Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




photo.PNG

 

Este sábado, no suplemento Fugas, do Público, escrevo sobre os bastidores da cerimónia do The World 50 Best Restaurants.

 

"Foi Joan, o chef, a dar o pontapé de saída na conversa. Porém, coube a Josep, o escanção e responsável pelo restaurante, marcar, logo de início, uma posição: “Quando se começou a falar de tecnologia ligada à alta cozinha, nós estávamos lá e não mais parámos. Desde sempre que temos abraçado a inovação tecnológica e a investigação.” E cita, a título de exemplo: “Nos últimos tempos apostámos em redescobrir o território à nossa volta, numa investigação que deu origem a um cadastro com cerca 2200 entradas sobre plantas, das quais, ao longo do ano, utilizamos 400 no restaurante. Trata-se de um trabalho de rigor.” O alvo, ainda que muito subtil e projectado no habitual registo de voz pausado que o caracteriza (aliás, que caracteriza os três), tinha um nome: Noma, o ainda (à altura) número 1 da lista e a sua imagem enquanto restaurante inovador na investigação e utilização de plantas silvestres".

(Ler o artigo na íntegra, aqui) 

 

Mesa Marcada em Londres com o apoio da TAP

 

Posts Relacionados: 

 

Londres: 3 sugestões (+1) onde comer a bom preço

Os Roca estão de novo no topo do mundo

Preparativos finais para a cerimónia do The World 50 Best Restaurants. Será o Eleven Madison Park N°1?

Em Londres, na Taberna do Mercado de Nuno Mendes

 

 

 

Leia ainda:

publicado às 10:06


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog