Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Saudades dos restaurantes

por Duarte Calvão, em 20.04.20

 

20200228_CartaYeatman_HR-19.jpg

As entregas a domicílio têm mitigado o meu confinamento, mas a verdade é que sinto muito a falta de ir a restaurantes apreciar não só a cozinha que não permite transporte, mas também todo o ambiente e os rituais que só neles se consegue encontrar. A escolha da mesa, do que se vai comer e beber, a sucessão dos pratos e as reacções que eles provocam. Até da chegada da conta... Mas sinto ainda mais falta daqueles pratos que têm que se finalizados mesmo antes de serem servidos, porque precisam de uma temperatura exacta, de um determinado ponto de cozedura, de um molho ou condimento que se dissipa em poucos minutos. Das conjugações complexas e inesperadas de ingredientes, dos equilíbrios no limite, das apresentações vistosas e surpreendentes.

 

Parece que foi há um ano, mas na realidade foi apenas há pouco mais de mês e meio que fui na minha peregrinação anual ao Porto (mais precisamente a Vila Nova de Gaia) para conhecer a nova carta que Ricardo Costa apresentou no The Yeatman e, por isso, são dessa sempre extraordinária experiência as fotografias que ilustram este post. Aproveitei a viagem ao Porto para também conhecer dois outros restaurantes de que já muito tinham ouvido falar – o Almeja e o Mito – e confirmei que são os dois altamente recomendáveis. Oxalá todos consigam reabrir em breve, mesmo com afastamento social entre comensais.

 

20200228_CartaYeatman_HR-16.jpg

 

Uma das coisas que este período de encerramento obrigatório dos restaurantes veio confirmar é que os chefes entraram definitivamente no grupo mais invejado da sociedade portuguesa. Não têm sido poucas as reacções e comentários que tenho visto em que, com satisfação mal disfarçada, se manifestam ideias do tipo “é bem feita, quem é que os mandou armar ao pingarelho?” ou “pois é, os ricos vão ficar pobres”. Ou, pior ainda, “agora vão ter que voltar a fazer a cozinha tradicional, vão deixar-se de modernices”, decretando o fim da “alta cozinha”, substituída pela “cozinha do povo”.

 

Eu, por mim, não dispenso a sofisticação, a “cozinha Michelin”, a criatividade, os bons talheres e copos, o “rústico-chique”, os pratos surpreendentes e divertidos, a simplicidade aparente, o serviço de sala discreto e gentil. Nem sequer dispenso os erros de quem arrisca. Se a “lição” que esta maldita pandemia tem a dar aos restaurantes e chefes é o fim desta cozinha de que tanto gosto, mais vale continuar a ficar em casa. Aliás, nem estou a cozinhar nada mal.

 

20200228_CartaYeatman_HR-42.jpg

 

 

Leia ainda:


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Gastronomo Alem Fronteiras a 20.04.2020 às 15:02

Não tema caro Sr. Calvão. Verá que os chefs da Alta Cozinha sairão até bastante reforçados com esta pandemia . Porque não somos só o senhor e a minha pessoa que temos falta desse tipo de gastronomia, serão os muitos outros, sobretudo aqueles que tendo poder de compra mas nunca ligaram muito a experiência gastronómicas, que agora à custa do confinamento, quererão experimentar essas experiências. Perceberão que a vida só se vive uma vez e haverá que aproveitá-la.. daí ver que poderá ser uma oportunidade de ouro para a gastronomia de requinte! E não esquecer o Guia Michelin que, perante as adversidades, continuam com o mesmo nível de exigência (se calhar a partir de agora ainda mais) e trabalham na motivação para o sucesso dos restaurantes que eles avaliam desde o início do Sec. XX. Houve a Pneumónica, houve as duas grandes guerras mundiais, houve a grande depressão de 1929 mas a restauração nunca morreu nem morrerá e o Michelin é testemunha viva disso mesmo.

Um bem haja e que estejamos cada vez mais próximos do regresso aos prazeres de ir a um bom restaurante! Ontem já ficou mais longe desse objectivo e amanhã ficará cada vez mais perto
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.04.2020 às 14:39

🥂
Sem imagem de perfil

De sandra sofia a 25.04.2020 às 20:50

Muito pessoalmente,eu nunca fui fã de ir a restaurantes,como sou muito esquisita com a comida desde criança,ou melhor,desde bem pequenina,não gosto de ir a restaurantes,contudo,entendo o teu ponto de vista no que diz respeito a este assunto,mas eu cá prefiro a comida da minha mãe,ela sabe cozinhar muito bem,

Comentar post



Os autores

Duarte Calvão (perfil)
Miguel Pires (perfil)

Porquê?

Três autores há vários anos ligados à gastronomia e vinhos criaram este espaço para partilhar com todos os interessados os seus pontos de vista sobre o tema (ver "carta de intenções").

Pesquisar

  Pesquisar no Blog