Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




_MG_5485 copy_live action.jpeg

Quando vemos o menu do restaurante Hertog Jan, de Gert Mangeleer, reparamos que há um predomínio do vegetal. As entradas são apresentadas sempre a partir de um destes ingredientes, independentemente de incluírem outros elementos na sua composição. Por exemplo, há um prato que se chama “abacate”, outro “pepino”, outro “couve-rábano” e assim por adiante. A razão é simples. O projecto que o chef belga construiu com o seu sócio e sommelier Joachim Boudens, próximo de Bruges, começou pela horta, em 2010, sendo que o restaurante, situado na mesma propriedade, apenas abriu em 2014. 
 
 
Tendo em conta este princípio não se esperava outra coisa do jantar de ontem à noite, no Ocean, do que um menu baseado no seu mundo vegetal.
 
_MG_5323 copy_live action.jpeg
 

_MG_5040 copy.jpg

A entrada de abacate, que deu inicio ao jantar (após os snacks servidos no exterior) é bem elucidativa da sua filosofia. O abacate é um ingrediente que, como elemento principal (ou a solo), está longe causar grande excitação. Porém, quando envolvido em pó de tomate, flor de sal e azeite, como na proposta de Mangeleer (na foto, em cima), transforma-se de patinho feio em cisne em menos de cinco segundos. 
 
“Ah, vou passar a fazer isto em casa”, mencionei no final do jantar. “Vais? não creio que tenhas este pó de tomate”, ripostou o chef. “A simplicidade não é simples” é o slogan do belga (que também poderia ser “ vais fazer isso em casa mas é o tanas”). Na verdade, seria uma ilusão pensar de outra forma, sobretudo quando falamos de um restaurante e de um chefe que ganhou a primeira estrela Michelin em 2006, a segunda em 2009 e a terceira em 2011 - ainda antes de mudarem para o novo local. 

_MG_5082 copy.jpg

Mas continuemos no jantar que a procissão ainda vai no adro. “Pimento, queijo de cabra, anchova e malmequer” (na foto, em cima) lembra uma viagem  ao norte de Espanha, com o pimento assado recheado com o queijo e o peixe de semi conserva, a evidenciarem a sua personalidade. Contudo, o confronto fez-se em harmonia, ainda que tenha causado alguns problemas ao bairradino Principal Tête de Cuvée 2010 (um rosé português de classe mundial), que tão bem tinha casado com o abacate.  
 
O prato seguinte foi talvez o mais controverso. Apetecível ao olhar, porém demasiado confuso no palato. Cones de couve-rábano recheados de caviar “Royal” belga, melancia fermentada, mozarela e caldo de dashi. O caviar não tem a expressão de um beluga do Mar Cáspio mas o problema veio, sobretudo, do sabor dissonante da melancia fermentada com o dashi – salvou-se o fantástico e ‘crispy’ Royal Palmeira Loureiro 2009 (sim, um Vinho Verde da casta loureiro e de 2009!). 
 

_MG_5133 copy.jpg

A fasquia voltou a subir e de novo com um vegetal como protagonista, desta vez  um espargo branco, gordo, a sobressair no prato (na foto, em cima). Por baixo “bolacha” de tamarindo com forte presença de cominhos, em cima vários tipos de ervas frescas e flores, tudo regado ligeiramente com manteiga liquida com noz moscada. Aqui sim, a profusão de sabores esteve em perfeita harmonia. Os cominhos sobressaiam-se ligeiramente entre os pares combinando bem com o delicado sabor do espargo. Com o vinho a luta foi maior, mas o branco do Dão Bella Superior 2013 teve vida e fruta para o embate. 
 
De seguida veio outro prato difícil: “ravioli” de couve-rábano recheado com enguia fumada e ervas, terrina de foie gras de ganso com uma nota de creme de yuzu pelo meio. Já na mesa, o empregado deitava um caldo feito, igualmente, a partir da enguia fumada. 
 
A ligação entre foie gras e enguia fumada é mais habitual do que possa parecer (é um clássico de Martin Berasategui, por exemplo). Acontece que os sabores intensos deste prato não são consensuais, como foi visível numa observação à sala. Porém, por detrás da estranheza encontrei harmonia, sobretudo no papel do yuzu (citrino japonês) como ponto de ligação. 
 
_MG_5929 copy_live action.jpeg
 

_MG_5177 copy.jpg

Já o prato de carne (fotos de cima) - sim porque Mangeller também é carnívoro – era tão belo esteticamente, como bom de paladar. Duvido que haja alguém que não ame esta proposta (mesmo com umas arreliadoras bagas de pimenta verde pelo meio). E o que o compunha? um guloso naco de vaca wagyu, cogumelos marinados envolvidos em pimento assado, com creme de strogonoff ao lado e lâminas de cogumelos cruas com pó de tomate no topo. Óptima, também, a ligação com o elegante (mas raçudo) tinto bairradino Principal Grande Reserva 2008.
 
_MG_6040 copy_live action.jpeg
 

_MG_5192 copy.jpg

No capítulo doceiro só houve lugar a uma sobremesa, ainda que alguém (je me acuse!) tenha repetido, justificando descaradamente a necessidade de compreender melhor a harmonização com o espumante rosé (Colinas 2009). De facto foi a sobremesa ideal para terminar um menu de grande carácter. Tartelete de ruibarbo com iogurte e flores de sabugueiro, num incrível equilíbrio doce ácido (na foto, em cima). 
 

_MG_5454 copy_live action.jpeg

Hans Neuner e Florian, chef e sub chef do Ocean em acção 

_MG_5953 copy_live action.jpeg

 
Aguardo esta noite para saber o que irá apresentar o alemão Klaus Erfort, do restaurante Gaestehaus-Erfort, (Saarbrücken, Alemanha). Como dizem os ingleses, so far, so good.
 
 

Texto de Miguel Pires em parceria com o Vila Vita Parc, no Fine Wines and Food Fair (6 a 10 de Maio); Fotos de Paulo Barata

 

Posts Relacionados: 
 

A bela cozinha de terroir de Jonnie Boer (com tulipas e tudo)

 
 
 

Leia ainda:

publicado às 17:13


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog