Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Restaurantes que não me querem como cliente

por Duarte Calvão, em 19.07.12

Há uns tempos, num dia de semana, a minha mulher e eu decidimos, por volta das 21.15h, que nos apetecia jantar fora e saímos sem destino definido nem mesa marcada. Ao passar em São Pedro de Alcântara, achámos que seria interessante tentar o The Decadente. Já tinha tentado ir lá uma vez com uns amigos, mas ao tentar marcar de véspera, disseram-me ao telefone que já estavam cheios. Como foram bem educados e agradáveis, fiquei com boa impressão e vontade de lá ir.
Logo à entrada, havia uma menina simpática, que nos acolheu muito bem e nos convidou a passar à sala de jantar. A parte ao ar livre estava cheia, mas na sala havia muitas mesas vazias, talvez metade. Lá, uma outra menina quis saber se tínhamos reserva. Disse que não e foi aí que as coisas começaram a correr mal. A tal menina tinha que falar com o responsável por aquelas mesas vazias (cujo paradeiro ela desconhecia no momento) para ter autorização, não sabia se estaria tudo marcado, apesar de já serem 21.30h e não haver nada a assinalar reservas. E lá ia olhando para o livro das marcações diante de si, sem tirar nenhuma conclusão...Claro que disse que não era preciso se incomodar mais e despedi-me perante tanta falta de profissionalismo. Não pretendo voltar.
Seguimos na direcção do Chiado e lembrei-me de experimentar o Babete, outra abertura recente, especializado na chamada “comida de boteco” brasileira, de que tanto gosto e de que muitas vezes tenho saudades. Desta vez, o restaurante estava mesmo cheio, com uma mesa de umas dez pessoas que estavam a chegar, mas uma tímida e simpática empregada brasileira conseguiu descobrir-nos uma solitária mesa para dois, ainda que bastante próxima das mesas vizinhas, e ficou nitidamente satisfeita quando viu que aceitávamos a sua sugestão.
Quando já estávamos a ir para a mesa, surgiu uma jovem portuguesa, com ares de gerente, que informou a colega brasileira que iria precisar das cadeiras da nossa mesa para a tal mesa das dez pessoas que estavam a chegar. Fiquei estupefacto (e creio que a empregada brasileira também…) porque havia várias cadeiras vagas em mesas de quatro pessoas, que estavam ocupadas apenas por casais que nelas penduravam casacos e pousavam carteiras e outros acessórios.
Não estava propriamente com grande paciência para discussões com alguém tão pouco profissional e inteligente, mas ainda chamei a atenção para as tais cadeiras vagas nas mesas para quatro. Porém, a gerente não desarmou, dizendo que “as pessoas já tinham posto as coisas ali….” Obviamente que me fui embora com a promessa de não voltar. Acabámos, já passava das 22h, a jantar no Aqui há Peixe, onde, apesar do adiantado da hora, fui logo muito bem acolhido e atendido.
Nada disto que se passou é grave, todos os dias acontecem casos muito piores em restaurantes com mais pretensões do que estes dois, mas porque diabo é que hei-de ir a lugares em que se estão nas tintas para os clientes que os procuram, como o The Decadente, ou em que preferem ter mesas com casacos pendurados em vez de clientes sentados, como o Babete? Felizmente, em Lisboa, opções não faltam, sem termos que aturar meninas tontas (ou meninos tontos), em vez de sermos recebidos por bons profissionais que nos querem como clientes.

Leia ainda:

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:00


2 comentários

Sem imagem de perfil

De A cidae na ponta dos dedos a 20.07.2012 às 14:12

Boa tarde Duarte,

Escreveste um post com um dos restaurantes onde mais janto ultimamente em Lisboa, por isso tenho de manifestar a minha opinião. Eu acho que o The Decadente tem uma das melhores equipas de Lisboa, tão boa e profissional que até já os trato por tu de tão simpáticos e prestáveis que são. O The Decadente tem uma família por trás, do qual me tornei fã pelo sentido de testemunho que o nosso país tanto precisa, de visão, pelo sentido de equipa e até de família com os próprios empregados. Não me canso de os usar como um dos melhores exemplos da cidade dos últimos tempos. É um restaurante muito à frente a nível humano, porque não faz uso de nenhuma hierarquia entre alma humana e também por isso a ideia de mistura entre os portugueses e os estrangeiros que chegam do The Independente, hostel que como sabes habita os andares de cima. Por isso é um restaurante que adoro porque tem grande sentido de mundo e mente aberta. Gostam da diferença e eu adoro isso… é uma lufada de ar fresco para Lisboa em que muitas vezes põe rótulos nas classes, hábitos de distância e religiões. (Já respondo à tua questão mais à frente, mas achei importante dar-te a visão do todo

Como sabes há restaurantes, que por serem bons ou estarem na berra têm uma lista de espera do tamanho do mundo. E pode ser uma questão de moda, mas não acredito. Ainda hoje ligo dois dias antes para o Buenos Aires (outro sitio que adoro com imenso mundo e de mente aberta) e não têm mesa. A minha experiência de cidade diz-me que o The Decadente será outro lugar assim, intemporal, porque têm um serviço e um preço qualidade imbatível. Um dia entrei pela cozinha dentro, tu e o Miguel já me conhecem ;-)… e percebi como o conseguiam. O chefe Nuno Bandeira de Lima não brinca em serviço e não há desperdício na cozinha. Acho de um sentido de sustentabilidade e visão de negócio muito consciente. A Família D’Eça Leal que constitui a direção (um Pai e quatro irmãos) estudaram e trabalharam anos fora e podiam ter os empregos que quisessem na banca, etc.., mas em vez de apostarem numa vida mais confortável e com prémios anuais com os dígitos londrinos decidiram chegar-se à frente e investir em Portugal, um país que precisa mais do que nunca de estoicos e loucos com esta garra e sentido unidade.

Sobre a tua questão, sei que o The Decadente guarda sempre 50% da sala para passantes e a lista de espera já deveria estar cheia com pessoas que deveriam ter passado antes de ti. Por alguma razão ou pelo calor que se tem feito sentir talvez essas mesmas pessoas tivessem ido ao Miradouro ver a nossa linda Lisboa….não sei… A mim também já me aconteceu ver metade da sala vazia e não terem lugar para mim. Para teres uma ideia eles estão a servir mais de cem jantares por dia. De segunda a domingo, dá para acreditar? De facto, dado a conjuntura é incrível… e isso prova que querem muito os clientes e que os tratam bem, senão não aconteceria… Sei disto porque uso o terraço e o bar deles muitas vezes como escritório (adoro escrever com o movimento da cidade à minha volta) e sou grande observadora. Mal entendidos há em todo o lado e o que pode ter acontecido, digo eu que vou lá bastante, terá sido clientes que estivessem chegado antes de ti terem ido dar uma volta ou estarem a serem mudadas, do bar para o restaurante ou até poderia ter havido um ou outro cancelamento e como o chefe de sala não estava presente por alguma razão aconteceu o mal entendido.

(continua... )
Sem imagem de perfil

De silveira a 10.10.2013 às 21:10

Já lá fui e não gostei.

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Patrocínio


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Confira as listas completas



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Pub





Calendário

Julho 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Comentários recentes

  • João Faria

    Descobri-a há uns bons anos, lá fora. Desde então,...

  • Ana Paula

    OláEncontrei essa couve no Pingo Doce este fim de ...

  • Artur Hermenegildo

    Fomos ao Local há dias, já com a nova equipa de Ma...

  • Anónimo

    Apesar dos problemas pessoais''cuidar das crianças...

  • Duartecalf

    ??"Por último, Joaquim Figueiredo, porventura o no...


subscrever feeds