Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Diogo Noronha deixa Casa de Pasto e Rio Maravilha

por Duarte Calvão, em 04.10.16

O chefe Diogo Noronha desligou-se do grupo Mainside, no qual esteve nos últimos três anos, abrindo restaurantes como a Casa de Pasto, no Cais Sodré, e Rio Maravilha, na Lx Factory. Aos 37 anos, o chefe prepara-se para iniciar em breve um novo projecto também em Lisboa. “Estes três anos foram importantes para mim, mas surgiu uma oportunidade muito interessante e achei que devia aproveitar”, explicou Diogo Noronha ao Mesa Marcada.

Sem querer adiantar ainda pormenores, o chefe diz que no seu novo restaurante vai “trabalhar mais na linha em que estava antes”, quando chegou a Lisboa em 2009 para abrir o antigo Pedro e o Lobo, vindo de experiências em restaurantes como o Per Se (Thomas Keller), em Nova Iorque, ou Moo (irmãos Roca) e Alkimia (Jordi Vilà), na Catalunha. Ou seja, tudo indica que teremos mais um chefe português com um novo projecto em que pode expressar melhor o seu estilo e talento. A cozinha criativa está a viver um claro momento de viragem em Portugal.

 

Foto: Cook & Chef Institute

 

 

Leia ainda:

publicado às 22:30


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Gastronomico a 05.10.2016 às 00:36

Momento de viragem?? Não acredito que estejamos de algo que seja no mínimo parecido! Precisamos é de cozinha popular de massas.
Sem imagem de perfil

De Adriano a 06.10.2016 às 17:41

Começa a irritar-me um pouco, esta trupe bafienta, que vestidos de uma qualquer capa de "tradição e autoridade" não param de criticar quem ousa ir além, muito vezes arriscando o seu nome (e a sua carteira), para tentar fazer crescer a gastronomia nacional e navegar por caminhos nunca antes navegados.
Mas o que é "cozinha popular de massas"? Será arroz batata frita e salda de alface tomate e cenoura ralada a acompanhar grelhados? É essa a cozinha que faz falta? Não a há no seu bairro?
Será o espírito de cozinheiro gordo, bebado, que liga mais a bola que a comida e cheio de pseudo-segredos de merda que faz falta a gastronomia nacional?
Eu até respeito que se possa ser conservador que se dê tempo antes de enaltecer determinada cozinha, etc, mas ser-se simplesmente apologista de uma cozinha estática é ser-se simplesmente estúpido. E de que tradição pensão estes senhores ser possuidores, acham que os pratos descritos pela Maria de Lurdes Modesto eram aqueles que o Afonso Henriques comia? Há muito prato que vcs acham muito antigo e tradicionais que não chegam a ter 100 anos. Pela ignorância não! Andar para trás não! Não, não e não! Estão muito longe do espírito daqueles antigos que embarcaram em direcção ao horizonte. Não são bons exemplos de portugueses, que tradicionalmente, sempre foram aventureiros e audazes.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog