Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Ramiro em livro (e sem sujar as mãos)

por Miguel Pires, em 28.02.19

IMG_2536.jpg

 

Há já uns anos que Paulo Barata, fotógrafo e organizador do Sangue na Guelra, falava em fazer um livro sobre o Ramiro. Creio que essa vontade é anterior ao artigo que fizemos os dois sobre a popular cervejaria / marisqueira para a revista italiana Cook Inc, em 2017, mas o certo é que aquela casa era (e é) há muito a sua favorita - é lá que leva todos os chefes e jornalistas que convida quando vêm a Portugal. As razões das suas preferências não devem ser muito diferentes das de tantos outros clientes regulares: o marisco, o serviço, e o ambiente familiar que conserva ainda hoje, mesmo com toda a horda de turistas. Porém, como bom fotógrafo que é, o Paulo tinha um grande desejo de captar todo esse ambiente e energia através da lente da sua máquina e ter a seu lado alguém com talento para os descrever.

 

 

Não sei qual foi o procedimento que utilizou para convencer o sempre discreto Pedro Gonçalves - o actual gerente e genro do malogrado Sr. Ramiro - a avançar com o projecto, mas a verdade é que o conquistou e conseguiu arrastar para ele a Alexandra Prado Coelho (APC), jornalista do Publico. O livro é apresentado esta tarde, pelas 18.30h, n El Corte Inglés, mas já tivemos acesso a um exemplar, pelo que aqui ficam algumas impressões sobre o livro.

 

Começando pelo aspecto gráfico, dá para puxar logo por uma nota alta: o formato está entre o livro normal e o álbum de mesa, o que permite a portabilidade e um fácil manuseamento (dá para ler na cama, por exemplo). Depois, ainda que a opção por colunas bilingue possa ser discutível, tem uma paginação limpa, tal como o design, sem rococós nem falsos modernismos, e uma óptima qualidade de impressão, o que valoriza e de que maneira, um dos aspectos fundamentais do livro: as fotos do autor. Toda esta unidade faz inclusive com que as imagens amadoras antigas se integrem relativamente bem com as fotos actuais e profissionais do Paulo Barata.

 

No que diz respeito ao conteúdo e à estrutura dá para perceber que o livro não é uma obra independente (como aliás se pode confirmar na ficha técnica), mas sim o resultado de um acordo entre a vontade dos autores e de quem o financiou, o próprio restaurante. Assim, além da parte histórica e do capítulo, “Um dia no Ramiro”, há toda uma parte dedicada aos produtos e fornecedores, mas tanto num como noutro caso APC escreve com a sua habitual destreza e correção, em tom de reportagem, procurando fugir ao lugar comum e ao rodriguinho emocional.

 

E se o livro do Ramiro está estruturado numa sequência lógica, ou mesmo clássica, há, no início, uma parte que parece ter aterrado como um ovni. Trata-se de um diálogo ao estilo “cadáver esquisito”, entre os italianos Anna Morelli (editora da revista Cook Inc) e Andrea Petrini (Gellinaz, World Restaurant Awards, etc). O diálogo tem momentos meio surrealistas e creio que pretende mostrar uma visão de fora de duas pessoas apaixonadas pelo lugar. Porém, no meio de uma certa bizarria, há uma descrição muito apropriada do italiano com a qual qualquer cliente habitual do Ramiro se identificará:

 

“Bem, confesso que o segredo da singularidade do Ramiro são os dedos peganhentos, o excesso sublime de gordura, a manteiga derretida, o azeite que escorre pelas palmas de ambas as mãos e os guardanapos de papel, que nunca são suficientes. Deixamo-nos enfeitiçar pelo encanto das iguarias que se sucedem umas às outras e das cervejas que bebemos, uma engrenagem posta em marcha assim que nos sentamos à mesa e que parece impossível de travar. As iguarias vêm umas atrás das outras num cortejo ininterrupto de pratos e tachos. Ficamos quase a tremer quando percebemos que não temos controlo sobre a situação, não dominamos os acontecimentos. Resta-nos, ao longo do tempo, deixarmo-nos levar por aquilo que desejámos que acontecesse”.

 

IMG_2538.jpg

IMG_2537.jpg

IMG_2528.jpg

IMG_2529.jpg

IMG_2530.jpg

IMG_2532.jpg

IMG_2533.jpg

 

 “Ramiro” (Ed. Autor/Plátano Editora, 237 páginas, 52€), de Paulo Barata (fotografia e co-coordenação) e Alexandra Prado Coelho (texto) é lançado esta 5ª feira, dia 28 de Fevereiro, às 18.30h, no El Corte Inglés, em Lisboa e poderá ser adquirido no local e em algumas livrarias da especialidade.  

 

 

Leia ainda:

publicado às 16:18


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog