Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




aquihapeixe-40.jpg

A pergunta é frequente: “Onde se come um bom peixe grelhado, em Lisboa?”. A resposta é sempre um tanto embaraçosa porque nunca sei muito bem o que responder. Para mim, peixe grelhado é coisa de se comer à beira-mar (na Praia da Adraga, ou no Meco, por exemplo) e, por isso, é raro optar por tipo de preparação na capital.
 
 
Vem isto a propósito do convite de uns amigos para jantar no Aqui Há Peixe, próximo do Largo do Chiado, restaurante de que não ouvia falar há bastante tempo. Era uma sexta-feira à noite, final de um dia quente de Abril. O percurso entre o Príncipe Real e o Largo do Carmo fazia-se a custo, devido aos alfacinhas que festejavam na rua a antecipação do Verão, a que se juntavam os turistas que não param de afluir à cidade. Ainda não eram 20 horas e o restaurante já se encontrava cheio. Os tons de pele clara corada pelo sol e o som de idiomas centro-europeus, misturados com português tropical, levaram-me de imediato a constatar que seria o único português ali, naquela noite. Torci o nariz e procurei baixar as  expectativas. Teria-se transformado numa armadilha para turistas este “chiringuito de cidade”, “despretensioso e bem disposto”, como um dia o saudoso David Lopes Ramos o caracterizou? 
Na sala, o som de agrado que se faz sentir quando as pessoas estão a passar um bom momento parecia contradizer o mau presságio...
 
Miguel Reino (irmão de Bernardo Reino do famoso GiGi, no Algarve) formou-se como cozinheiro no Brasil nos anos de 1980 e por lá estagiou e abriu o seu primeiro restaurante. Ainda nessa década regressou a terras lusas onde foi dono de vários restaurantes, entre eles o Picanha, que fez sucesso, em Lisboa. Porém, o Aqui Há Peixe viria a ser o seu projecto mais bem sucedido e duradouro. Primeiro, durante 12 anos, na Comporta (ou mais precisamente na Praia do Pego) e desde 2010, em Lisboa, junto ao Largo do Carmo. 
 
O percurso do chefe anfitrião reflecte-se naturalmente no conceito do restaurante. Das influências brasileiras, aos petiscos e pratos de restaurante de praia, com destaque para os peixes grelhados, há de tudo um pouco. Nada muito original, mas quase sempre com um toque pessoal, aqui e ali, a dar-lhe uma certa personalidade.
 
De entrada provou-se três pratos de cariz petisqueiro. Fantásticas, as amêijoas à Bulhão Pato (talvez as melhores que comi este ano) com os bivalves a exibirem  um óptimo porte e qualidade superior, ainda para mais cozinhados no ponto e de acordo com a receita. O segundo petisco foi um pratinho de anchovas, algo raro, por cá, num restaurante.  Confesso que ao ler “da Cantábria” sonhei com as artesanais de Santoña, gordas e de sabor sem fim. Mas quem me manda a mim vislumbrar além do enunciado? Pronto, eram anchovas decentes (por 7€, não poderia esperar mais) em cima de uma rodela de tomate fora de época, logo, sem grande sabor. Dígamos que deu para enganar o desejo. Já as lulinhas com alho e coentros precisavam de maior competência - porventura menos pressa - na cozinha. Pareciam mais cozidas do que salteadas e isso prejudicou o sabor e a textura. Mas afinal estávamos ali pelo peixe grelhado (lembram-se?). Escolhemos um robalo e um pregado, ambos para duas pessoas (mas que deu bem para 5). E o que dizer? Muito bons, qualquer um deles. Carne suculenta e saborosa, a revelar o bom domínio da grelha e a qualidade do produto. Os mais puristas dizem que é um crime escalar um peixe de 1 kg (aprox) como era o caso do robalo, mas a verdade é que a mestria que faltou na confecção das lulas foi injectada em sobra em quem cuida da grelha. Clap, clap, clap! De acompanhamento: legumes ao vapor (feijão verde e cenoura) e batata assada. Tudo para salpicar com umas gotas de bom azeite e vinagre ou molho de manteiga, limão e alho. 
 

FullSizeRender 4.jpg

Amêijoas à Bulhão Pato (com as lulas ao fundo)

 

aquihapeixe-181.jpg
 Robalo grelhado escalado (sem ser assassinado)
 
 
A experiência com o peixe foi tão positiva que, passadas umas semanas, voltámos ao para a molharmos os pés outra vez. Agora, num dia de semana, com menos afluência, mas com mais clientes lusos. Além reincidirmos no robalo (antes que chegue o Verão e a sua gordura natural se perca), repetimos também as amêijoas. E os elogios. Nota máxima para a cozinha e para quem escolhe o produto. Experimentámos ainda as gambas al ajillo, correctas, mas sem ficarem na memória, e um arroz negro de choco, como se faz na região de Valencia. Embora pouco puxado nos sabores, o arroz estava agradável e a maionese de açafrão que acompanhava dava  twist  necessário ao prato. 
 
No campo doceiro, das “sobremesas da Mafalda”, a esposa de Miguel Reino, sobressaiu a encharcada de ovos,  molhada, saborosa e obviamente doce, mas sem exageros.  Interessante, ainda (e menos usual), os figos em calda com hortelã com gelado de baunilha, enquanto o bolo de chocolate com chantilly era agradável mas há melhor por aí. 
 
Em termos de vinhos, a carta do Aqui Há Peixe, com as suas cerca de sessenta referências (com larga tendência para o Douro e Alentejo) enquadra-se no espírito descontraído do restaurante, mas falta-lhe, incompreensivelmente, a mais básica das informações: os anos de colheita. A acompanhar a refeição bebeu-se um Soalheiro 2016, que vai sempre muito bem com peixes e mariscos, e um Quinta de Saes Reserva 2011, com elegância e complexidade quanto baste para se bater a preceito com o arroz negro, por exemplo. 
 
Por último, o serviço. A um sábado, com lotação esgotada (65 lugares) e muitos estrangeiros para tirar dúvidas a probabilidade do atendimento descambar parecia-me certa. Mas não. Em geral, houve eficiência e simpatia, quer nesse dia, quer na segunda visita, em ambiente mais calmo. 
 
Para terminar peço emprestada de novo uma afirmação de David Lopes Ramos (que desapareceu fez 6 anos no dia 29 de Abril), quando escreveu no Público sobre o restaurante: “ (O Aqui Há Peixe) tem tudo o necessário para uma refeição bem disposta e despretensiosa. Não lhe peçam mais”. Desculpa, querido David, mas peço sim: era mais um peixe grelhado para a mesa do canto, por favor!
 
aquihapeixe-197-1.jpg
 figos em calda com hortelã

aquihapeixe-215.jpg

encharcada de ovos

aquihapeixe-155.jpg

O chefe da casa, Miguel Reino 
 
 
Preço médio: 35/40€ (por pessoa, com vinho). 
 
------
 
R. Trindade 18A, Lisboa | Tel: 21 343 2154 | Horário: 12:00–16:00, 19:00–23:00 (encerra à segunda todo o dia e sábados e domingos ao almoço). 
 
 
Classificação:
 
Cozinha: 16.5 ; Sala:16.5; Vinhos:14
 
 
Texto publicado originalmente na Revista de Vinhos Nº330 (Maio 2017) | Fotos: retiradas do site do restaurante, excepto a das ameijoas, de Miguel Pires
 
 
 

Leia ainda:

publicado às 13:46


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog