Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A festa da(s) cozinha(s)

por Miguel Pires, em 10.05.15

_MG_8110 copy.jpg 

Há dias em que tudo se parece conjugar para que as coisas resultem. Em 2013, quando o Vila Vita Parc organizou a primeira kitchen party – na altura, no âmbito da Rota das Estrelas – a meteorologia teve um papel importante no sucesso do evento.

 

 _MG_8087 copy.jpg

Ontem, no Algarve, a temperatura subiu mais, aos vinte e muitos graus, contribuindo para que o êxito fosse ainda maior. Isso era evidente nos rostos dos presentes (cerca de três centenas de pessoas) que puderam disfrutar da bela envolvente exterior, a par das propostas dos chefes, produtores, representantes de vinho e de produtos gastronómicos convidados. O desafio, mesmo, era conseguir usufruir de tudo.

_MG_7792 copy.jpg

_MG_8311 copy.jpg

Eram várias as estações de cozinha espalhadas por todo o espaço do evento, com produtores pelo meio. Logo, em teoria, era como se tivéssemos um menu de degustação de 20 pratos, com vinhos e várias iguarias à escolha. O ambiente festivo, o registo informal, a possibilidade de experimentar pratos de restaurantes conceituados feitos no momento e o contacto directo com cada chefe, parecem ser razões mais do que suficientes para entender o sucesso da festa.

_MG_8224 copy.jpg

No interior, junto à porta de entrada o italiano Rolland Trettl (foto de cima) servia uma interessante sopa de queijo gruyère e chalotas – feitas no forno em cima palha e sob uma crosta de uma massa de pão. Uns metros à frente Joachim Koerper, do Eleven (Lisboa), preparava uma vieira com ketchup de pepino, o mesmo marisco de concha escolhido pelo chef londrino Russel Bateman numa fresca composição com panacota de espargos, ervilhas e granizado de maçã e azeda (sorrel). Por sua vez, ao seu lado, Leonel Pereira apresentava um lagostim com endívia e pezinhos de porco, um dos pratos da actual carta do São Gabriel (foto abaixo), enquanto Pedro Lemos (também em foto abaixo) espalhava o aroma de um dos clássicos do seu restaurante: salmonete com molho do assado, choco e ervilhas.

_MG_8544 copy.jpg

_MG_8559 copy.jpg

É impossível nomear todos os pratos, mas podemos destacar mais alguns, como a complexa composição (tendo como base foie gras de ganso e moscatel) de Vítor Matos, da Casa da Calçada (Amarante); a reconfortante bochecha de porco guisada em cerveja preta, de Vincent Farges do Fortaleza do Guincho; a elegante e saborosa criação de lulas e arroz (tufado), de Rui Paula; o “baixa-mar” (arroz cremoso, algas, percebes e lingueirão), da nova carta de João Rodrigues no Feitoria (Lisboa); o fab(g)uloso leitão com gel de laranja de Ricardo Costa do Yeatman (Gaia – Porto), ou a óptima lagosta com coco, manga e alcaçuz do 3 estrelas Michelin Juan Amador (foto abaixo).

_MG_8379 copy.jpg

A fazer a ponte para o capítulo doceiro era inevitável a passagem pelo posto de A Queijaria (Lisboa), para experimentar o stilton e um incrível São Jorge com dois anos de cura, ou pela Joselito para subtrair umas fatias do seu presunto ibérico de ir às lágrimas. Ainda houve espaço para provar a interessante sobremesa de beterraba (em bolo) e gelado queijo cabra, do chefe pasteleiro da casa Raúl Cachola ou o doce salgado de Benoit Sinthon e Yves Michoux do Il Gallo d’Oro.

 

_MG_8189 copy.jpg

 

_MG_8138 copy.jpg

Na vertente líquida eram muitas as hipóteses para harmonizar com os pratos (ou de apreciar a bebida por si só), desde sake a Água das Pedras, com vinhos de várias proveniências pelo meio. Nestes últimos gostei particularmente do novo perfil do Soalheiro Reserva, que se aproxima hoje mais de um Borgonha, sem perder a sua identidade de Melgaço (região dos Vinho Verdes), do elegante tinto duriense Manoella, da Wine & Soul, dos sempre seguros alentejanos da Herdade do Grous, dos “crispy” rieslings do produtor alemão Weingut am Nil, ou dos sempre impecáveis Barbeito Madeira, só para enumerar alguns. E quando já pensava ter chegado ao fim e me restaria agora apreciar um puro da Casa Havaneza acompanhado de um Porto Rozès 40 anos, eis que descubro no exterior o barbecue de entrecosto de Hans Neuner e o tataki de bonito dos japoneses Yoshinori Ishii e Masato Nishihara (na foto de cima). Lembram-se do “regresse à casa de partida” do Monopoly? Foi quase isso, se não tivesse sido conduzido de seguida à Gin After-Party. Sobre esta parte ... “we've come too far to give up who we are / So let's raise the bar and our cups to the stars... we're up all night to get lucky”.

 

Texto de Miguel Pires em parceria com o Vila Vita Parc, no Fine Wines and Food Fair (6 a 10 de Maio); Fotos de Paulo Barata

 

Posts Relacionados: 
 

A bela cozinha de terroir de Jonnie Boer (com tulipas e tudo)

Festa, jantares e estrelas Michelin à farta no Vila Vita (Algarve), até dia 10 de Maio

 

 

 

 

Leia ainda:

publicado às 19:10


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Patrocinador Mesa Marcada


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga-nos no facebook



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Comentários recentes