Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




_CAB5176_eg catia barbosa.jpg

Decorreu, ontem, no Porto, a final Chefe Cozinheiro do Ano 2019 (CCA 2019), competição que já conta 30 edições e em que participaram os vencedores das etapas regionais ocorridas anteriormente. O vencedor foi Ricardo Luz, subchefe de Louis Anjos, no Bon Bon, Carvoeiro (Algarve), tendo na 2ª e 3ª posições, Bruno Ribeiro, da 1300 Taberna, e João Pedro Santos, do The Yeatman, respetivamente.

 

 

Segundo o presidente do júri, António Bóia, Ricardo Luz, que passou anteriormente por lugares como o Tavares, Penha Longa Resort e Vila Vita Parc, foi o que mostrou "maior consistência do início ao fim da prova e o que mais se destacou no sabor, na técnica e no desempenho profissional. Não há apenas um prato nos cinco que se destaque, porque todos seguiram um nível superior e coerente”. Os pratos apresentados nesta final por Ricardo Luz, foram: Caldeirada de Bacalhau com Ravioli de Sames e Língua; Salmonete e seus Fígados, Ervilhas e Milhos Fermentados; Presa de Porco, Rabo, Nabo e Couve; Arroz de Cherne e Gamba da Costa e Sericaia de Morangos e Poejos.

IMG_1584.JPG

Quatro (dos cinco) pratos que levaram Ricardo Luz à vitória  

 

Por sua vez, o Prémio Helmut Ziebell, que premeia o prato mais inovador do concurso foi atribuído ao chefe António Queiroz Pinto, pela sua sobremesa, Fatias do Freixo, Gelado de Queijo de Cabra e Pêra Bêbada. António Bóia justificou a atribuição deste prémio ao chefe do restaurante Tormes, em Baião, pela  “capacidade de transformar um doce de romaria e de feira numa sobremesa que poderia ser servida em qualquer restaurante de luxo do mundo, devido à sua perfeita harmonização com o queijo de cabra e a pêra”.

IMG_1583.JPG

O chefe António Queiroz Pinto e a sobremesa "inovadora" que ganhou o Prémio Helmut Ziebell

 

Importa lembrar que o CCA foi a primeira competição de chefes para profissionais de cozinha, e dela já saíram vencedores como Fausto Airoldi (foi o primeiro a triunfar, em 1990), Henrique Sá Pessoa (2005), João Rodrigues (2007), Vítor Matos (2003), António Loureiro (2014), Rui Martins (2016) e Luís Gaspar (2017). Na edição do ano passado, o vencedor foi Fernando Cardoso, nº2 de João Rodrigues, no Feitoria.

 

Para a regularidade e prestígio do concurso, mesmo com uma polémica ou outra pelo meio, tem contribuído bastante o facto do júri ser composto, desde sempre (pelo menos desde que me lembro), por um grupo de profissionais com provas dadas. Este ano António Bóia, chefe do JNCQuoî, foi o presidente, e os outros jurados foram Alexandre Silva (Loco), Orlando Esteves, Paulo Pinto (Chefe Executivo dos Hotéis Real), Nuno Diniz, Helmut Ziebell, Dieter Koschina (Vila Joya) e os júris assistentes Onildo Rocha (restaurante Roccia, em Paraíba, Brasil) e Fernando Cardoso (do Feitoria no Altis Belém e vencedor do CCA em 2018).

 

Um concurso praticamente sem a participação de mulheres 

 

Porém, um aspecto negativo que continua a verificar-se, ano após ano. Numa altura em que muito se fala em igualdade de género também na cozinha, a ausência de mulheres no concurso continua uma constante . Entre os 18 candidatos que disputaram as etapas regionais apenas uma era mulher, Eduarda Silva, do Grand Hotel Açores Atlântico, que não chegou à final. Mas se não se deve forçar a disputa para ganhar ou apurar esta ou aquela, pode-se, pelo menos, procurar candidatas e incentivá-las a participar. Como se pode, também, fazer com que haja chefes mulheres no júri, o que voltou, também, a não acontecer, este ano, em que os avaliadores eram exclusivamente homens.

 

Como já escrevi numa edição anterior, recordo que o CCA conta no seu histórico com várias vencedoras, todas na primeira década da disputa: Adelaide Fonseca (1991), Adozinda Gonçalves (1993), Celsa Villalobos (1995) e Carla Rodrigues (1999). Ou seja, entre 1990 e 1999, houve equilíbrio com 6 homens e 4 mulheres a ganharem a competição. E em 2020, o cenário voltará a ser o mesmo?

 

Fotos: Cátia Barbosa

 

 

Leia ainda:

publicado às 18:00


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog