Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Elemento_Ricardo Ferreira_2.jpg

É difícil não simpatizar com um projecto onde (quase) tudo é cozinhado no fogo. Começando pelo feitiço do “efeito lareira” - o aroma, a chama, o estalar da madeira, o calor na cara - mas também, o sabor e a ideia romântica de ver dominar a arte da cozinha sem bengala da tecnologia. Mas se a confecção no fogo é o gancho que nos atrai ao lugar, passado o fascínio inicial o que realmente importa é se esse elemento distintivo faz mesmo a diferença, se a comida é boa e interessante, se o ambiente é cativante e o preço justo.

 

Ricardo Dias Ferreira, 32 anos, faz parte de um grupo mais ou menos recente de cozinheiros que uma vez finalizado o curso de cozinha, os estágios curriculares e uma ou outra curta experiência profissional, foram para fora com a ideia de adquirir novos conhecimentos ou simplesmente motivados pela aventura. No percurso de Ricardo ambas as hipóteses são válidas e se a passagem pelo três estrelas Michelin de Martin Berasategui, em San Sebastian, cumpriu o primeiro desígnio, a ida para a Austrália em 2012 teve mais a ver com a aventura, mesmo tendo ido trabalhar num restaurante super respeitado como o Quay, de Peter Gilmore. Do outro lado do mundo, Ricardo Dias Ferreira sofreu o que muitos emigrantes sofrem, sobretudo numa primeira fase sem documentos. Trabalhou arduamente horas a fio, foi roubado, ficou sem casa. Porém, superou os obstáculos com que se foi cruzando, aproveitou as oportunidades e foi subindo, ao ponto de, no início de 2017, chefiar os 8 restaurantes do hotel Shangri-La de Sydney e uma equipa de 75 cozinheiros de diversas nacionalidades.

 

Porém, a Austrália fica longe e Ricardo Dias Ferreira queria regressar à terra, abrir o seu próprio restaurante e explorar um novo (velho) conceito de cozinha “no fogo” que começou a surgir um pouco por várias grandes cidades do mundo e que ele acabou por ser pioneiro em Portugal. Com ele veio Patrícia Lourenço a sua companheira e agora sócia, que conheceu no outro lado do mundo. Tendo ambos nascido e sido criados a Sul, o mais natural era encontrarem pouso em Lisboa. Todavia, acabaram por achar um espaço no centro do Porto, uma cidade que não era estranha a Ricardo, uma vez que já tinha trabalhado no Yeatman, em Gaia.

Elemento_cozinha.jpg

O restaurante abriu em 8 de Fevereiro de 2019 e quando lá estive pela primeira vez, um mês após a inauguração, gostei da proposta. Regressei passado um ano e é sobre esta experiência que escrevo abaixo.

 

Era uma quarta-feira de Fevereiro numa noite de temperaturas amenas, como pouco habitual nesta altura, no Porto. O Centro estava calmo, com pouco turistas, revelando uma cidade de época baixa – mas ainda longe dos receios do vírus que tanto nos veio a assustar. Ainda assim, alguns restaurantes pelos quais passei estavam bem compostos, entre eles esta casa da Rua do Almada.

Elemento_balcão.jpg

Balcão do Elemento, em frente à cozinha ( o número de lugares foi reduzido, entretanto) 

 

A configuração do espaço deste lugar não é fantástica, mas está bem resolvida. Há uma primeira zona de espera, seguindo-se a cozinha aberta com um balcão e meia dúzia de lugares pelos quais se passa até chegar à sala. Ao todo, o Elemento alberga um pouco mais de meia centena de pessoas, uma dimensão comum em Portugal.

 

Havia um menu de degustação (9 momentos, 70€), uma fórmula a que recorro com frequência, por me dar a possibilidade de experimentar mais pratos e poder ter mais matéria para me pronunciar. Porém, percebi que dava para pedir várias propostas da carta, sem sair a rebolar e até para negociar a vinda de um dos pratos do menu que me despertara a curiosidade, o pepino do mar. Calma, nada de fazer cara feia, já lá vamos.

 

Lírio curado em sal, raspa de citrinos, molho de salsa e escabeche foi a primeira entrada a chegar. O lírio dos Açores é um peixe incrível dos nossos mares, sobretudo quando comido cru - por isso é tão apreciado nos restaurantes japoneses. Porém, a cura em sal e o toque ligeiramente fumado levam-no para outro lado. Ganha uma textura mais resistente, perde alguma subtileza e, neste caso, tinha um sabor mais intenso. É uma opção válida, mas não creio que seja a melhor forma de valorizar a espécie.

 

O pepino do mar é um produto muito apreciado na China e também aqui ao lado, em certas zonas de Espanha (como a Catalunha), onde dá pelo nome de espardeñas. Possui uma textura e um gosto que lembram a lula, mas supera-a neste último campo do sabor. Foi apresentado muito bem com várias ervas, puré de urtigas e umas interessantes raspas de ova curada de robalo.

 

Muito bom, também, o lingueirão, num ponto algo resistente ao dente, acompanhado de outros bivalves de grande qualidade e um guloso puré de Cebola caramelizada, tutano e água dos próprios bivalves. Um portento de sabor.

 

Por fim, antes das sobremesas veio um rodovalho assombroso, a revelar toda a sua qualidade e frescura. Este peixe achatado que se alimenta de outras espécies do fundo do mar (pequenos peixes, crustáceos e bivalves) dá-se bem com a grelha e no Elemento trabalham-no bem. É cozinhado com pouco sal e acompanhado de espinafres, salicórnia - que lhe dá o toque salgado - e crosnes, um pequeno tubérculo com uma textura crocante. A porção do peixe é servida sem que seja retirada a pele ou a barbatana dorsal, o que até se entende porque uma boa fracção do sabor está nessas partes mais gelatinosas ricas em colagénio. Acontece que a opção de empratamento, com todos os acompanhantes sobrepostos no topo, faz com que não se descortine bem o que está por baixo. Isso leva-nos a pressupor que o peixe vem limpo, o que não aconteceu e em várias garfadas lá apanhamos um ou outro raio da barbatana dorsal. É mais uma textura tipo cartilagem do que uma espinha pontiaguda, porém ou o cliente é avisado que o peixe vem assim, ou o empratamento deveria ser diferente, com o peixe bem visível.

 

Finalizámos a refeição da melhor maneira, com um tofee de gengibre, chocolate 70%, “crumble” de chocolate branco e raspa de citrinos, preparada por uma jovem pasteleira brasileira. Era uma sobremesa pouco impressionante à vista, mas interessante e muito equilibrada, quer nos sabores, quer na doçura. Valeu, Gabrielle!

 

Em termos de proposta de vinho a carta do Elemento contém cerca de noventa referências - umas mais óbvias, outras menos – provenientes de produtores, de pequena, média e grande dimensão, de Norte a Sul, passando pelas ilhas. Um terço dos vinhos são generosos, espumantes e rosés; um terço são brancos; e outro terço são tintos, com estes dois últimos blocos divididos em duas famílias, “mais ligeiros” e “mais encorpados” -  uma divisão interessante que pode ajudar o cliente mas que também pode gerar equívocos (como o de arrumar nos “mais encorpados” dois vinhos “gluglu” como o Nat Cool tinto da Niepoort ou o Humus Tosco). A refeição foi acompanhada Phaunus Pet Nat Bruto 2017, provavelmente um dos melhores e mais versáteis espumantes de método ancestral existentes em Portugal.

 

Por fim, uma última palavra para o serviço apenas para mencionar que o atendimento foi atencioso e prestado com correcção. Bem vistas as coisas, e em jeito de conclusão, o  Elemento é um restaurante que vem valorizar o cada vez mais interessante panorama do sector, no Porto. A proposta traz algo de novo, é estimulante, criativa e, sobretudo, boa. 

IMG_3405.jpg

Lírio curado em sal, raspa de citrinos, molho de salsa e escabeche

IMG_3408.jpg

Pepino do mar, puré de urtigas e ova de robalo seca

IMG_3410.jpg

Lingueirão, puré de cebola caramelizada, tutano e água dos próprios bivalves

IMG_3416.jpg

Rodovalho, espinafres, salicórnia e crosnes

IMG_3428.jpg

Tofee de gengibre, chocolate 70%, “crumble” de chocolate branco e raspa de citrinos

 

Nota:

 

Depois do fecho obrigatório por causa da pandemia do Covid-19, o Elemento reabriu portas em Junho, em fases graduais, obedecendo a todas as regras emitidas pela DGS para o sector, nomeadamente, com a redução do número de lugares para permitir o distanciamento social. À data de publicação deste texto no Mesa Marcada, o restaurante estava a abrir de terça a Sábado apenas ao jantar (19h/23h). Porém, em Agosto, está previsto abrirem igualmente Sábados e Domingos ao almoço. 

 

---

 

Preço médio, por pessoa, com bebidas: 40/50€. Pagou-se por esta refeição, 84€

Contactos: Rua do Almada 51, 4050-036 Porto. Telefone: 22 492 8193 (confirme o horário e os dias de abertura por este meio).

 

Classificação: Cozinha: 17; Sala: 16.5; Vinhos:16.5

 

 

Texto publicado inicialmente na Revista de Vinhos de Junho. Fotos: pratos, Miguel Pirs; as restantes foram retiradas da página do Facebook do restaurante

 

 

Leia ainda:

publicado às 14:06


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Patrocinador Mesa Marcada


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga-nos no facebook



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Julho 2020

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Comentários recentes