Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




"Queijo fresco. Qual, carapau?”

por Miguel Pires, em 29.05.15

IMG_2942.JPG

Nos tempos em que Scolari treinava a selecção portuguesa havia um anúncio na televisão no qual Felipão falava de palavras diferentes que encontrou quando chegou a Portugal. Os sapatos aqui não tinham cardaços, mas sim atacadores, o jogo de pembolim se chamava matraquilhos e no avião havia hospedeiras e não aeromoças.

 

 

É verdade que mesmo num país pequeno existem palavras diferentes consoante a região. Por exemplo, em Lisboa, chope é imperial e no Porto, fino. Mas a estranheza maior não está tanto na utilização de palavras diferentes, mas sim quando não as reconhecemos. Por isso o sorriso do gaúcho, no comercial, devia-se à estranheza no emprego de uma palavra que nunca tinha ouvido falar, para definir algo que lhe era tão familiar.

 

Porém, o mais divertido mesmo são os equívocos que geram os termos que são próximos mas cujo significado muda consoante você está de um lado ou do outro do Atlântico. Por exemplo, a torta daí é a tarte daqui e a torta daqui se chama rocambole aí. "Nossa você exagerou na pimenta", dizia-me no outro dia a Luciana ao provar o prato de caril, perdão de curry, que eu acabara de fazer. "Mas eu não coloquei pimenta, apenas malagueta", referi, com um ar inocente. “Mas malagueta é pimenta”, respondeu ela. “Não, pimenta é aquela de grão, branca, preta, etc”, ripostei (por acaso não é totalmente verdade porque, nos Açores, também lhe chamam pimenta, mas pronto). "E esse outro aí leva salsão?", perguntou ela de novo. "Não, apenas salsa e aipo", respondi. "Oi?! Salsa é salsinha? E aipo, o que é? Pois... é salsão.

 

Como se não bastasse a Lu me acusa de comer as vogais, mais do que qualquer outro patrício, versão que é corroborada por vários amigos meus (amigos da onça, está visto). Assim, ela adoraria que eu dissesse be-rin-ge-la ou be-te-rra-ba em vez de "brngéla", ou “btrraba”. Ou ainda queijo em vez de "qeij".

 

Por falar nisso, gostava ela, também, que o som desta última palavra ("qeij") se distinguisse bem de "peixe", algo que parece não acontecer frequentemente. Por exemplo, no outro dia, no supermercado, cheguei junto dela, entusiasmado, dizendo: " Lu, comprei um queijo fresco maravilhoso!". E ela: "qual, carapau?".

 

Crónica publicada originalmente na revista brasileira Prazeres da Mesa, em Abril 2014 (Foto: queijo fresco com pimenta da terra tirada no Mané Cigano, em Ponta Delgada, Açores)

 

Leia ainda:

publicado às 12:52


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Patrocinador Mesa Marcada


Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga-nos no facebook



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Comentários recentes