximando-se usualmente do triplo ou quádruplo do preço da mesma garrafa na versão “normal”? Que justificações poderão existir para este acréscimo de preço grotesco?

Leia ainda:

Tags:

publicado às 10:18


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog