Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Há quatro anos que o crítico espanhol Carlos Maribona, do jornal ABC e do influente blog Salsa de Chiles, acompanha a evolução de alguns dos mais conhecidos restaurantes de Lisboa. Mais uma vez esteve por cá por ocasião do Peixe em Lisboa e fez várias visitas a restaurantes, que descreve neste post. À medida que em Portugal a crítica gastronómica séria vai diminuindo, análises como as de Maribona ganham cada vez maior relevância.

Leia ainda:

publicado às 14:55


20 comentários

Sem imagem de perfil

De vitor a 26.04.2011 às 19:26

Caros,

Pois eu não estou tão certo da nossa falta de críticos.
Sempre achei que não entendemos a nossa proporção das coisas. Somos muito mais pequenos, logo temos menos. De tudo! Restaurantes e críticos de restaurantes.
Temos menos e cada vez menos? Pois eu acho este blog uma amostra exactamente contrária. Lembro-me de há poucos anos (poucos) haverem duas ou três figuras que de um modo geral (tentando generalizar tudo o que é publico que alimenta os restaurantes) eram vistas como tal. O José Quitério e o (r.i.p.) Alfredo Saramago. Mais? Neste blog temos logo 3!! (e não vou dizer que são dos melhores, para não ser imparcial).
Posso estar muito longe da verdade, mas se estiver também há de estar grande parte do público. Hoje acredito que há mais e melhor crítica.
Havendo mais, também há pior, claro!
Não vou falar de seriedade. Também não entro em generalizações. Mas dos anos que levo nisto, nunca vi nada que pudesse apontar. Há quem diga que conhece alguem que sabe de outro alguem que viu, mas eu, por sorte ou azar, nunca vi... Quero acreditar que é sorte.
Quanto à critica especifica do post, estou também não muito de acordo. Claro que o Carlos Maribona é um excelente crítico. E isento. Mas não totalmente imparcial. Digo isto, pois me parece (pode parecer muito mal também, porque não conheço muito o seu trabalho) que tende para o muito actual modo espanhol de ver a cozinha (fiquei a pensar nisso no outro post do Capel...)

Passa-se exactamente o mesmo nos vinhos (como eu gosto de comparar os dois...).
Um crítico pode e deve visitar imensos produtores e adegas. E ser amigo de alguns deles (não é obrigado a ser nenhum bicho do mato), e como naturalmente se faz aos amigos, oferecerem-lhes garrafas de vinho. A mim oferecem-me! Eu acho que é natural.
Não fará dele um crítico corrupto, acredito.
Mas será sempre parcial para o tipo ou estilo de vinho que mais gostar.
E no modelo de vinhos "da moda" (não vou generalizar agora, fica para outro post), um vinho mais fino, elegante e menos "impressionante" (para mim quase sempre na negativa do que na positiva), fica a perder...
(já agora, viram o gráfico animado no Expresso desta semana, sobre ser um bom enólogo (quando na realidade deveriam querer dizer enófilo?), começa com a análise onde explicitamente um vinho mais rico é o mais opaco pela cor e viscoso no copo).

No texto do Carlos Maribona incide-se apenas naquele estilo, no que falta a Lisboa da tecno-cozinha. É justo, é. Mas imensa de outra. Que representa o melhor que Lisboa tem e que sempre representará.

Ou não?
Sem imagem de perfil

De José Tomaz de Mello Breyner a 26.04.2011 às 20:47

Belissima análise Vitor. Completamente de acordo com o que escreve.
Sem imagem de perfil

De António Moura a 27.04.2011 às 00:05

Caro Vitor,
É a crítica isenta e credível que permite separar o trigo do joio e eleger bons exemplos, quer para servir o público, quer para dar pistas aos outros restaurantes.
José Quitério enquanto crítico gastronómico ajudou imenso, a seu tempo, a nossa restauração e ajudou o público a afinar o seu gosto.
Outros críticos existem que me merecem respeito e em quem me habituei a confiar, Manuel Gomes da Silva, Fernando Melo, David Lopes Ramos, Duarte Calvão e mais recentemente Miguel Pires. Haverá outros, mas, por desconhecimento meu, ainda não os incluí na minha lista.
Temos muitas revistas, muitos blogs, muitos programas TV, muitas modas, muitas amizades, mas falta, regra geral, uma clara indicação no que toca a crítica da restauração, do que é bom, e do que não é bom. Faltam critérios razoáveis para que uma crítica seja credível. Sobram critérios tipo “Maria vai com as outras” , “espaço novo que está a dar”, decoração bonitinha e público exótico”, “gosto muito deste chefe”, “eu sou crítico, logo como à borla”, “pratos giros que dão belas fotos”, etc. E o problema é que alguns destes “críticos de aviário” acabam por ganhar uma visibilidade maior do a que merecem.
Eu pago as contas dos restaurantes onde vou e tenho que lamentar que existam tão poucos restaurantes novos com qualidade que mereça uma segunda visita. A tal ponto que quando alguém me faz a pergunta fatídica : “Mas quais são os teus restaurantes preferidos?” eu tenha que me refugiar quase sempre nos mesmos, que sei serem um valor seguro.

Comentar post



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog