Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




_CAB5176_eg catia barbosa.jpg

Decorreu, ontem, no Porto, a final Chefe Cozinheiro do Ano 2019 (CCA 2019), competição que já conta 30 edições e em que participaram os vencedores das etapas regionais ocorridas anteriormente. O vencedor foi Ricardo Luz, subchefe de Louis Anjos, no Bon Bon, Carvoeiro (Algarve), tendo na 2ª e 3ª posições, Bruno Ribeiro, da 1300 Taberna, e João Pedro Santos, do The Yeatman, respetivamente.

 

Segundo o presidente do júri, António Bóia, Ricardo Luz, que passou anteriormente por lugares como o Tavares, Penha Longa Resort e Vila Vita Parc, foi o que mostrou "maior consistência do início ao fim da prova e o que mais se destacou no sabor, na técnica e no desempenho profissional. Não há apenas um prato nos cinco que se destaque, porque todos seguiram um nível superior e coerente”. Os pratos apresentados nesta final por Ricardo Luz, foram: Caldeirada de Bacalhau com Ravioli de Sames e Língua; Salmonete e seus Fígados, Ervilhas e Milhos Fermentados; Presa de Porco, Rabo, Nabo e Couve; Arroz de Cherne e Gamba da Costa e Sericaia de Morangos e Poejos.

IMG_1584.JPG

Quatro (dos cinco) pratos que levaram Ricardo Luz à vitória  

 

Por sua vez, o Prémio Helmut Ziebell, que premeia o prato mais inovador do concurso foi atribuído ao chefe António Queiroz Pinto, pela sua sobremesa, Fatias do Freixo, Gelado de Queijo de Cabra e Pêra Bêbada. António Bóia justificou a atribuição deste prémio ao chefe do restaurante Tormes, em Baião, pela  “capacidade de transformar um doce de romaria e de feira numa sobremesa que poderia ser servida em qualquer restaurante de luxo do mundo, devido à sua perfeita harmonização com o queijo de cabra e a pêra”.

IMG_1583.JPG

O chefe António Queiroz Pinto e a sobremesa "inovadora" que ganhou o Prémio Helmut Ziebell

 

Importa lembrar que o CCA foi a primeira competição de chefes para profissionais de cozinha, e dela já saíram vencedores como Fausto Airoldi (foi o primeiro a triunfar, em 1990), Henrique Sá Pessoa (2005), João Rodrigues (2007), Vítor Matos (2003), António Loureiro (2014), Rui Martins (2016) e Luís Gaspar (2017). Na edição do ano passado, o vencedor foi Fernando Cardoso, nº2 de João Rodrigues, no Feitoria.

 

Para a regularidade e prestígio do concurso, mesmo com uma polémica ou outra pelo meio, tem contribuído bastante o facto do júri ser composto, desde sempre (pelo menos desde que me lembro), por um grupo de profissionais com provas dadas. Este ano António Bóia, chefe do JNCQuoî, foi o presidente, e os outros jurados foram Alexandre Silva (Loco), Orlando Esteves, Paulo Pinto (Chefe Executivo dos Hotéis Real), Nuno Diniz, Helmut Ziebell, Dieter Koschina (Vila Joya) e os júris assistentes Onildo Rocha (restaurante Roccia, em Paraíba, Brasil) e Fernando Cardoso (do Feitoria no Altis Belém e vencedor do CCA em 2018).

 

Um concurso praticamente sem a participação de mulheres 

 

Porém, um aspecto negativo que continua a verificar-se, ano após ano. Numa altura em que muito se fala em igualdade de género também na cozinha, a ausência de mulheres no concurso continua uma constante . Entre os 18 candidatos que disputaram as etapas regionais apenas uma era mulher, Eduarda Silva, do Grand Hotel Açores Atlântico, que não chegou à final. Mas se não se deve forçar a disputa para ganhar ou apurar esta ou aquela, pode-se, pelo menos, procurar candidatas e incentivá-las a participar. Como se pode, também, fazer com que haja chefes mulheres no júri, o que voltou, também, a não acontecer, este ano, em que os avaliadores eram exclusivamente homens.

 

Como já escrevi numa edição anterior, recordo que o CCA conta no seu histórico com várias vencedoras, todas na primeira década da disputa: Adelaide Fonseca (1991), Adozinda Gonçalves (1993), Celsa Villalobos (1995) e Carla Rodrigues (1999). Ou seja, entre 1990 e 1999, houve equilíbrio com 6 homens e 4 mulheres a ganharem a competição. E em 2020, o cenário voltará a ser o mesmo?

 

Fotos: Cátia Barbosa

 

Leia ainda:

publicado às 18:00



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Siga-nos no facebook


Mesa Marcada no Twitter


Os Preferidos 2018



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Novembro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Comentários recentes