Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




1300 Taberna

por Miguel Pires, em 05.04.12

O Codex da Fábrica  

 

Fotos de 1300 Taberna, LisboaFoto: TripAdvisor

 

Em finais de 2007 começou a dar que falar um pequeno restaurante de nome estranho e pouco mais de vinte lugares, onde se praticava uma cozinha irreverente e se idolatrava o Eusébio. Chamava-se (e chama-se) 2780 Taberna - nome que remete para o código postal da zona onde está localizado, Oeiras -  e tinha como sócios, Nuno Barros, que se ocupava da cozinha, e Bernardo Mendonça, que tratava (e trata) de um pouco de tudo e mais um queijo. As ementas ousadas, o preço acessível e um humor muito particular em tudo o que faziam -dos nome dos pratos, ao site, passando pelo livro que editaram - valeu-lhes boas criticas e casa cheia.

 

Bernardo Mendonça manteve-se em Oeiras, onde agora desenvolve a sua ‘baixa cozinha’, um conceito baseado na utilização criativa de produtos menos nobres e na revisitação de velhas receitas.  Já Nuno Barros mudou-se para Lisboa no Verão do passado ano e instalou-se na Lx Factory, em Alcântara, num novo espaço quatro ou cinco vezes maior. Esta mudança valeu-lhe epítetos simpáticos como, “louco”, por ter investido num projecto de dimensões consideráveis, numa altura de recessão. Os bancos não lhe facilitaram a vida, mas Barros não se intimidou: reuniu condições a chutou a bola para a frente.

 

O lugar é amplo e mantém o carácter do espaço fabril que em tempos ali funcionou. Trata-se de um open space de tons escuros com uma intervenção decorativa de bom gosto, recheado de objectos reunidos entre o sótão da avó e a feira da ladra, o que em conjunto com outros criados para o efeito, transmitem uma atmosfera acolhedora. Cabem nele (contando com o espaço exterior) cerca de 100 pessoas, entre uma primeira área de mesas corridas, onde se petisca e se partilha, à carta, e uma outra, mais ao fundo, de mesas individualizadas onde, ao jantar, funciona com menu de degustação.

Parece-me um conceito sensato, inteligente e democrático ainda que alguma da irreverência e novidade tenha ficado em Oeiras. Nuno Barros refere, na ementa, orgulhar-se por “utilizar produtos genuinamente portugueses e de recorrer a pequenos produtores”, a quem compra carne vaca barrosã, porco, flor de sal, batata doce de Aljezur ou vinhos, por exemplo.

 

Nos últimos meses tive a oportunidade de aqui efectuar várias refeições à carta, tanto ao almoço, como ao jantar. Nota-se que ainda há pontas por limar, o que é normal dada a proveta idade do projecto. No entanto, de um modo geral, saí sempre satisfeito. Com a variedade das propostas, com a fuga ao previsível, com a confecção e, sobretudo, com a qualidade vs. preço. Destas incursões à carta destaco o pão de cerveja Guinness (uma gulodice), o caldo verde taberneiro (uma interpretação interessante do popular caldo português), a pintada recheada com cabidela de galinha, a sandes de entrecosto desfiado com molho de mostarda antiga, as bochechas de porco em molho de (vinho) Madeira com migas de batata e grelos, ou o “pianinho de entrecosto para sujar os dedos” (e lambê-los, acrescento). Não achei as sobremesas um caso sério mas o famoso ‘bolo Eusébio’, um bolo de chocolate 80% dos tempos de Oeiras, tem muitos adeptos e marcha que nem um mimo. Há também um curioso ‘tributo ao snickers’ composto por um bolo húmido de chocolate e caramelo e gelado de manteiga de amendoim e uma a sopa de morangos e manjericão com mousse de iogurte grego e frutos vermelhos, que me parece deslocada na época.

 

 

Fotos de 1300 Taberna, Lisboa
 Foto:TripAdvisor

 

Com a carta bem experimentada tinha curiosidade em conhecer o menu de degustação e para tal calhou bem a recente entrada do primeiro menu de Inverno, inspirado na quadra natalícia. 

 

Reserva para um Sábado de Dezembro às 20.30h. A mesa que nos destinaram fica junto ao bar e à parede da fachada, num plano inferior à janela. A localização não é extraordinária mas reparei que não há muitas mesas para duas pessoas. O ‘entretém de boca’, bolinha de sangueira com um shot de creme de abóbora, não tardou em chegar. O sabor forte do enchido (uma género de morcela de origem transmontana) conjugou-se de forma primorosa com o aveludado suave do creme de abóbora. Inicio auspicioso apenas ligeiramente comprometido por um pedaço de gordura do enchido, de textura tipo pastilha elástica. O primeiro prato foi um carpaccio de polvo com frutas da estação. Em Trás-os-Montes o polvo é um elemento comum na mesa de Natal, mas a versão apresentada evocava mais o verão, o que não se mostrou desadequado, tendo em conta o menu no seu todo e as propostas mais consistentes que se lhe seguiram. Acresce ainda a seu favor o facto de se notar o sabor do polvo (que na versão em carpaccio é muitas vezes insípido) e deste se cruzar bem com as várias frutas, onde se destacavam  o diospiro e a romã, resultando num conjunto de sabores frescos e delicados.

 

Depois foi a vez da ‘amburga’  de cabrito em brioche de cebola. Pode parecer uma provocação colocar um mini hamburger num menu de degustação, mas tem tudo a ver com o espírito da casa. Comida confortável mas longe de ser banal. A acompanhar, em vez de batata frita, dois ‘gomos’ de maçã, uma ideia que funcionou – até lhes perdoei a ‘gaffe’, quiçá de autenticidade, por se terem esquecido de uma parte da cartilagem do bicho no hamburger (só fiquei na dúvida se tratava-se do brinde, ou da fava).

 

Na etapa seguinte o bacalhau lacado com mel e migas de couve rouxa embrulhadas em couve lombarda resultou numa equilibrada proposta de antecipação do bacalhau da consoada com uns pozinhos de criatividade que valorizaram o conjunto.  Para tal contribuiu a qualidade do bacalhau e o domínio da técnica.

 

Depois houve ainda o leitão à ‘Bairradas’ com puré de castanhas e sorbet de laranja/espumante. Conjunto agradável, com sabores portugueses de época apenas algo prejudicado pela pele encorpada do ’babe’, queimada com o maçarico (pareceu-me), mas não o suficiente para ganhar a textura ideal.

 

‘Noite feliz’ era o nome da sobremesa com que terminou a refeição. Toucinho do céu, brigadeiro de coco, gelado de leite creme, redução de Porto... um conjunto fiel ao exagero doceiro do Natal e que considerei uma antecipação desnecessária que destabilizou um menu, até então, equilibrado.

 

O capitulo dos vinhos parece ser aquele cujo desenvolvimento está mais atrasado. A carta é demasiado curta, mesmo tendo em conta que não estamos num ‘ultimate fine dining’. No dia deste jantar havia três espumantes, onze brancos, igual número de tintos e meia dúzia de vinhos de sobremesa (entre fortificados e colheitas tardia). Quase todos são vinhos de pequenos produtores portugueses, excepto um ou outro estrangeiro, destacando-se os do projecto Monte Cascas (Alentejo e Douro), parceiros do restaurante. Ainda assim a gama de preços é variada e o serviço de vinhos correcto (com copos Riedel – embora com a marca do parceiro vínico). Bebemos um Lua Cheia 2010, branco, um Douro de vinhas velhas que se bateu bem até à sobremesa.

Já depois deste jantar informaram-me que em breve entraria em vigor uma nova carta de vinhos mais completa.

 

Para finalizar gostava de destacar o serviço. Em geral os empregados são simpáticos e prestáveis e mesmo quando não têm um conhecimento profundo do que estão a servir, sabem explicar com a aptidão necessária. Eis, portanto, um bom exemplo de informalidade com competência.

 

Ainda com pouco mais de seis meses de vida, e margem para progredir, a 1300 Taberna é, sem dúvidas, um projecto válido no panorama da restauração da cidade e a que conto voltar várias vezes. Pelo espaço, pela variedade de opções e... pelo que se recebe em troca do que se paga.

 

Morada:

 

LX Factory, Rua Rodrigues Faria, 103, Edifício H, Alcântara, Lisboa · Tel:

213649170; Horário: 2ªF, 09.30h/18:30h; 3ªF a 5ªF, 09.30h/00.00h; 6ªF, 09.30h/02.00h; Sab: 07.30h/02.00h

 

Preços:

 

Preço médio com vinho: 15€/20€, ao almoço (com vinho a copo); 30€ ao jantar. Pela refeição descrita, com água e café, pagou-se 38€ por pessoa.

 

Classificação:

 

Cozinha:17; sala: 17; vinhos:15.5

 

Texto publicado originalmente na Revista Wine de Fevereiro 2012


Leia ainda:

publicado às 11:26


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Jorge Castro a 05.04.2012 às 23:00

Os morangos com frutos Silvestres, de pequeno produtor é cómico.. são também biológicos, Portugueses e seleccionados?
Nas revistas falam todos tão bem..
Das 2 vezes que fui a Oeiras, 17 € e pouco o menú (30 com vinho) por pessoa, sem ter outra opção, produtos relativamente baratos e em pouca quantidade, não é barato. A decoração era gira, mas as mesas e cadeiras bastante desconfortáveis.
Imagem de perfil

De Miguel Pires a 11.04.2012 às 11:17

Caro Jorge Castro
se ler bem vai ver que referi que os morangos pareceram-me despropositados naquela época dezembro ). De resto não encontro nenhum radicalismo no discurso a referir que todos os produtos são de pequenos produtores, pelo que não me identifico com o seu comentário irónico.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog