Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A essência do Epur esteve cá em casa

por Miguel Pires, em 25.04.20

IMG_5263.jpg

 

Sim, também tenho saudades de ir a restaurantes. Não só da comida, mas também do serviço, do ritual, do convívio. E não é tanto dos lugares de cozinha caseira ou mais tradicional, porque esses sabores, bem ou menos bem, ainda vou conseguindo ir buscá-los aos livros, à memória e às receitas de família. O que tenho saudade, mesmo, é daqueles pratos que vão além do expectável, que estimulam sentidos, que me deixam arrebatado. Tenho saudade da sua beleza, da clareza dos sabores, da técnica e do talento criativo. Vincent Farges é um dos chefes em Portugal, cujos trabalho está nesse patamar. Sou fã desde os tempos da Fortaleza do Guincho e assim continuo desde que abriu o Epur, no Chiado, em 2018.

 

 

Depois de um período inicial de confinamento devido ao coronavírus, no passado dia 5 de Abril, o restaurante anunciou no Instagram que ia passar a fazer entregas ao domicílio, sendo o primeiro e único restaurante com estrela Michelin, em Lisboa - e no país, creio -, a fazê-lo (entretanto, o Eleven acaba de anunciar que também vai a jogo).

 

Uma das questões que se colocava era saber se este tipo de cozinha mais sofisticado viajava bem (mesmo que no nosso caso a distância a percorrer fosse pouco mais de um 1km). Porém, certamente já a prever a questão, o restaurante avisava nesse post inicial: “não vai ser um delivery de fine dining, mas a essência Epur, no que toca a sabores, texturas e criatividade, continuará presente (inclusive nas opções vegetarianas)”.

 

Olhando para o menu dava para perceber isso, que os pratos e as confecções tinham sido escolhidos para levarem essa essência a casa. Importa desde já referir que os pedidos têm de ser efectuados de véspera para serem entregues no dia seguinte, entre as 15h e as 19h. Ou seja, os pratos quentes têm de ser aquecidos.

 

Com excepção das entradas, em que a rillete de pato, shitake e caju e o tártaro de peixe, capuchinhas e cédrat eram para consumir frios ou à temperatura ambiente (tal como as sobremesas, aliás) as outras duas entradas e os quatro principais teriam de ser então regenerados.

 

A encomenda trazia uma nota com um poema de Drummond de Andrade e outra com a indicação de que os pedidos que vinham com uma marca vermelha necessitavam de ser aquecidos e que tal poderia ser feito “na panela, no sauté ou no micro-ondas”, sendo que neste caso deveria ser retirado da embalagem de alumínio. A explicação pareceu-me vaga e fiquei uns segundos a pensar qual o melhor método para cada um dos pratos: o gratin de marisco com molho de crustáceos parecia-me óbvio. Seria no forno, só com a salamandra (a grelha de cima). Já o pombo Wellington ia precisar de forno mas sem essa parte de cima (160º uns 10/12 minutos foi o suficiente para o interior atingir uns 60º). A dúvida era se a entrada de legumes, açafrão, gengibre e coentros devia levar um toque de calor e se o peixe da lota, alho francês, e lutecens deveria ser aquecido no forno ou na frigideira. Após uma mensagem ao chef, veio a resposta. As primeiras coincidiam, os legumes podiam ser reaquecidos ou não (acabei por fazê-lo em banho maria) e o peixe com os vegetais poderia ser esquentado com cuidado numa frigideira.

 

Talvez esteja a ser um pouco preciosista e talvez achem que estou complicar. Porém, acho interessante saber qual o melhor método para tirar o maior partido destes pratos e, nesse sentido, parece-me importante que sejam dadas indicações mais precisas. Depois o cliente logo avaliará se quer dar-se a esse trabalho (que não foi grande) ou não.

 

Posto isto, a minha apreciação é muito positiva. O gratinado de marisco, em porção bem simpática estava muito bom, rico em sabor e com os mariscos num bom ponto de cozedura; na entrada vegetais, mais pequena (mas também com um preço muito mais baixo) destacavam-se as óptimas alcachofras, (estamos em plena época) e o peixe da lota, que não consegui descortinar qual era, aquentou bem o calor e manteve-se suculento - brilhante o molho de cedrat que o acompanhava (comprava um litro daquilo!). O mesmo aconteceu com os vegetais que o acompanhavam, que além de ricos mantiveram a textura certa. Porém, o ponto alto foi mesmo o pombo Wellington. Até parecia que Vincent Farges estava aqui na cozinha a prepará-lo. Massa folhada perfeita, duxelles (recheio de cogumelos finamente cortados com que é envolvida a carne) como manda a regra, carne avermelhada e sabor assertivo. Top, top!

 

Para finalizar, montei o baba ao rum: primeiro o “bolo” húmido, depois o carpaccio de ananás ao lado, a seguir uma colherada do creme de ananás ao meio e por fim a calda de rum a aromatizar e a embebedar ligeiramente tudo aquilo. Não me ajoelhei e rezei, mas lambi os dedos.

Pombo_Wellington.jpeg

o pombo Wellington 

 

pratosepuremcasa.jpeg

A sequência de pratos no sentido dos ponteiros do relógio: gratin de marisco com molho de crustáceos, a entrada de vegetais, molhos aquecidos em banho maria e o prato de peixe. Prometo que para a próxima irei empenhar-me mais nos empratamentos, mas a fome apertava

 

babaaorum.jpg

Baba ao rum

 

Gostava de ter trocado umas impressões com Vincent Farges mas apanhei-o muito ocupado entre a cozinha de manhã e as entregas à tarde, mas segundo percebi pelo colaborador que veio entregar a comida, o delivery teve muito boa aceitação logo no inicio e tem resultado bem, sobretudo aos fins de semana.

 

Dá para perceber, até pelo preço - esta refeição ficou em 68€, para duas pessoas, praticamente o mesmo que o menu mais simples sem bebidas do restaurante, para uma pessoa) que esta é uma situação de recurso. Porém, como dizia num post anterior Marlene Vieira , citando o André Magalhães, “mais vale ter a torneira a pingar, que sempre dá alguma água, do que fechada”. Já eu diria que, para nós, adeptos e clientes, é um privilégio.

 

EPuremcasa.jpeg

 

P.S. Mãe, se calhar menti um bocadinho no primeiro parágrafo deste texto, mas não leve a mal. É claro que também tenho saudades da sua comida e dos almoços de domingo em família.

 

Escolha o vinho para acompanhar a sua refeição em vinhoemcasa.com, patrocinador desta rubrica, onde pode encontrar mais de 40 referências das principais regiões vitivinícolas nacionais.

 

A essencia do Epur em casa:

Encomendas pelo tel.: 924 437 471: de 2ª a 6ªF entre as 9h e as 14h;

Entregas: de 3ª a Sábado, entre as 15h e as 19h. (sempre no dia seguinte à encomenda).

Entregas em Lisboa (valor minimo de 50€) e em Cascais, Estoril e Oeiras (valor mínimo 75€)

 

 

Patrocínio:

VinhoemCasa_banner.png

 

Post relacionados:

. A cozinha de Marlene Vieira esteve cá em casa

. A Taberna da Rua das Flores esteve cá em casa

. A cozinha de Vítor Sobral esteve cá em casa 

 

Leia ainda:

publicado às 14:54


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog