Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




jay_fai.0.jpeg 

Desta vez não se trata de um chefe de cozinha famoso a tentar livrar-se das estrelas Michelin acumuladas sucessivamente durante anos, mas sim de uma estreante. A história vem no Eater.Com e é contada por Rafael Tonon.

 

Pela primeira vez, depois de muita insistência do gabinete de turismo da Tailândia, a Michelin passou a incluir no seu portfólio de guias um sobre Banguecoque. O resultados foram algo modestos, comparado com o que tem acontecido em outras paragens do Oriente e tendo em conta que se trata de uma cidade com 8 milhões de habitantes e um dos maiores destinos turísticos do mundo. Houve apenas 3 restaurantes com duas estrelas (entre eles o famoso Gaggan) e 14 com uma. Porém, tal como tinha acontecido em Singapura e em Hong Kong, houve um espaço de “street food” entre os galardoados com uma estrela, a popular casa Raan Jay Fai, que serve sobretudo omeletas de caranguejo e caris, na zona antiga da cidade.

 

Desde o anuncio, que o local passou a despertar as atenções de muitos turistas, foodies e até das autoridades fiscais, conta o jornalista. Ainda que tenha aumentado exponencialmente a procura, “muitas pessoas vêm aqui só para ver e tirar fotografias e não necessariamente para comer”, queixa-se a chefe e proprietária Supinya Junsuta, que entretanto passou a ser conhecida pelo nome do restaurante.

 

Sem nunca desviar o olhar da wok, que comanda sempre com uns óculos de neve colocados, para evitar queimaduras, Jai Fai afirma ao jornalista que se pudesse devolvia de imediato o galardão.

A cozinheira - cujo o restaurante sempre foi mais caro do que os seus semelhantes por não prescindir de usar produtos de qualidade - lamenta ainda que muitos dos novos clientes chegam com expectativas elevadas e em busca dos “standards” alusivos à estrela e que só nas vezes seguintes é que lhe perguntando pelos pratos favoritos da casa, como fazem habitualmente os clientes habituais.

 

“Antes ou depois da Michelin, nós vemo-nos da mesma maneira, mesmo que outros olhe para nós como um restaurante com uma estrela Michelin. Diariamente, quando um cliente se dirige a nós e nos diz que adorou a nossa comida, aí sim, é que nos sentimos recompensados com um milhão de estrelas”, refere ainda Jay Fai, segundo o jornalista.

 

E é assim, uns pelam-se para tê-las, outros parecem querer nem vê-las. Como cantava o Rui Veloso, “Já nããão há estrelas no céu”.

 

Foto: Rafael Tonon/Eater.com

 

Posts Relacionados: 

Em Banguecoque, no mundo de Gaggan Anand, o chef Nº1 da Ásia 

Restaurantes emblemático de França quer deixar de ter 3 estrelas Michelin

 

 

 

Leia ainda:

publicado às 17:56


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog