Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




IMG_FB55345353A5-1.jpeg

A noticia do chefe que “devolve” a(s) sua(s) estrela(s) Michelin - bem como o chorinho e as palmadinhas nas costas posteriores - não é nova, a novidade, desta vez,  foi ter sido um chefe em Portugal, Henrique Leis, a dizer que o vai fazer.

 

Cada vez que tal acontece alguém do guia vermelho lá vem explicar que não há entrega nenhuma, há apenas um desejo, uma intenção, como chefes bem sabem - vejam-se os casos recentes de Sébastian Bras, ou de Marc Veyrat, que o pretenderam fazer, mas sem sucesso. É que não se trata de um concurso em que o restaurante se inscreve para vir nele. Como os responsáveis do guia já afirmaram dezenas de vezes, quem atribui e retira estrelas são eles, que visitam anonimamente os restaurantes - ainda que por vezes sejam pouco discretos e todos fiquem a saber que andam por aí - e pagam as contas. 

 

 

Mas isso não interessa nada, porque as noticias continuam a sair com os mesmos títulos, por ignorância, ou para vender mais (na era do digital, leia-se render mais clicks). Mas que importância é que isso tem? Afinal é gastronomia e não uma área nobre do jornalismo como a política, a economia ou a cultura. 

 

Porém, tal como aconteceu em todos os exemplos lá fora, também cá, já depois da noticia se tornar viral, lá aparece alguém com maior lucidez que vai ouvir (infelizmente sem o mesmo impacto) quem de direito, um responsável do Guia Michelin Portugal e Espanha, como foi o caso da Alexandra Prado Coelho (e antes o Fernando Brandão do BCBM). A noticia da qual retiro o bem elucidativo parágrafo (abaixo)  pode ser lida aqui

 

Mas Ángel Pardo Castro explicou à Fugas que “a decisão já está tomada porque o guia [a próxima edição sairá em Novembro], com a decisão dos inspectores, já está quase 100% fechado”. O que quer frisar é que essa decisão – que não pode revelar antecipadamente – prende-se exclusivamente com a avaliação que foi feita, na sequência de várias visitas, pelos inspectores e não é de forma alguma influenciada pela carta enviada a 12 de Junho por Henrique Leis para o Guia – e que, confessa o responsável pela comunicação, foi recebida “com surpresa”.

 

Enfim... intencionalmente ou não, a verdade é que um restaurante de que raramente se ouvia  falar, acaba por por andar neste momento nas bocas do mundo. 

 

 

Leia ainda:

publicado às 21:50


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.07.2019 às 08:53

Propaganda, pura propaganda. Com esta tirada eu e muita mais gente ficou a saber que a taska existe e tem uma Michelin. Claro que para mim é indiferente, não vou fazer um crédito para ir lá almoçar, mas para muitos acéfalos vai ser uma correria para ir lá gastar o que não tem tirar umas fotos para fazer inveja aos amigos e depois ir para casa comer uma sopa porque afinal pagaram muito e saíram cheios de fome.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog